A Selic caiu novamente – como ficam os investimentos?

Na semana passada, o COPOM se reuniu novamente e reduziu a taxa Selic para (outra) nova mínima histórica – 2.25% ao ano.

Como sempre, decisões como esta causam um alvoroço na comunidade de investimentos, tanto por parte dos antigos rentistas (investidores da renda fixa) que lamentam pelos dias da alta Selic e o 1% ao mês garantido do passado, e por quem investe em renda variável também (seria hora de aportar mais? Matar o caixa em CDB ou tesouro?)

No caso de uma taxa baixíssima assim, também há o medo de perder dinheiro por conta da inflação próxima, senão maior, que a rentabilidade da Selic. Estaria o seu dinheiro em risco aplicado no Tesouro Direto agora? Veja mais neste vídeo.

Continuar lendo “A Selic caiu novamente – como ficam os investimentos?”

Você não precisa ser especial em tudo para vencer

“Três meses atrás, eu estava pobre e endividado. Hoje, tenho mais de um milhão de dólares e renda passiva constante graças a meus negócios online que desenvolvi com esta técnica especial, que vou compartilhar com você neste curso exclusivo!” – Algum influencer no YouTube.

Bilionários, campeões mundiais, recordistas olímpicos, experts do assunto, superlativos, número 1 de alguma coisa. Você já ouviu falar nestas pessoas ou, se procura se desenvolver com frequência, provavelmente pesquisa suas histórias regularmente. E enquanto elas podem ser um tanto inspiradoras para espelharmos nossos objetivos, se dependermos apenas desta parte da literatura para nos mentorar, acabaremos com expectativas surrealmente altas sobre o que é necessário para ter sucesso – o que é uma receita fácil para a decepção.

Ao passo que para alcançar o sucesso é necessário, sim, estar fora do conceito da média, há um desentendimento que surge quanto ao requerimentos de fato que compõem o sucesso. Tais desentendimentos são aumentados ainda mais por conta da nossa exposição constante às tais “histórias de sucesso” e outras imagens expostas de casos extraordinários de sucesso que são passadas como a única forma de suceder na vida.

Em primeiro lugar, as histórias destes superlativos são exceções dentre as exceções, e sua existência ao longo de diversas outras não tão destacadas significa que não são a única forma de se “ganhar o jogo.” Outro desentendimento é sobre o que significa ter sucesso em si. E é importante frisar o lugar destes superlativos no conceito de sucesso, pois do contrário, estaremos caindo num outro jogo nada relacionado ao nosso próprio planejamento: o do marketing.

Continuar lendo “Você não precisa ser especial em tudo para vencer”

Guest post Maluzeando Lettering: Cadê o Salário que estava aqui?

As ilustrações deste post são uma cortesia da Sra. Pinguim, que posta ilustrações diversas do cotidiano feminino em seu blog Maluzeando Lettering, e também no seu Instagram.

Quem nunca passou por uma situação dessas? No dia do pagamento se sente um rei ou rainha, aproveita o breve momento de riqueza para se esbanjar em seus desejos e logo percebe que todo o dinheiro foi embora e agora se encontra na mesma situação que começou. Que mais fazer senão esperar o próximo salário cair na conta para se sentir novamente rico e empoderado para tão naturalmente cair na mesma armadilha e repetir tudo de novo?

Esta é a conhecida rotina da tão famosa corrida dos ratos, a praxe pela qual a sociedade vive de consumir e trabalhar para consumir mais, e contra qual a finansfera luta para obter uma vida verdadeiramente livre. Ainda assim, há algumas nuances nesta história tão batida que as pessoas simplesmente não enxergam por estarem tão absorvidas e acostumadas nesta “rotina,” e a má notícia é que, se não conscientizadas, podem levar qualquer um ao desastre financeiro. Vamos analisar esta história mais a fundo.

Continuar lendo “Guest post Maluzeando Lettering: Cadê o Salário que estava aqui?”

Qual é a diferença entre a Estratégia e Tática?

Mais uma da série “palavras a princípio sinônimas, mas com implicações diferentes.” Embora tanto estratégia e tática relacionam ao planejamento e execução de qualquer projeto, as duas atingem facetas diferentes do planejamento como um todo.

Ao pensarmos estrategicamente, buscamos um alvo ao longo prazo, visando efeitos duradouros e com impacto perene, mesmo que demore mais tempo. No planejamento tático, priorizamos o que podemos realizar de imediato e no curto prazo, com foco em resultados tangíveis e agilidade.

