Comece aqui / FAQ

Seja bem vindo ao Pinguim Investidor!

Com o crescimento exponencial do conteúdo e escopo deste blog ao longo do tempo, percebi que pode ser um pouco confuso para o leitor iniciante em finanças pessoais para começar a digerir o conhecimento que busco compartilhar neste blog. Visando ajudar a todos, criei este guia rápido que busca explicar os básicos, e onde encontrar conteúdo aqui no Pinguim Investidor.

Bons estudos, e espero que goste!

Conteúdo:

Conceitos básicos: o que é o FIRE?

Goste ou não, o dinheiro se tornou o conceito mais próximo de liberdade da vida moderna. Simplesmente falando, quanto mais dele você possui, mais coisas é capaz de fazer, e sempre há um custo envolvido em tudo, até naquilo chamado de “grátis.” Embora este pensamento leve a conclusão que apenas os ricos são livres, aqui está a boa notícia: você também é capaz de se juntar a eles, se conseguir simplesmente mudar alguns conceitos e práticas da sua vida.

O FIRE – Financial Independence; Retire Early ou Independência Financeira; Aposentadoria Precoce em Português – é um conceito que busca aproximar os conceitos de liberdade e riqueza com um terceiro: tempo. Muitos acreditam que a verdadeira liberdade está associada a estar aposentado, e nunca mais precisar trabalhar para receber dinheiro. Infelizmente, na rota tradicional que a maioria segue, isso significa trabalhar uns 30 anos para esperar o FGTS ser liberado. FIRE busca quebrar este paradigma: nós acreditamos que é possível, sim, se aposentar em um curto espaço de tempo, se utilizarmos uma peculiaridade de como as finanças trabalham. Como funciona?

Em uma palavra: juros. Quando você aplica dinheiro, essencialmente está emprestando dinheiro para que este seja retornado a você acrescido de juros compostos no futuro. Desta forma, se você aplicar R$1000 numa aplicação financeira rendendo 10% ao ano, no fim do primeiro ano terá R$1100. No fim do segundo, terá R$1210, e assim vai. A parte investida inicialmente (os R$1000 neste caso) é chamada de principal, enquanto a parte acrescida com o tempo (os 10% ao ano) é chamada de rendimentos.

Se você remover apenas os rendimentos, o principal não é afetado, e continuará rendendo perenemente a mesma quantia durante o período, provado apenas que você não toque no principal. Se você não precisar utilizar o dinheiro do principal durante o ano, essencialmente obterá os rendimentos de forma passiva, pois não precisou trabalhar por ele. Isto é chamado de renda passiva. Guarde este conceito por enquanto, porque retornaremos a ele em breve.

Agora suponha que você calculou todos os gastos que tem ao mês (contas, comida, diversão, transporte, etc), e descobriu que precisa de R$2000 para viver um mês confortavelmente. Para manter este padrão de vida, teria que arranjar um emprego que lhe pague no mínimo esta quantia para conseguir sobreviver. Mas e se você conseguisse poupar uma grande quantia de dinheiro, aplicasse-a como um principal, e utilizasse os rendimentos providos passivamente para bancar os seus custos de vida? A resposta: você terá atingido a independência financeira.

O conceito é muito bonito. Mas é viável? Surpreendentemente, sim! O FIRE usa um conceito chamado de regra dos 4% que matematicamente prova que é possível remover periodicamente um rendimento de até 4% sobre o principal eternamente – sem que o principal seja afetado. Portanto, se você necessita de R$2000 reais para viver, qual é o principal que precisa ter aplicado para bancá-lo?

Quantia mínima = (2000 * 12 meses) / 0.04 ao ano = 600000 reais

Você precisaria de apenas 600 mil reais para atingir FIRE nesse caso.

O que é Frugalidade, Minimalismo, Estoicismo…?

Se você leu até aqui, pode estar um pouco atordoado com o conceito que acabou de aprender: é só isso mesmo?

Sim, o conceito é simples. Todo o FIRE se baseia no fato de que quanto menores as suas despesas de vida, mais rápido e fácil se torna se aposentar. E infelizmente a maioria gosta de complicar (desnecessariamente) esta parte. Entram aqui algumas ferramentas que, embora não necessárias para atingir o FIRE em si, ajudam bastante na hora de se disciplinar contra a tentação diária de “inflar” artificialmente seus custos de vida. Vejamos elas a seguir:

Frugalidade em geral é o conceito de viver com o menor custo possível sem sacrifícios. Eu digo em geral porque ser frugal pode ser diferente para cada um que pratica. Para alguns, por exemplo, cortar restaurantes por completo é moleza, mas outros podem achar um sacrifício ter que cozinhar todos os dias. Usar ventilador e não ter ar condicionado pode ser tranquilo para alguns, mas outros podem achar impossível para viver. A milhagem varia. Qualquer que seja a sua definição, há um fator comum por trás: viver frugalmente não é um sacrifício – é uma escolha da qual tiramos satisfação. Ser frugal não é ser pão duro.

