podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: Qual é o propósito dos investimentos?

Mas vale mesmo a pena deixar de trabalhar e ter mais preocupação que nao vai ter dinheiro o suficiente e ainda ter que passar o resto da vida na chata tarefa de administrar investimento e dinheiro? Pra mim acho que não.

Henry

Este comentário foi postado por um leitor num episódio anterior, O poder da constância nas suas finanças. E embora reconheço que a percepção de valor dos investimentos é subjetiva e varia bastante, acredito que neste caso houve um desentendimento sobre qual é o real propósito dos investimentos na vida.

Se você ama o seu trabalho, isto é ótimo. É uma coisa que poucos genuinamente conseguem afirmar, e na maioria das vezes não dura para sempre. Há um problema, porém, em depender do trabalho e do salário. Não só esta dependência é a razão pela qual muitos acabam por odiá-lo, ela também abre espaço para um desastre caso uma interrupção do salário ocorra, e você se encontre sem receita durante algum tempo.

Há maneiras de mitigar, e até evitar, estes efeitos da dependência do trabalho, e sem dúvida a mais simples é através de investimentos. Veja porque, e outras formas, neste episódio.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: Qual é o propósito dos investimentos?”

Convertibilidade ao dinheiro: a melhor medida do pragmatismo financeiro

Virou Outubro e com ele, talvez seja hora de largar os conceitos avançados de investimentos e voltar um pouco aos básicos da educação financeira e rever a filosofia de como o dinheiro possui valor.

Mesmo que nem sempre queremos nos tornar Platão ou Freud e fixar na metafísica sobre o dinheiro representa, é bom de vez em quando nos perguntarmos da onde vem o valor que tiramos de uma quantia de dinheiro para alinharmos nossos objetivos e termos certeza que estejamos caminhando na direção certa, qualquer que seja o âmbito. E quando se trata de dinheiro, é importante sabermos e revermos a importância que ele possui na nossa vida para não cometermos um grande erro com nossas economias e gastarmos ele da forma errada.

Ouvimos muitas coisas sobre o valor e a utilidade do dinheiro, mas no fim das contas, o pragmatismo dele nos aponta a apenas uma possível resposta: uma medida de valor e padronização de troca, que viabiliza o comércio além do tradicional “escambo.” Nesta definição, porém, revela-se uma grande fraqueza sobre o dinheiro: ele é, essencialmente, efêmero. Uma vez utilizado, ele se acaba, e não poderá lhe servir mais de qualquer outra forma.

Esta realização realmente nos força a pensar cuidadosamente sobre como utilizamos o nosso dinheiro: procuramos evitar a compra de passivos financeiros e acumular ativos que se valorizam conforme o tempo, procuramos gastar apenas com aquilo que nos traz valor e realização pessoal, e temos uma tendência natural a economizar. E ainda assim, um detalhe muito importante passa despercebido em meio a este fato, e nos cega novamente a outro detalhe importante para o planejamento financeiro tranquilo e o enriquecimento.

Vejamos a importância da convertibilidade ao dinheiro neste post.

Continuar lendo “Convertibilidade ao dinheiro: a melhor medida do pragmatismo financeiro”

Fechamento Setembro 2020 – enfim tempos melhores.

Setembro cruzou o Solstício de Outono, e finalmente chegamos ao quarto e último trimestre de 2020. Inacreditável, não? Daqui a pouco vai ser época de rever as resoluções de ano novo mais uma vez, e de reunir (ou não, né) os parentes para o Natal, fim do ano, etc.

Felizmente, quase não houveram tufões ou chuvas muito fortes aqui na minha área do Japão, ao contrário do ano passado, quando tivemos dois tufões fortes que impactaram as operações na região. Fica a pensar se foi o efeito da parada generalizada da produção industrial este ano, que “esfriou” o planeta e tornou o clima mais ameno, ou mera coincidência.

Aproveitei o mês para afiar minhas habilidades de programação e administração de sistemas Unix, cortesia do meu amiguinho Raspberry Pi, e aprendi muitas coisas novas no processo.

Vamos ver como me saí financeiramente.

Continuar lendo “Fechamento Setembro 2020 – enfim tempos melhores.”

Fechamento Julho 2020 – “now that the rain is gone…”

Virou 1º de Agosto aqui na Ásia e, com o fim de Julho, também veio o fim de uma longa temporada de chuva e monções conhecida por aqui como 梅雨 (tsuyu). Tempos melhores já chegaram, mas infelizmente com eles veio um calor infernal a-la ilha tropical que só se aquietará lá pra Outubro.

Metaforicamente falando, a virada de Julho para Agosto também marca uma virada na minha história como investidor: pela primeira vez estive com mais de 50% dos meus investimentos em renda variável. Para isso, acabei finalmente girando meu patrimônio de maneira considerável, vendendo uma parcela da minha posição da renda fixa para me posicionar de forma mais robusta a minha fonte de renda passiva.