A verdade é que nenhum planejamento está completo se desconsiderar qualquer uma destas partes, e o seu planejamento financeiro não é exceção.

Veja neste vídeo como incorporá-las corretamente para um futuro financeiro próspero.

Continuar lendo “Qual é a diferença entre a Estratégia e Tática?”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: o poder de dar tempo às coisas

Hoje em dia o mundo inteiro gosta de agir como se este fosse o último segundo da sua vida. Não há tempo para pensar fora da caixa, estudar alguma coisa nova, e nem considerar alguma coisa atual. Não – todas as decisões devem ser tomadas imediatamente, senão sua oportunidade já era.

Nosso racional sabe, porém, que o oposto é verdadeiro: temos muito mais tempo do que imaginamos hoje em dia, ou que pudermos ter na história da humanidade, graças aos avanços da tecnologia. Com esta verdade na nossa frente, por que então não fazer uso desete maravilhoso recurso e oportunidades e dar tempo para nossas escolhas e ações?

Há uma liberdade incrível quando aplicamos tempo à alguma escolha que a princípio parece ser crítica. Seja uma compra por impulso, decisão financeira ou de vida, há um poder enorme quando simplesmente nos afastamos dela por um momento e deixamos a cabeça arejar. Veja mais sobre estes benefícios neste episódio.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: o poder de dar tempo às coisas”

Aposentadoria móvel e flexibilidade – ainda podemos confiar na regra dos 4%?

A maior fraqueza dos adeptos à filosofia FIRE (acrônimo para independência financeira, aposentadoria precoce em inglês) é a mesma coisa que os torna poderosos em primeiro lugar: os seus investimentos. Quando seguimos a filosofia à risca, buscamos acumular patrimônio investido para obter renda passiva o suficiente para cobrir todos os nossos gastos de vida – numa condição conhecida como Independência Financeira. Um conceito simples, mas que revolve em torno de uma questão de ouro: quanto, exatamente, é necessário para isso acontecer?

Como praxe, utiliza-se uma famosa guia conhecida como regra dos 4%, descoberta inicialmente pelo americano William P. Bengen em 1996. O estudo de Bengen e o Trinity Institute concluiu que, historicamente falando, recém-aposentados poderiam sacar anualmente até 4% das suas carteiras de investimento sem ficar sem dinheiro durante o resto da vida. Este número ficou tão famoso que nomeou a regra, e ficou conhecida como taxa segura de retirada (TSR).

Por trás da brilhante simplicidade desta fórmula, porém, existem vários pressupostos ocultos que, embora comuns no ambiente estudado por Bengen, podem ser longe da realidade de um FIRE brasileiro. E quando sua estratégia inteira de aposentadoria se baseia nesta única fórmula, um erro de cálculo pode se tornar um desastre no longo prazo.

Durante o começo da crise do coronavírus em 2020, muitos corretamente se questionaram sobre a validade da regra dos 4% num ambiente econômico mais volátil e menos maduro como o Brasil, culminando com o post da Yuka do Viver Sem Pressa onde ela disserta sobre a necessidade da flexibilidade numa vida pós-FIRE no Brasil. E em meio a tudo isso, com a bolsa novamente se recuperando, a velha pergunta permanece: ainda podemos confiar na regra dos 4%, afinal?

A realidade é que, embora sua aplicabilidade seja duvidosa num cenário de países em desenvolvimento, ainda podemos utilizá-la como um guia para o nosso macroplanejamento financeiro. Veja neste post como.

Continuar lendo “Aposentadoria móvel e flexibilidade – ainda podemos confiar na regra dos 4%?”

Por que eu gosto tanto de Fundos Imobiliários nos meus investimentos?

Se você investigar meus posts sobre fechamento do mês, verá que eu tenho uma grande parte dos meus investimentos atrelados aos Fundos Imobiliários. Não é por menos. Eles incorporam bem a minha filosofia do Cash Cow, providenciam proventos regularmente, são menos voláteis do que ações e alguns fundos possuem um risco bem mais espalhado.

Se você gosta destas características num investimento, pode descobrir que os FIIs são uma ótima adição para uma carteira de renda variável focada em renda passiva. Infelizmente, nem tudo são rosas, e os FIIs também possuem suas desvantagens em comparação a outros investimentos similares ou complementares.

Veja neste vídeo algumas razões pela qual investir nestes ativos são interessantes ao longo prazo.

