Confrontando o cotitiano 5 – a história mais triste que eu ouvi

No mês passado, um dos meus colegas de trabalho (chamarei-o de Marcos), gerente de um dos departamentos daqui, anunciou que estaria saindo do emprego em breve para retornar à sua cidade natal. Ele aproveitou o anúncio para também divulgar que, por conta do preço alto da mudança, gostaria de se desfazer da maioria dos bens que tinha na casa. Contatei ele e comecei a negociar algumas coisas interessantes pra casa. Marquei de ir buscá-las na casa dele.

Chegando próximo ao local, notei que a vizinhança era abastada, bem nobre mesmo de vista. Shoppings novos, chiques e grandes ao redor, grandes prédios residenciais de mais de 30 andares, e ruas bem-conservadas. Estava pensando comigo mesmo: “Marcos mora num lugar legal. Pena estar indo embora, mas deve ter feito um bom pé de meia neste momento.”

Encontrei com Marcos na entrada do prédio. Conversando com ele enquanto recebia as coisas, porém, descobri que a situação dele não era tão colorida quanto eu pensei. Muito pelo contrário; Marcos estava voltando para sua cidade natal porque já há anos mal conseguia se manter com o salário, gastando quase tudo o que ganhava e tendo aportes insignificantes. Nas semanas recentes, seus custos cresceram tanto que se tornaram impeditivos de continuar morando na cidade.

Comprei alguns dos móveis menores que ele estava se desfazendo e no caminho de volta não pude deixar de pensar em como esta era sem dúvida a história mais triste que eu já devo ter ouvido na vida. Um pai de família com um cargo bom sendo forçado a sair do emprego e se relocar pra uma cidade mais barata por conta dos custos insustentáveis do seu nível de vida. Como a situação de uma pessoa pode chegar a tal nível assim?

Continuar lendo “Confrontando o cotitiano 5 – a história mais triste que eu ouvi”
Anúncios

Reflexões: o que aprendi no meu ano de desempregado

Ao invés de dar conselhos práticos ou motivar você para ganhar mais dinheiro, hoje é dia de contar uma história de vida do Pinguim Investidor. Vocês podem ler num dos meus primeiros posts a história dos meus aportes e como eu cheguei até aqui de maneira bem overview, mas sem muitos detalhes.

Muitos blogueiros e outros autores focam somente nas suas histórias de sucesso e escondem o “passado negro” que tiveram. Eu, por outro lado, acho que as partes mais interessantes da vida acontecem quando temos dificuldade e somos testados pela vida. Além disso, é extremamente inspirador ler sobre como uma pessoa superou tais dificuldades.

Hoje, me aprofundo sobre um período da minha vida quando eu me vi desempregado por um longo período, e o que aprendi quando estive durante esta fase difícil. Fiquei desempregado em 2016 no fundo da crise e só fui recuperar o emprego bem depois em 2017. Como sobrevivi, e o que aprendi neste período?

Continuar lendo “Reflexões: o que aprendi no meu ano de desempregado”

Fazer é aprender

Post rápido sobre outro assunto que muitas pessoas conhecem, mas prestam pouca atenção no seu cotidiano. Recentemente, refleti sobre uma passagem do livro que estou lendo atualmente (Early Retirement Extreme, de Jacob L Fisker), onde o autor prega uma revolução na forma de se aprender, trabalhar e viver a vida de forma mais eficiente, onde o benefício por tabela é a independência financeira.

Neste livro, o autor aborda um conceito interessante, polêmico, e que faria muitos pais e jovens de 18 anos recém-saídos da escola tremerem na base: o sistema de educação atual prejudica o indivíduo e satisfaz somente o sistema, e precisa ser repensado se o indivíduo quiser se tornar independente.

O assunto não é necessariamente pristino (muitos já debateram a reforma do sistema escolar, incluindo esta palestra excelente que recomendo assistir), mas Fisker elabora sobre uma faceta menos debatida: a maioria do que se é ensinado não recebe prática, perdendo-se assim dentre as habilidades aprendidas na vida. Dizem por aí que quem sabe faz… mas será que sabe mesmo?

Continuar lendo “Fazer é aprender”