Marshmallow by Jessica Ruscello on Unsplash

O que um Marshmallow pode dizer sobre o seu sucesso

Você é criança e está na sala de uma casa de um amigo dos seus pais. Os adultos estão lá, jogando conversa fora sobre assuntos de gente grande, enquanto você não consegue tirar os olhos do que, no momento, parece ser o Santo Graal. Há uma doceira cheia de marshmallows na mesinha de centro da sala.

Conversa vai e conversa vem, o amigo dos seus pais percebe você vidrado na doceira e finalmente se posiciona: “ô, fulaninho, que é que tanto você olha pro vidro? Você gosta de marshmallow, é?

Você simplesmente balança a cabeça timidamente. “Ah, que bonitinho! Por que não tinha me falado isso antes?” A vitória parece certeira para você quando ele se movimenta para abrir a doceira e liberar o acesso quando sua mãe, para o seu sofrimento, interrompe:

“Péraê… alto lá, fulaninho, é quase hora do almoço já. Se você comer doce agora não vai almoçar!”

Droga! Estávamos tão perto! Mas tudo não está perdido ainda. Seu pai tenta apaziguar o conflito aproximando todos de uma solução comum:

“Calma gente, por que a gente não faz o seguinte: como está quase na hora do almoço, o fulaninho pode comer um só marshmallow nesse momento. Mas, se ele esperar o almoço, poderá comer quantos marshmallows tiverem aí na doceira.” Sua mãe concorda.

O que você faz? Come um marshmallow agora ou espera para poder comer mais depois?

Incrivelmente, a sua resposta como criança para esta situação pode ditar o seu sucesso na vida, como demonstrado num experimento psicológico em Stanford.

Continuar lendo “O que um Marshmallow pode dizer sobre o seu sucesso”
Anúncios
"Egg" by Revolt on Unsplash

Educação Financeira #3: Investir não tem prazo

Qual o melhor investimento que posso fazer pra seis meses?

A alíquota do IR é muito significante pra menos de um ano?

Devo investir no Tesouro Selic ou IPCA+ 2035? Não sei se posso esperar tanto tempo!

Estas são as perguntas erradas a se fazer.

Quando iniciei no mundo dos investimentos, tinha várias concepções erradas quanto o que significava investir. Acho que todo mundo passa por essa fase de transição de sardinha querendo procurar bons rendimentos, etc até propriamente aprender a investir de forma correta.

Felizmente, esta época passou depois de ter tomado algumas bordoadas da comunidade de finanças pessoais, e formei os conceitos que tomo de base para as minhas decisões financeiras. Alguns conceitos eram simples e até mesmo óbvios, como diversificação dos ativos, risco x retorno, etc. Outros levaram muita reflexão e filosofia pra eu finalmente entender.

Um dos conceitos mais difíceis de aprender pra mim foi que investir não tem prazo e que você não deve se preocupar tanto com o prazo do investimento quanto com a sua liquidez.

Parte da dificuldade em entender isso se dá do fato que ele é a princípio extremamente contra-intuitivo com a crença popular – se eu investi hoje, tenho que receber daqui a algum tempo, certo? Neste post vou explicar como eu entendi este conceito, e como ele é fundamental para o investidor de longo prazo.

Continuar lendo “Educação Financeira #3: Investir não tem prazo”

Confrontando o cotidiano 4 – O cafezinho de R$60.000,00

Semana passada no trabalho, estava tomando meu cafezinho de tarde quando olhei bem pra caneca e comecei a refletir. Vi as pessoas voltando do almoço trazendo copos do Starbucks pras suas mesas e não pude deixar de pensar.

Lá se vão 14 reais da carteira, transformados em açúcar, leite e um tiquinho de café aguado…

E aí então voltei a atenção ao meu copo. Lá estava um nescafé solúvel que havia preparado eu mesmo com a água quente disponível na copa (meu escritório não fornece café aos empregados, apenas água e maquininhas de refrigerantes com bebidas). Admitidamente não é o melhor café que tomei, mas, depois de fazer algumas contas rápidas, percebi que era o café de maior valor que já tomei na vida.