Continuar lendo “Por que eu gosto tanto de Fundos Imobiliários nos meus investimentos?”

O que o voo do balão nos ensina sobre os investimentos?

O primeiro voo da humanidade sem dúvida foi num balão. Relativamente simples, poucos requerimentos de engenharia e construção, e bastando alguns dias de trabalho para arrumar, o balão de ar quente encantou cientistas e aventureiros igualmente, e levou a imaginação de escritores da época em vários livros de ficção científica. Alguns disputam a aplicabilidade da palavra “voo” para descrevê-lo, visto que não meios de controle num balão, e simplesmente torna-se o ar dentro dele menos denso que o de fora para subir, ou o contrário para descer.

Independente da definição formal sobre o que o voo significa no âmbito aviação, existem poucos mecanismos que são tão análogos ao processo de investir como o voo do balão. Num balão, o único controle que existe é o de ascenção e descenção, estando qualquer outro movimento à mercê da direção dos ventos da àrea de voo. O bom balonista precisa ser igualmente um bom geógrafo para saber da direção dos ventos locais para traçar uma rota de voo certeira, caso contrário arriscando perder-se ou ser levado para longe sem forma de retorno.

Igualmente, nos investimentos temos controles muito limitados e indiretos sobre o que podemos fazer quanto ao mercado e, ainda assim, grandes investidores experientes conseguem trazer retornos extraordinários. De quais outras formas o voo do balão explica os investimentos? Vejamos a seguir.

Continuar lendo “O que o voo do balão nos ensina sobre os investimentos?”

Como chegar ao TOP 5 de qualquer coisa?

Todos queremos alcançar o topo de alguma coisa na vida. Ser um dos melhores em alguma coisa é um requerimento fixo para qualquer forma de sucesso. Pertencer à média não lhe pagará o sucesso devido. Porém, a maioria das pessoas se desencoraja e prefere não seguir este caminho justamente por conta do trabalho necessário para atingir este desejado patamar.

A verdade, porém, é que atingir o sucesso não precisa ser uma coisa extremamente trabalhosa. Isso é porque o sucesso largamente depende da sua percepção e do grau de engajamento da sua competição. É difícil, por exemplo, se tornar o melhor jogador de futebol do mundo por conta da enorme competição, engajadíssima para tomar esta posição. Porém, obter sucesso em algum outro âmbito pessoal ou menos procurado pode ser surpreendentemente simples. A regra que existe aqui é simples: para atingir o TOP 5%, você precisa fazer mais que os outros 95%.

O segredo? Escolher qual o âmbito do TOP 5% que você deseja se tornar. TOP 5% de horas de TV assistidas? TOP 5% em horas de sono? TOP 5% de procrastinação? Ao tomar atitudes pequenas mas poderosas (como hábitos), você irá se afastar destes âmbitos danificantes, e se aproximará de outros mais construtivos. Que tal TOP 5% de salário economizado? TOP 5% de maiores aportes mensais? De horas exercitadas durante a semana? É na prática dos objetivos certos que você consegue atingir a excelência.

Veja neste episódio como você pode escolher e tornar o jogo ganhável para o seu lado.

Continuar lendo “Como chegar ao TOP 5 de qualquer coisa?”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim – Como o controle emocional lhe traz maiores retornos

No começo dos anos 70, pesquisadores da universidade de Stanford realizaram um experimento bem peculiar. Colocaram várias crianças individualmente numa sala fechada na companhia de um solitário marshmallow num prato. A escolha dada à criança era: comer o marshmallow agora, ou esperar dez minutos para conseguir comer dois.

Na hora, o experimento apenas mediu o autocontrole das crianças, mas o maior resultado na verdade veio anos depois: os pesquisadores descobriram que as crianças que conseguiram esperar o segundo marshmallow foram muito mais bem sucedidas na vida, entrando em melhores faculdades, pegandos empregos melhores, etc.

O que esse experimento nos mostra é o poder que o autocontrole racional possui na nossa habilidade de produzir e obter sucesso. E isto se aplica diretamente nos investimentos – aqueles que controlam seu medo e ganância são recompensados com retornos muito melhores ao longo do tempo. Tanto segurar em tempos de queda quanto não comprar em tempos de alta são habilidades racionais valiosíssimas, e tornam os investidores de sucesso exceções na curva.

Veja como isso acontece neste episódio.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim – Como o controle emocional lhe traz maiores retornos”