Minimalismo é a filosofia de se viver possuindo o mínimo possível de bens materiais. Embora no conceito e na dissertação é muito bonito e faz sentido, na prática as vezes é mais difícil se tornar um minimalista do que parece. Apego às coisas materiais, hábitos de acumulação, cultura onde você vive… tudo dificulta um pouco. Cabe a você se conscientizar que seus bens geralmente tiram dinheiro de você e dificultam sua adaptividade para migrar na direção certa de acumular menos. A carteira também agradece.

Estoicismo é uma filosofia grega de vida que prega que o ser humano deve viver racionalmente e praticar a virtude de ajudar o próximo na sua comunidade. Como exatamente isso te ajuda? Muitos dos gastos que temos, ou somos induzidos a ter, são derivados de nossas emoções sendo manipuladas. Olha! Isso aqui entrou em promoção! Ah, essa coisa eu preciso ter! Essa roupa vai ser ótima pra usar naquela festa que todo mundo vai! Etc. O estoicismo ajuda a conter tais emoções irracionais em cheque, e nos força a pensar qual é o sentido, o valor agregado em tomar algumas decisões. Igualmente, nos prepara psicologicamente para lidar com situações ruins que são realidade quando tratamos de coisas como investimentos em bolsa.

Qual é o sentido de tudo isso?

A este ponto você já sabe o que é o FIRE, e quais são algumas das técnicas e ferramentas que eu uso para me ajudar a chegar ao objetivo mais rápido e facilmente. Resta, porém uma pergunta crucial: por que seguir esse caminho? Por que as pessoas deveriam buscar a Independência Financeira, se educarem financeiramente, e tentar viver com mais frugalidade? Se esta é a sua dúvida, aqui estão alguns argumentos suportando esta decisão.

Primeiramente, eu ainda acredito que, conforme escrevi anteriormente, a liberdade trazida pelo FIRE é inigualável a qualquer outro objetivo que você poderia almejar na vida. Pense de novo: imagina ter a capacidade de fazer o que quiser e quando quiser, de negar qualquer tarefa ou pessoa que não lhe agradar ou satisfazer. De conseguir escolher onde morar e até quando. Este é o nível de liberdade que o FIRE e a Independência Financeira lhe proporcionam. Para mim, este valor sozinho já mais que justifica seguir o FIRE, mas as suas conclusões podem ser diferentes.

Adicionalmente, existem benefícios “de tabela” que o caminho até o FIRE traz: paz na mente trazida pelo estoicismo, organização e disciplina ao praticar o minimalismo, saúde física e mental oriundas de uma vida mais regrada e com atividade física estimulada ao invés de ficar em casa assistindo TV ou andando de carro para cima e para baixo. Estes benefícios não são exclusivos do FIRE, mas são frequentemente experienciados neste caminho.

Neste ponto, é preciso fazer um pequeno aviso: para alcançar o FIRE com sucesso, você precisa fazer uma grande mudança na vida: você precisa fugir da média, e afastar-se do que a maioria da população pensa e pratica. Embora FIRE não discrimine contra ninguém, como requerimento inicial é necessário estar preparado e determinado a trilhar caminhos que desafiam o “senso comum” errado ensinado por nossos pais e comunidade. Alguns dos conflitos gerados pelo fato de eu seguir este caminho geram histórias do cotidiano que eu publico aqui de vez em quando.

Recursos deste site

Agora que você decidiu seguir em frente com o FIRE, aproveite todo o conteúdo disponível aqui. Costumo postar duas vezes por semana sobre diversos assuntos, e você pode filtrá-los nas diversas categorias na barra lateral na direita. Adicionalmente, posto comentários sobre finanças e desenvolvimento pessoal no meu Twitter @pinguiminvest. Tento também arranhar no Podcast, e tenho um no Anchor, também espelhado no Spotify.

Como um ponto de partida, escrevi um post sobre as Guidelines de Investimento do Pinguim, onde explico a minha filosofia de investimentos em alguns conceitos.

Conhecimento é fundamental para começar qualquer coisa, e o FIRE não é exceção. Para mim a melhor forma de obter conhecimento é ler, e por isso listei livros recomendados na página de leituras. Fiz também resenhas de vários deles.

Nenhum blog é uma ilha, e de nada seria este blog se eu não tivesse tido uma exposição a um conteúdo extremamente rico provido pelos diversos outros blogs da Finansfera. Os melhores blogs, e aqueles que mais me inspiraram e ajudaram, estão listados na página de leituras.

Finalmente, um ótimo lugar para discussões técnicas de investimentos está no Reddit em /r/investimentos. Vale a pena ler depois.


Você ainda tem alguma pergunta que o Pinguim Investidor não respondeu aqui ainda? Alguma observação a ser feita? Escreva abaixo nos comentários, ou entre em contato comigo.

Abraços e seguimos em frente!