De fato, este café me economizará mais de sessenta mil reais na vida.

Continuar lendo “Confrontando o cotidiano 4 – O cafezinho de R$60.000,00”

Kakeibo – o método Japonês para fazer e melhorar o orçamento doméstico

Como vai o seu orçamento? Você se orgulha dele, ou ele te traz vergonha e é melhor mudar de assunto? Acha que é um pilar importante de uma vida financeira e mentalmente saudável, ou é supérfluo, chato, e uma forma reprimida de se viver a vida?

Independente de como você vê o assunto do orçamento, pode se concluir que ele melhorá-lo é sempre beneficial. Não estou aqui para julgar ninguém, mas tenho uma crença forte que ao alinhar os seus gastos com aquilo que te traz valor, e reduzir todos aqueles outros que não trazem, você pode obter economias altíssimas sem sentir que está fazendo algum tipo de sacrifício.

Como quase tudo na vida, é muito mais fácil falar sobre isso do que fazer. Felizmente, recentemente, me deparei com uma metodologia Japonesa de fazer orçamentos chamada Kakeibo 家計簿 (às vezes escrito kakebo), que busca aumentar as economias do lar focando na conscientização dos gastos. O Kakeibo busca facilitar o jeito de como as pessoas realizam orçamentos e é ambicioso; ele promete ao praticante uma economia inicial de 35% do salário.

Vejamos como este método ambicioso e tradicional funciona, e como ele se compara com o jeito do Pinguim de fazer orçamentos.

Continuar lendo “Kakeibo – o método Japonês para fazer e melhorar o orçamento doméstico”
Photo by simon peel on Unsplash

Qual é a maneira mais simples de ganhar 1 milhão de reais?

Em Agosto de 2005, um estudante universitário na Inglaterra com dificuldades em pagar sua mensalidade embarcou num projeto audacioso: ganhar um milhão de dólares com um website de uma página só. Um ano depois, seu objetivo não apenas foi alcançado, mas ele o superou com 37 mil dólares a mais. Qual o método que este brilhante empreendedor utilizou? Serviços de propaganda online? Marketing afiliado? Crowdfunding? Parceria com empresas de Tecnologia?

Nada disso. Alex Tew simplesmente reservou 1 milhão de pixels da página do site e vendeu cada pixel disponível por um dólar.

Hoje em dia fala-se muito da criatividade do empreendedor para conseguir achar novos mercados, quebrar paradigmas atuais de negócios, dominar o mercado atual, etc. Mas ganhar dinheiro não necessariamente requer estas estratégias, nem operar investimentos, já que o investimento é o que te mantém rico, não o que te deixa rico.

Muitos ainda se esquecem que há um conceito simples que rege toda e qualquer forma de se ganhar dinheiro: a aritmética.

Continuar lendo “Qual é a maneira mais simples de ganhar 1 milhão de reais?”

Fuja da média

O primeiro capítulo do livro Rich Dad’s guide to Investing do Robert Kiyosaki relatam o primeiro conselho que o Pai Rico deu a Kiyosaki sobre a melhor forma de investir:

When I asked my rich dad, “What advice would you give the average investor?” his reply was, “Don’t be average.”

Robert Kiyosaki – Rich Dad’s guide to Investing

Este conselho reverbera com todos os meus valores hoje, e este fato é um dos fatores que mais acentua a minha mudança de mindset atual: se você busca um objetivo, seja ele ambicioso, incomum ou extraordinário, você precisa fugir da média se quiser alcançá-lo.

Note que isso não é um mindset elitista, de como deve-se pensar em ser o melhor em tudo toda hora, de que alguém apenas pode ser feliz se estiver no topo. Não recomendo esta forma de pensar também por conta do estresse envolvido com pensar sempre no topo.

