FOMO: provavelmente a sigla mais destrutiva da sua vida

Você está sozinho de noite, fazendo alguma coisa produtiva que planejou anteriormente para desenvolver alguma das suas habilidades, e vê no seu celular o seu timeline: pessoas “se divertindo” de inúmeras formas que você não poderia ter imaginado. Selfies com sorrisos, língua de fora, copos e taças brilhantes com bebidas e ambientes luxuosos.

Neste momento, aquele sentimento ataca. Aquele que cria uma ansiedade e faz uma insegurança começar a borbulhar por dentro de você. Aquele que faz você se preocupar com e questionar a sua escolha para hoje à noite. Aquele que te deixa deprimido por achar que todos ao seu redor estão vivendo um momento melhor do que o seu. E, se deixado crescer descontroladamente, poderá acabar com a sua saúde mental.

Você pode conhecer este sentimento por vários nomes, mas eu me refiro a ele por FOMO, significando Fear Of Missing Out en Inglês.

Ao passo que FOMO pode ser inicialmente dispensado como uma coisa insignificante, como uma coisa de adolescentes tentando se tornar popular na escola, mas graças à onipresença das mídias sociais e propaganda nos dias atuais, tal tendência se espalhou para quase todas as nossas premissas atuais. Happy hours do trabalho, noitadas em bares e boates, e férias paradisíacas invadem nossos espaços mais frequentemente do que imaginamos. E nós mesmos, na nossa curiosidade humana, sabotamos nossa sanidade querendo saber mais, numa manobra com um pequeno toque masoquista.

O efeito “oposto” ao FOMO também existe. Não tenho um nome para ele, mas você também conhece: é aquela aversão em “perder qualquer oportunidade” que leva a pessoa a tentar estar em mais lugares e fazer a maior quantidade de coisas possíveis. Os efeitos de uma vida hedonística como esta são desastrosos: exaustão, depressão quando não conseguem honrar suas próprias expectativas e um rombo enorme no bolso.

É quase impossível achar alguém que consiga se livrar 100% do FOMO, e eu mesmo sou “vítima” dele frequentemente. Porém, com uma aplicação de racionalidade e disciplina, junto a um planejamento consciente, consegui reverter muitos dos efeitos que o FOMO costumava ter na minha vida. Neste post vou compartilhar algumas técnicas que me ajudaram neste caminho.

Continuar lendo “FOMO: provavelmente a sigla mais destrutiva da sua vida”

A percepção relativa humana e seus impactos nas finanças

Responda rápido, sem procurar no Google: qual é o peso médio de um elefante africano adulto? Você tem dez segundos para responder. Valendo!

Seu tempo está esgotado. Quanto você acha que é? Uma tonelada? Dez toneladas? Vinte?

Procurar uma resposta sensata para esta pergunta foi provavelmente bem difícil. Mas antes de mostrar a resposta, vamos tentar uma pergunta alternativa: quantos rinocerontes pesa um elefante?

A resposta para esta pergunta se torna mais fácil por simplesmente ter se tornado uma questão de comparação entre duas coisas já de certa forma conhecidas.

Quem já passou por um processo seletivo de contratação com certeza já viu as perguntas mais bizarras que os recrutadores fazem ao grupo. Uma das clássicas é: quantas bolas de golfe cabem num Boeing 747? E aqui nem o Google pode te ajudar se é para ser resposta objetiva. Como no exemplo dos elefantes, uma “cola” de comparação poderia lhe ajudar aqui também, mas não se preocupe, não é a resposta objetiva que eles estão procurando.

Perguntas inesperadas à parte, a nossa dificuldade em estimar grandezas como essas do zero se dá em parte porque o cérebro humano é incapaz de processar grandezas absolutas, apenas relativas. Em outras palavras, só conseguimos completamente entender alguma coisa quando colocamos outra coisa familiar ao lado para comparar.

Podemos, por exemplo, fazer o mesmo tipo de pergunta acima para o número de estrelas no céu, quantidade de grãos de areia numa praia, população de um determinado bairro, etc. Mesmo que saiba o número exato, você só irá realmente compreender sua magnitude se compará-lo com outra coisa que realmente entende. E a mesma coisa acontece com os sentimentos: frequentemente nos comparamos com os outros nos quesitos de felicidade e sucesso.

Este fato felizmente (ou não) se derivou da nossa evolução como seres humanos, e tem profundos impactos na nossa psicologia, percepção das coisas e – finalmente – até nas nossas finanças pessoais.

Como a “relatividade humana” pode ter impactos positivos e negativos na suas finanças, e como você pode arranjá-la de modo a ter os melhores resultados desta consequência evolucionária tão naturalmente humana?

Continuar lendo “A percepção relativa humana e seus impactos nas finanças”

O pacto de Ulysses na Independência Financeira

Diz o épico da Odisséia do poeta grego Homero que no seu caminho de volta da guerra contra Tróia, Ulysses (ou Odisseu em Grego) sentiu uma curiosidade extrema para ouvir o canto das sereias perto dos mares que deveria cruzar para voltar para a Grécia. Ele estava consciente dos riscos que sua escolha poderia trazer, já que ouvira dos antigos que tal canto era mistificante e sedutor a ponto de levar qualquer homem à insanidade para seguí-las até o fundo do mar, e portanto tratou de uma estratégia para evitar este fim trágico junto à tripulação do seu navio.

Ulysses instruiu à tripulação que o amarrassem ao mastro do navio bem firme, de forma que ele não pudesse fisicamente escapar, e que cada membro da tripulação entupisse seus ouvidos com cera, para que assim eles fossem incapazes de ouvir tanto o canto sedutor quanto as ordens insanas do seu capitão para que o soltasse de lá. A estratégia funcionou, com Odisseu conseguindo passar pelas sereias e sua tripulação ignorando com sucesso tanto o canto quanto os pedidos desesperados do capitão, e todos seguiram viagem.

Homero já sabia desde o século 8 antes de cristo o poder que uma decisão como esta – onde fixa-se um “contrato” em presente para evitar uma tragédia no futuro – tem para a produtividade humana. Esta anedota da Odisséia ficou tão famosa, inclusive, que recebeu até um nome: Pacto de Ulysses. Tal pacto é uma decisão onde se fixam termos no presente para se resguardar contra ameaças do futuro mesmo quando elas não se manifestam no momento atual.

Há vários pequenos pactos de Ulysses que fazemos na nossa rotina, ou que são impostos sobre nós por conta de lições aprendidas de desastres passados. Coisas como dispositivos de segurança em máquinas ou utensílios são um exemplo deles. E quando falamos sobre a busca da Independência Financeira, não podemos deixar de pensar neste conceito poderosíssimo, pois é através deles que podemos traçar objetivos grandes, e garantir que eles sejam cumpridos no futuro.

Como funciona o Pacto de Ulysses na busca da IF?

Continuar lendo “O pacto de Ulysses na Independência Financeira”