Qual é o destino das suas coisas velhas?

Durante a minha estadia de férias, voltei e passei algumas semanas na casa dos meus pais que não via há muito tempo. Entre matar a saudade, curtir uma pequena preguicinha de filho e comida muito boa e abundante – highlight de toda visita aos pais – tomei um tempo para dar uma revirada em algumas coisas minhas que ainda ficaram por lá. Queria ver se achava alguma coisa interessante ou jogava fora coisas que já não me têm propósito útil (um ótimo exercício para o minimalismo que ainda busco alcançar).

Encontrei muita coisa interessante, coisas que me trouxeram nostalgia e fizeram rir, e roupas que me fizeram perguntar porque havia comprado em primeiro lugar. Porém, uma das coisas que mais me marcou foi a quantidade de computadores e eletrônicos velhos que haviam sido acumulados nos armários.

Estes, diferente das roupas e outras coisas, eu entendo que foram comprados com um propósito nobre em mente e tinham uma necessidade real na época da compra. Porém, não pude deixar de pensar ao mesmo tempo que eles envelheceram bem precocemente em relação às outras coisas na casa. E não estão sozinhos: no mundo de hoje cada vez mais os bens de consumo de tecnologia estão ficando descartáveis. Celulares novos com vida útil de 1 a 2 anos, computadores que ficam lento quase que da noite pro dia.

No dia da compra, o novo computador ou celular e colocado num pedestal e adorado pelo dono. Que magnífico! Com o decorrer do tempo, porém, a magia passa, a percepção também, e quando se vê, o dono nada mais quer do que substituí-lo por um novo.

Será esse o destino de todas as coisas velhas?

Continuar lendo “Qual é o destino das suas coisas velhas?”
Anúncios

O pacto de Ulysses na Independência Financeira

Diz o épico da Odisséia do poeta grego Homero que no seu caminho de volta da guerra contra Tróia, Ulysses (ou Odisseu em Grego) sentiu uma curiosidade extrema para ouvir o canto das sereias perto dos mares que deveria cruzar para voltar para a Grécia. Ele estava consciente dos riscos que sua escolha poderia trazer, já que ouvira dos antigos que tal canto era mistificante e sedutor a ponto de levar qualquer homem à insanidade para seguí-las até o fundo do mar, e portanto tratou de uma estratégia para evitar este fim trágico junto à tripulação do seu navio.

Ulysses instruiu à tripulação que o amarrassem ao mastro do navio bem firme, de forma que ele não pudesse fisicamente escapar, e que cada membro da tripulação entupisse seus ouvidos com cera, para que assim eles fossem incapazes de ouvir tanto o canto sedutor quanto as ordens insanas do seu capitão para que o soltasse de lá. A estratégia funcionou, com Odisseu conseguindo passar pelas sereias e sua tripulação ignorando com sucesso tanto o canto quanto os pedidos desesperados do capitão, e todos seguiram viagem.

Homero já sabia desde o século 8 antes de cristo o poder que uma decisão como esta – onde fixa-se um “contrato” em presente para evitar uma tragédia no futuro – tem para a produtividade humana. Esta anedota da Odisséia ficou tão famosa, inclusive, que recebeu até um nome: Pacto de Ulysses. Tal pacto é uma decisão onde se fixam termos no presente para se resguardar contra ameaças do futuro mesmo quando elas não se manifestam no momento atual.

Há vários pequenos pactos de Ulysses que fazemos na nossa rotina, ou que são impostos sobre nós por conta de lições aprendidas de desastres passados. Coisas como dispositivos de segurança em máquinas ou utensílios são um exemplo deles. E quando falamos sobre a busca da Independência Financeira, não podemos deixar de pensar neste conceito poderosíssimo, pois é através deles que podemos traçar objetivos grandes, e garantir que eles sejam cumpridos no futuro.

Como funciona o Pacto de Ulysses na busca da IF?

Continuar lendo “O pacto de Ulysses na Independência Financeira”

Alinhamento preço-valor: o post definitivo

Um dos conceitos que eu falo com mais frequência no blog é sobre valor. Neste assunto, há uma frase do Warren Buffet que muitos outros blogs de finanças gostam de mencionar que fala que Preço é o que você paga, valor é o que você recebe. E ele está certo, especialmente no âmbito dos investimentos, onde muitas vezes o valor recebido ao comprar uma empresa está muito além do que uma cotação ou valuation pode dizer.

A partir deste conceito se derivam as histórias da bolsa como as 10-baggers, 100-baggers, e seus opostos diamétricos, mas hoje quero falar de uma visão diferente sobre o conceito do valor. É uma visão do valor ainda relacionado ao preço, mas é o valor agregado relativo de algum custo que você inferiu.

Este conceito para mim é importantíssimo, e um fator crucial para o meu planejamento orçamentário e de gastos mensais. Tomei conhecimento deste conceito pela primeira vez no livro Your Money or Your Life de Vicky Robin e Joe Dominguez, e toquei brevemente no assunto durante a resenha, mas nunca me aprofundei no que ele significa, e como ele pode ser utilizado, ainda que tenho me referido a ele em vários outros posts.

Neste post irei explicar o conceito definitivamente, e mostrar como ele mudou e pode mudar a sua visão sobre gastos e orçamentos definitivamente.

Continuar lendo “Alinhamento preço-valor: o post definitivo”