Podcast do Pinguim: Não existem heróis…

Não há dúvidas que certas figuras de liderança ou “modelos” possuem uma grande influência sobre nós, especialmente quando começamos a aprender qualquer coisa. Não há dúvidas que estes modelos são importantes, mas igualmente importante é o fato que podemos (com o devido esforço investido) nos tornar sapientes o suficiente para não dependermos mais deles.

Nossos pais são nossos heróis quando criança, e embora continuamos com sua apreciação no restante da vida, percebemos eventualmente que são simplesmente gente como a gente, sempre aprendendo. Nossos professores aparentam conhecer tudo sobre qualquer assunto na escola, até que começamos a nos aprofundar. Nossos gerentes e colegas de trabalho mais experienciados são os experts no assunto até que nos tornamos seniorizados na área. E, finalmente, aqueles influencers que usam títulos “chocantes” e outros técnicas clickbait para nos chamar a atenção passam a produzir conteúdo batido depois que conhecemos mais o assunto.

A realidade eventualmente aparece: depois que você obtém conhecimento suficiente, não precisa mais de heróis na sua vida. De fato, os heróis não existem mais – há apenas você como protagonista.

Veja neste episódio as vantagens de realizar este padrão de filosofia.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: Não existem heróis…”

Até quando você será útil para os outros? O que acontece depois?

No fim dos anos 90, a trilogia Matrix revolucionou tudo que o conceito de cinema apresentava para nós. A partir de 1997 quase todos os filmes de ação começaram a colocar câmera lenta em suas cenas de armas de fogo, Kung-Fu virou o modo de combate principal dos protagonistas, e roupas escuras se tornaram a vestimenta de escolha para o protagonista cool.

E em paralelo ao enredo poderoso de efeitos especiais e estilização, a filosofia e a história dos filmes também foram responsáveis por cativar milhões de fãs pela série, incluindo várias referências de trabalhos históricos, como a Alegoria da Caverna descrita por Platão na antiguidade e provavelmente apenas conhecida em massa hoje por conta deste filme.

Em meio a tantos temas interessantes e outros highlights de uma série literalmente revolucionária, há uma cena em particular que me chama atenção do ponto de vista FIRE e da minha filosofia de vida pessoal que desenvolvi ao longo da minha jornada pela educação financeira. Nela, debate-se um dos pontos cruciais sobre o sentido da vida: até que ponto você é útil para a sociedade? Talvez mais importante é a pergunta que segue: o que acontece quando você passa a não ser mais útil?

A verdade é que, quanto mais cedo você obter uma resposta para estas duas perguntas, mais preparado estará para enfrentar uma situação adversa que venha a envolver o seu salário, e mais apto estará a levar a vida nos seus próprios termos. Vejamos porque interpretar estas perguntas é tão crucial ao nosso planejamento pessoal, e o que pode acontecer com quem ignora ou posterga esta decisão.

Continuar lendo “Até quando você será útil para os outros? O que acontece depois?”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: Objetivos de Vida e lições do Rock

Em qualquer aspecto da vida, não há nada melhor do que sabermos as condições pela qual teremos atingido alguma forma de sucesso. Seja financeiramente falando, ou qualquer outro objetivo de vida. Saber que estamos nos aproximando dos nossos objetivos é um dos melhores motivadores que podemos ter quando executando um projeto, e se soubermos que estamos nos distanciando, podemos fazer uso desta mensagem de erro para nos corrigirmos, aprendermos e aoerfeiçoar nossa execução.

Porém, quando há indefinição sobre o que o sucesso significa, ou quando a definição do sucesso está predicada em fatores inalcançáveis ou irrealistas, nossa realização pessoal sofre. Perdemos motivação para continuar ou ao longo do tempo tendemos a desistir de perseguir horizontes que nunca tendem a chegar.

Para mim, nada ilustra melhor este conceito do que a história do guitarrista Dave Mustaine, que fundou a banda Megadeth sob a premissa que seria mais famosa que o Metallica – do qual ele foi expulso em 1983. Vejamos como a história de Mustaine e outra sobre um quase desconhecido ex-integrante dos Beatles podem nos ensinar sobre como podemos viver nossas vidas de uma forma mais bem-realizada.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: Objetivos de Vida e lições do Rock”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: FOMO e seus efeitos destrutivos nos investimentos

Não há dúvidas que o conceito de FOMO (sigla em inglês para fear of missing out) é extremamente nocivo para o nosso bem-estar: sentimentos de perda de oportunidade, ansiedade montante e incerteza são constantes sob este efeito. Um bom estóico, porém, sabe aplicar a dicotomia do controle e assim enxerga como não há razão porque se preocupar com estas coisas sob as quais não temos controle nenhum.

