Onde você lastreou sua felicidade?

O que guia a sua vida diariamente? O que faz você Seria um objetivo, um plano, um conceito, um sonho?

Qualquer que seja o seu guia, essencialmente ele age como um lastro da sua felicidade. Por trás de todas as camadas de abstração, o que queremos é simplesmente estar felizes, independente de como manifestamos este objetivo. O sentido da vida e a felicidade são assuntos que cobrem centenas de livros e outras publicações, e deram origem à escolas de filosofias inteiras. Este assunto é central para a vida humana, mas mesmo assim, não paramos para refletir em quão importante é esta questão nas nossas vidas e, como consequência, seguimos cegamente o caminho que nos aparece, sem questionar ou tentar mudá-lo para melhor.

Conscientemente ou não, todos nós deixamos nossa felicidade lastreada em alguma coisa, e dependendo da natureza dela, podemos acabar sofrendo ao buscá-la, seja por ser uma busca infinita impossível de ser saciada, ou pior: se essa coisa for finita e um dia acabar.

Este dilema é especialmente importante para nós, que buscamos a independência financeira, pois se trata de um objetivo relativamente fixo e muitas vezes com uma data marcada. Enquanto não a atingimos, temos todos os horizontes bem-definidos: orçamentos futuros planejados, montante de capital necessário para renda passiva calculado e investimentos em dia. A IF age como um guia diário, o nosso lastro diário de vida onde comemoramos cada passo à frente – mas pouco foco é dedicado à vida pós-IF.

O que você faria se, da noite para o dia, tudo o que você sempre sonhou finalmente se materializasse em sua possessão? Certamente, durante as primeiras semanas e talvez meses seriam só festa.

Mas e depois?

Continuar lendo “Onde você lastreou sua felicidade?”
Anúncios

A melhor coisa que o dinheiro pode comprar: F-you Money

O caminho até a independência financeira é trilhado a partir de uma série de mudanças que desviam um indivíduo de uma vida medíocre até tomar ações que o levam para acumular capital o suficiente para viver apenas de renda passiva. O desafio maior desta mudança geralmente está no mindset da pessoa, que geralmente vem com crenças e conceitos já solidificados com experiência que precisam ser provados contra e trocados por conceitos melhores.

Durante o meu aprendizado, um dos maiores conceitos que me ajudou a me estabelecer no FIRE foi descobrir que o dinheiro, na sua forma produtiva como capital essencialmente funciona como uma fonte de liberdade individual. Quando me deparei com este conceito, minha abordagem à educação financeira mudou competamente. O aporte se tornou uma medida de libertação, e os gastos uma forma de aprisionamento.

Como podemos manter este mindset sempre em mente no dia a dia e proteger assim os aportes? Utilizando o conceito de F-you Money.

Continuar lendo “A melhor coisa que o dinheiro pode comprar: F-you Money”

Resenha do Pinguim #2 – “Your Money or Your Life” de Vicki Robin e Joe Dominguez

Comecei a ler este livro como recomendação de alguns blogs de finanças em Inglês que sigo, e só depois de ler uns 30% dele que me dei conta que na verdade ele é um clássico – de fato, um best-seller Americano muito popular em meados dos anos 90. Naquela época, não se falava muito sobre finanças pessoais, e o conceito de aposentadoria precoce era praticamente inexistente, então é possível acreditar que foi este livro que realmente “deu o tranco” no movimento FIRE; inicialmente nos EUA, e depois no mundo inteiro. Confira a sinopse do Goodreads:

“In times like these, it’s more important than ever to know the difference between making a living and making a life. Your Money or Your Life is even more relevant today than it was when the book first hit the stands, and a great publicity campaign will bring this already strong-selling book to a whole new audience.”

O que um livro com mais de 25 anos de idade pode nos ensinar em 2018? Surpreendentemente, muita coisa.

Continuar lendo “Resenha do Pinguim #2 – “Your Money or Your Life” de Vicki Robin e Joe Dominguez”