O ponto a ser tomado aqui é que se os seus objetivos não são os mesmos da média, você não pode pertencer à média para alcançá-los.

Continuar lendo “Fuja da média”
Photo by Suhyeon Choi on Unsplash

Reflexões: lições após 1 ano de aprendizado financeiro

O post de hoje é muito especial para mim. Ele é especial porque representa um marco na minha vida: há um ano, em Maio de 2018, comecei a minha jornada em busca da Independência Financeira.

Eu já possuia algumas tendências frugais antes disso (às vezes me chamavam de Tio Patinhas), mas na verdade nunca havia prestado muita atenção às minhas finanças, e muito menos me atentado ao potencial de maximizar os benefícios combinando-as com investimentos.

Ano passado isso mudou. E a minha vida mudou completamente em consequência disto.

Um dos primeiros posts que publiquei aqui conta a minha história e evolução de mindset que tive desde que comecei a vida adulta. Aqui compartilho alguns insights que tive nesta jornada de um ano atrás até hoje.

Continuar lendo “Reflexões: lições após 1 ano de aprendizado financeiro”

Você consegue enriquecer só com investimentos?

A procura de muitos assim que aprendem sobre a educação financeira é investir. É o passo natural de quase todo mundo já que, de acordo com o triângulo do acúmulo patrimonial, é o único pilar desconhecido depois da renda e da economia. Unido a este espírito estão as notícias e posts sensacionalistas indicando como alguns fulanos de tais conseguiram “ganhar milhões na bolsa.” Embora as boas intenções, infelizmente a perseguição por investimentos e performance começa, atrapalhando o caminho até a independência financeira – e algumas vezes traumatizando o indivíduo que “perdeu tudo.”

A minha opinião é que enriquecer somente com os investimentos – especialmente no início – é altamente arriscado e ineficiente.

Isso é porque nem sempre o investimento é a melhor escolha. Dependendo da sua situação, é melhor direcionar o foco em outros processos que lhe poderão te providenciar um retorno melhor. Um exemplo disso que indiquei no meu post anterior é a quitação das dívidas; é melhor concentrar esforços para quitar todas as dívidas que você possui antes de começar a investir. Neste post explico sobre outros exemplos para você planeje melhor o seu caminho até a IF.

Continuar lendo “Você consegue enriquecer só com investimentos?”

Quebrando a barreira dos 50%

Na foto de capa: Bell X-1, avião experimental movido por motor de foguetes que foi o primeiro a quebrar a barreira do som em 1948.


Como anoto os meus gastos todos os dias, tenho ciência total sobre o que gasto e no que eu gasto. Esta mudança sutil de hábito me levou a descobrir alguns insights interessantes sobre os meus próprios hábitos que documentei num post anterior. Na época, havia comemorado quando vi que pela primeira vez na vida documentada, havia conseguido economizar mais do que 40% do salário líquido, então minha meta mensal, o que me parecia extremamente ambicioso na época.

Avançando alguns meses após esse marco, fechei o relatório de Abril e tive mais uma outra elegante surpresa: 55% do salário mensal aportado para investimentos. Não consegui acreditar meus próprios olhos no começo, mas logo entendi o que se passava: quebrei a barreira dos 50% pela primeira vez, e meu aporte foi finalmente maior do que os meus gastos.

Todos os meus gastos (aluguel, condomínio, e contas inclusas) < 50% do meu salário.

Awesome! Como descrito por Jacob L Fisker em seu livro, eu tecnicamente não precisaria trabalhar o mês seguinte.

Comemorei silenciosamente o feito comigo mesmo e logo depois comecei a refletir: o que foi de diferente desta vez? Mudou alguma coisa do meu mindset? Este post descreve algumas das coisas que aprendi.

Continuar lendo “Quebrando a barreira dos 50%”