Ainda assim, existe um outro ambiente onde FOMO rola solto, rampante e contagiante entre os participantes: a bolsa de valores. Ele explica porque o velho conceito de “sardinhagem,” movimentos de manada em tempos de extremidade (euforia ou pânico) e porque tantos apostam na “ação que é a próxima Magazine Luiza” ou “na Oi porque vai certamente vingar” quando a grande parte da evidência aponta que não dará certo..

Não saber lidar com o FOMO num âmbito pessoal pode parecer inofensivo à primeira vista, mas nos investimentos pode ser destrutivo. Neste episódio, mostro algumas formas que você pode eliminar este sentimento da sua rotina de investimentos.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: FOMO e seus efeitos destrutivos nos investimentos”

O conceito da segurança dos investimentos pode não ser o que aparenta…

A relação risco / retorno é crucial para averiguar a viabilidade de qualquer investimento. De maneira crua, o retorno esperado deve ser superior ao esforço / capital / tempo / vida investida em determinada ventura, senão o risco será corrido à toa.

A regra genérica indica que o retorno é proporcional ao risco corrido, o que explica entre outras coisas porque o mercado de ações tende a ter valorização muito maior que a renda fixa ou os fundos imobiliários. Estendendo este princípio para o lado oposto, porém, surge uma pergunta interessante: é possível sofrer por correr risco de menos? A resposta, surpreendentemente, é sim.

Veja como correr risco de menos pode ser tão danoso quanto correr risco demais, e como você pode evitar esta situação.

Continuar lendo “O conceito da segurança dos investimentos pode não ser o que aparenta…”

Segurança demais pode ser um problema? Porque o risco também é importante

É impossível falar sobre investimentos sem mencionar a palavrinha mágica: risco. Já se fala da máxima “o retorno é proporcional ao risco” como uma medida dos investimentos, e esta é uma das maiores dificuldades para começarmos a ter o mindset correto do investidor.

Somos, por razão evolucionária, uma espécie com uma aversão ao conceito de perda, e a exposição ao risco nos apresenta um potencial para perda que normalmente preferimos evitar. Construímos toda a sociedade baseada na intenção de reduzir riscos de alguma forma de perda. De fato, estudos mostram que na média, para que alguma decisão que pode envolver alguma perda “valha a pena” psicologicamente, a recompensa a ser ganha deve ser o dobro do potencia da perda.

Com tanta orientação para evitar perdas e riscos, poderíamos pensar que evoluímos da maneira certa e que segurança nunca pode ser demais. Ou pode? Surpreendentemente, existem alguns casos onde correr risco de menos pode resultar numa perda maior do que correndo um nível de risco saudável. Embora um conceito contra-intuitivo a princípio, isto se torna compreensível quando entendemos a relação que um risco calculado possui com os retornos de alguma ventura.

Neste post iremos explorar alguns destes casos da vida real, até fora dos investimentos, através de exemplos.

Continuar lendo “Segurança demais pode ser um problema? Porque o risco também é importante”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: Qual é o propósito dos investimentos?

Mas vale mesmo a pena deixar de trabalhar e ter mais preocupação que nao vai ter dinheiro o suficiente e ainda ter que passar o resto da vida na chata tarefa de administrar investimento e dinheiro? Pra mim acho que não.

Henry

Este comentário foi postado por um leitor num episódio anterior, O poder da constância nas suas finanças. E embora reconheço que a percepção de valor dos investimentos é subjetiva e varia bastante, acredito que neste caso houve um desentendimento sobre qual é o real propósito dos investimentos na vida.

Se você ama o seu trabalho, isto é ótimo. É uma coisa que poucos genuinamente conseguem afirmar, e na maioria das vezes não dura para sempre. Há um problema, porém, em depender do trabalho e do salário. Não só esta dependência é a razão pela qual muitos acabam por odiá-lo, ela também abre espaço para um desastre caso uma interrupção do salário ocorra, e você se encontre sem receita durante algum tempo.

Há maneiras de mitigar, e até evitar, estes efeitos da dependência do trabalho, e sem dúvida a mais simples é através de investimentos. Veja porque, e outras formas, neste episódio.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: Qual é o propósito dos investimentos?”

Resolvendo a curto e longo prazo

No decorrer da rotina diária da cidade, temos aquela impressão que sempre estamos na correria. Não tenho tempo para isso, não vai dar para fazer aquilo. Estou ocupado, me desculpe. Quem tem tempo para cuidar disso, diante da correria da vida moderna? Desculpa, não tive tempo para ver isso.