Enquanto isso, parece que o Japão acredita que realmente conseguiu ganhar do Coronavírus, embora manter o controle em meio aos casos crescentes é o desafio até os jogos adiados até o ano que vem.

Vamos ver como me saí financeiramente.

Continuar lendo “Fechamento Julho 2020 – “now that the rain is gone…””

E se tributarem os dividendos? E outros medos dos impostos

Recentemente, as redes sociais da finansfera foram atingidas por uma notícia que tremeu a fundação do movimento FIRE: o ministro da economia Paulo Guedes propôs em entrevista que dividendos e proventos de ações sejam taxados. Guedes afirmou que não acha justo que um trabalhador tenha 27% do seu salário tributado como imposto de renda enquanto um acionista consiga receber proventos, muitas vezes mensais, completamente isentos do dever fiscal, e estaria buscando uma medida para “equalizar” esta medida.

Tal notícia causou um grande alvoroço para a comunidade de investimentos, que enxergam (corretamente!) os dividendos da renda variável como uma espécie de oitava maravilha do mundo, e contam com eles para financiar seu plano de aposentadoria. Com esta proposta passando, não só não seria mais possível aproveitar da antiga alta taxa Selic para obter rendimentos passivos com a segurança da renda fixa (sonho dos rentistas), mas também quaisquer planos de criar um patrimônio de investimentos previdenciários também seria afetado significantemente.

Muitos nessas horas fazem esta primeira pergunta: e agora? Como fica o meu planejamento? É hora de parar de investir em renda variável? Estas dúvidas são naturais por conta da ameaça percebida e a falta de certeza no futuro. Porém, mais importante, elas revelam um aspecto muito mais fundamental que a população possui: o medo dos impostos.

Para ficar claro, acredito que mesmo com isto passando, não é razão para parar de acreditar no potencial e nos benefícios que o investimento em renda variável possui. Seria, porém, uma hora de você rever o impacto que os impostos (ou a sua percepção deles) tem no seu planejamento financeiro. Veja como neste artigo.

Continuar lendo “E se tributarem os dividendos? E outros medos dos impostos”

Seu salário não vai te salvar

“Se eu tivesse um emprego melhor, tudo estaria resolvido.”
“Se meu chefe fosse outro, não teria tantos problemas”
“Se meu salário fosse maior, não estaria neste marasmo.”

Quando não se tem muita noção de educação financeira, é comum procurar um fator externo para culpar os problemas da vida, e frequentemente este se torna o salário ou o emprego atual.

Ao passo que, especialmente no começo, um salário tem muita influência na sua situação financeira, é preciso realizar que ele não irá manter você rico se você não encontrar outras formas de obter renda e fazer seu dinheiro trabalhar para você. Muito pelo contrário: se você sempre depender do seu salário, será um escravo do seu emprego para sempre.

Como você pode virar o jogo numa situação como esta? Como sempre, a resposta é investindo. Veja mais detalhes neste vídeo.

Continuar lendo “Seu salário não vai te salvar”

Fechamento Junho 2020 – vai ou racha?

Primeira semana do Segundo semestre de 2020, e aparentemente grande parte do mundo continua meio que parado no tempo. Ruas vazias, países e cidades paradas, eventos grandes serialmente cancelados, mas em alguns lugares como no Japão as pessoas estão cada vez mais decididas que o COVID-19 foi “vencido” e a situação pode retornar à normalidade.

Podem aproveitar a Disney, mas fiquem separados um do outro!
Podem vir à Disney tranquilamente! Mas fiquem distantes uns dos outros, não andem juntos nos carrinhos e – mais importante – não gritem para não espalhar o vírus! Crédito da Imagem: Soranews24

Nesta briguinha do vai-não-vai, o Pinguim Investidor continuou fazendo aquilo que faz melhor: trabalhar para ganhar dinheiro, investir o capital aportado, aumentar a renda passiva e procurar fontes de renda alternativas para diversificar.

Em meio a tudo isso, deparei com a notícia que o Brasil atualmente se encontra rankeado como o pior país no tratamento do COVID-19, acirradamente disputando o título contra o USA NUMBER ONE. Não sei dizer se as notícias estão exageradas, mas desejo uma recuperação rápida e tranquila quanto à situação.

Vamos ver como me saí financeiramente.

Continuar lendo “Fechamento Junho 2020 – vai ou racha?”

Guest post Maluzeando Lettering: Cadê o Salário que estava aqui?

As ilustrações deste post são uma cortesia da Sra. Pinguim, que posta ilustrações diversas do cotidiano feminino em seu blog Maluzeando Lettering, e também no seu Instagram.

Quem nunca passou por uma situação dessas? No dia do pagamento se sente um rei ou rainha, aproveita o breve momento de riqueza para se esbanjar em seus desejos e logo percebe que todo o dinheiro foi embora e agora se encontra na mesma situação que começou. Que mais fazer senão esperar o próximo salário cair na conta para se sentir novamente rico e empoderado para tão naturalmente cair na mesma armadilha e repetir tudo de novo?

Esta é a conhecida rotina da tão famosa corrida dos ratos, a praxe pela qual a sociedade vive de consumir e trabalhar para consumir mais, e contra qual a finansfera luta para obter uma vida verdadeiramente livre. Ainda assim, há algumas nuances nesta história tão batida que as pessoas simplesmente não enxergam por estarem tão absorvidas e acostumadas nesta “rotina,” e a má notícia é que, se não conscientizadas, podem levar qualquer um ao desastre financeiro. Vamos analisar esta história mais a fundo.

Continuar lendo “Guest post Maluzeando Lettering: Cadê o Salário que estava aqui?”

O que dá mais felicidade: dinheiro ou liberdade?

A vida pode ser resumida como um processo de procura. Procura de comida, recursos, segurança, relacionamentos e – por que não – felicidade. Nada é estático, e nada é igual ao que passou, tornando viver um real processo de mudança constante. Não só isso significa que temos que ter flexibilidade e agilidade em nossas ações e planejamento, mas também que devemos ter nossos objetivos e horizontes bem demarcados em nossa visão quando estamos correndo na direção deles.

Alguns dizem que o dinheiro não traz felicidade, outros discordam completamente – e este assunto tão velho quanto o mundo prossegue sem uma resposta comum, provavelmente para sempre. Porém, uma visão moderna sobre este assunto, pensada pelo lado FIRE, traz um novo ponto de vista à mesa: o verdadeiro valor do dinheiro está em prover liberdade. Podemos ver o dinheiro de várias formas – um recurso escasso ou abundante, medida de poder, ganância – mas é na liberdade individual provida através da renda passiva que obtemos o melhor uso dele.

Enxergar o dinheiro como uma medida de liberdade nos auxilia a enxergar os objetivos de forma melhor, mas e se tivéssemos a possibilidade de obter puramente a liberdade independente do dinheiro – seríamos mais felizes? Segundo um estudo realizado nos Estados Unidos em 2016, a resposta parece ser sim. Será que isso significa que não devemos, então, procurar por dinheiro e repensar por inteiro nossos objetivos FIRE? Não exatamente, mas os insights desta pesquisa nos agregam considerações interessantes para agregar na nossa jornada.

Vejamos mais neste post.

Continuar lendo “O que dá mais felicidade: dinheiro ou liberdade?”

Aposentadoria móvel e flexibilidade – ainda podemos confiar na regra dos 4%?

A maior fraqueza dos adeptos à filosofia FIRE (acrônimo para independência financeira, aposentadoria precoce em inglês) é a mesma coisa que os torna poderosos em primeiro lugar: os seus investimentos. Quando seguimos a filosofia à risca, buscamos acumular patrimônio investido para obter renda passiva o suficiente para cobrir todos os nossos gastos de vida – numa condição conhecida como Independência Financeira. Um conceito simples, mas que revolve em torno de uma questão de ouro: quanto, exatamente, é necessário para isso acontecer?

Como praxe, utiliza-se uma famosa guia conhecida como regra dos 4%, descoberta inicialmente pelo americano William P. Bengen em 1996. O estudo de Bengen e o Trinity Institute concluiu que, historicamente falando, recém-aposentados poderiam sacar anualmente até 4% das suas carteiras de investimento sem ficar sem dinheiro durante o resto da vida. Este número ficou tão famoso que nomeou a regra, e ficou conhecida como taxa segura de retirada (TSR).

Por trás da brilhante simplicidade desta fórmula, porém, existem vários pressupostos ocultos que, embora comuns no ambiente estudado por Bengen, podem ser longe da realidade de um FIRE brasileiro. E quando sua estratégia inteira de aposentadoria se baseia nesta única fórmula, um erro de cálculo pode se tornar um desastre no longo prazo.

Durante o começo da crise do coronavírus em 2020, muitos corretamente se questionaram sobre a validade da regra dos 4% num ambiente econômico mais volátil e menos maduro como o Brasil, culminando com o post da Yuka do Viver Sem Pressa onde ela disserta sobre a necessidade da flexibilidade numa vida pós-FIRE no Brasil. E em meio a tudo isso, com a bolsa novamente se recuperando, a velha pergunta permanece: ainda podemos confiar na regra dos 4%, afinal?

A realidade é que, embora sua aplicabilidade seja duvidosa num cenário de países em desenvolvimento, ainda podemos utilizá-la como um guia para o nosso macroplanejamento financeiro. Veja neste post como.

Continuar lendo “Aposentadoria móvel e flexibilidade – ainda podemos confiar na regra dos 4%?”