Quem nunca viveu por estas situações desde adulto? Enquanto nossa percepção é relativa, e muitas vezes a falta de tempo é simplesmente a vontade de fazer coisas demais, ela nos leva a acreditar que temos que resolver nossos problemas da maneira mais rápida possível a fim de nos economizar tempo para outras tarefas importantes.

Infelizmente, este mindset de operar sempre no ambiente mais próximo pode ser exatamente a razão pela qual os problemas diários se tornam recorrentes. Essencialmente, ao optar por uma solução a curto prazo, frequentemente estamos sacrificando uma solução definitiva eficiente por uma paliativa que nos custa menos tempo ou esforço.

Ao pensarmos sempre no imediatismo, naquilo que nos facilitará imediatamente, estamos simplesmente resolvendo uma ocorrência a curto prazo, mas deixando de solucionar a causa do problema maior ao longo prazo. Ao fazer isto, uma pessoa essencialmente tenta tapar o sol com a peneira, porque o tempo que ela passará resolvendo o mesmo problema corriqueiramente seria o tempo que ela poderia ter utilizado para resolver a causa-raíz do problema de uma vez para sempre.

Esta dualidade infelizmente também se reflete no âmbito financeiro. O imediatismo nos causa a “apagar nossos incêndios” financeiros com soluções paliativas que muitas vezes se tornam problemas consequentes em si mesmas – pense nas consequências que um empréstimo não pago pode ter. Como, então, podemos nos resguardar destas situações perigosas e sermos mais eficientes com nossas soluções ao longo prazo? Vejamos neste post.

Continuar lendo “Resolvendo a curto e longo prazo”

Ganbare – até quando vale a pena?

Quando as pessoas no Japão querem motivar uns aos outros, geralmente desejam uma palavra chamada Ganbare. Este termo é frequentemente traduzido como “boa sorte,” e utilizado antes de acontecimentos como competições, apresentações e outros eventos envolvendo sorte. Porém, seu significado literal é mais próximo de “esforce-se,” dos Kanjis 頑張れ.

Esta discrepância se dá do fato de muitas pessoas confundirem a tradução, e ao fato de que os Japoneses são, de fato, uma das sociedades mais esforçadas quando se trata de algum objetio de bem comum. Isso se reflete bem no mundo corporativo, onde o Japão é um dos países com maior número de horas extras trabalhadas no mundo. Certamente, esta posição vem com um preço: o trabalho excessivo constante traz várias ocorrências do chamado karoushi, literalmente “morte por sobretrabalho”.

Os países do terceiro mundo olham para o Japão e outros países desenvolvidos como metas para o futuro, assim como nós olhamos para as pessoas bem-sucedidas como objetivos de vida. Queremos alcançar, com a IF por exemplo, um patamar de riqueza que nos permita viver com liberdade, mesmo que isto acarrete em alguns sacrifícios nos dias atuais. Porém, ao olhar para tantas fatalidades e sacrifício, não podemos deixar de nos perguntar: até quando vale a pena tal sacrifício?

O culto ao trabalho, por exemplo, custa ao Japão o desenvolvimento da sociedade como um todo por conta da repressão constante. O que, então, uma devoção demasiada para o trabalho poderia estar te custando?

Continuar lendo “Ganbare – até quando vale a pena?”

O que você tem feito pelos seus dois melhores amigos?

Quando começamos a conhecer os investimentos, geralmente o primeiro passo é um trabalho psicológico nos provando – convencendo, até – que investir é o caminho correto para enriquecer. Para uma pessoa frugal por natureza, este passo é bem curto, talvez até desnecessário, já que os valores são alinhados naturalmente com os hábitos da pessoa. Porém, uma pessoa consumista pode perceber os hábitos de poupar e investir a diferença como perda de oportunidade, seja para fazer algum programa ou comprar algo com o dinheiro.

Neste último caso, o trabalho geralmente é mais difícil; a pessoa precisa se convencer que os ganhos trazidos de aportes regulares e investidos com sabedoria possuem valor maior que os passivos imediatistas que o dinheiro poderia comprar. Com isso, com este artifício de comparação, a pessoa pode descobrir e decidir por si mesma que vale mais a pena investir do que gastar.

Esta técnica é útil na hora de aplicar a razão diante das emoções em tomar uma decisão financeira, mas ficar fazendo estas comparações analíticas na prática é maçante e não nos lembramos de tal utilidade. Como você pode se lembrar de fazer a escolha racional e melhor para o seu futuro diariamente?

Lembrando dos seus dois melhores amigos para a vida toda: você no passado e você no futuro.

Continuar lendo “O que você tem feito pelos seus dois melhores amigos?”