O viés da confirmação e como ele pode arruinar as suas finanças

Alguns tratos psicológicos humanos são tão poderosos quanto antigos, e poucos deles são tão marcantes – senão perigosos – quanto o nosso próprio orgulho. O orgulho como causa da autodestruição, conhecido como Húbris na literatura, é antigo, podendo ser identificado desde os clássicos gregos como Édipo Rei de Sófocles.

E a parte interessante é que mesmo depois de quase 2500 anos de sua publicação, as pessoas continuam a cair na mesma armadilha que um orgulho demasiado e não-questionamento causam, sofrendo grandes danos morais e financeiros no caminho. E quando se trata de finanças, sem dúvida o maior cúlprito desta história é o nosso famoso viés da confirmação – a nossa tendência a pensar que estamos certos, e que aquilo que desejamos certamente se tornará a realidade.

Neste episódio compartilho a história de um imigrante Indonês chamado Rudy Kurniawan que, utilizando-se fortemente deste viés, conseguiu lucrar milhões de dólares sob enólogos e aficionados por vinhos raros na Califórnia no começo dos anos 2000. E se você pensa que isso nunca poderia acontecer com você, pense novamente – pode ser que isso já aconteceu, e certamente não foi a última vez.

Continuar lendo “O viés da confirmação e como ele pode arruinar as suas finanças”

Investir não vai te deixar rico – o que te enriquece é outra coisa…

Existe uma grande correlação entre investir e enriquecer, com uma famosa frase afirmando que “você não precisa ser rico para investir, mas precisa investir para ser rico.” E ao passo que não há qualquer dúvida que esta afirmação é correta, algumas vezes acontece uma misconcepção sobre qual é o papel do investimento no processo abrangente do enriquecimento.

Estes desentendimentos acontecem principalmente por conta das histórias surpreendentes de traders bem-sucedidos, com ganhos diários de milhares de reais, ou de grandes investidores já bem-conceituados que recebem ganhos enormes por conta do seu capital investido. Para estes, realmente os investimentos são tudo o que eles têm.

A verdade é que especialmente no começo, o seu investimento, independente de quão boa a sua estratégia, não será o fator que definirá a sua riqueza. Veja neste vídeo quais fatores têm mais peso nesta fase crucial.

Continuar lendo “Investir não vai te deixar rico – o que te enriquece é outra coisa…”

Bounty hunters: mais uma ótima razão para manter suas finanças em dia

Você está em casa numa sexta-feira à noite, assistindo TV e relaxando com uma cerveja gelada depois de uma semana difícil e estressante no trabalho. Sua família está também relaxando e aproveitando a noite, aproveitando a folga do dia seguinte para ficar acordados até mais tarde. Tudo perfeitamente tranquilo para começar bem o fim de semana.

Eis que num brusco barulho, a porta da sua casa é arrombada do alicerce e uma equipe de cinco homens trajando uniformes camuflados, completos com máscaras de gás, coletes e escudos balísticos invadem a sala, berrando para todos deitarem no chão. Eles carregam fuzis, tasers, granadas de fumaça e algemas, e não têm tempo para perguntas. Incapaz de reagir, você e sua família obedecem às ordens, sem ter qualquer idéia sobre quem são tais pessoas ou a razão para este ocorrido.

Enquanto outros membros revistam as demais cômodas da casa, o suposto líder do esquadrão te algema enquando recita um ditado pré-memorizado assustador:

“Senhor Fulano, somos caçadores de recompensas autorizados pela XY delegacia da cidade a executar esta prisão. Você está sendo preso por não cumprir as ordens da corte de se apresentar para justificar a falta dos pagamentos do seu carro. A sua ausência no tribunal no dia do julgamento acarretou nesta ordem de prisão.”

Então é isso. Você tem dívidas com o carro e não pôde honrá-las. É por isso que você está sendo arrastado para fora da sua casa em algemas. Sem tempo para poder protestar ou justificar, você é trancado no porta-malas do utilitário preto parado atravessado na rua e levado a caminho da delegacia. “Da próxima vez,” acrescenta o líder acendendo um cigarro, “não compre aquilo que não consegue pagar.”


Enquanto esta cena poderia ser abertura de um filme de ação ou parte do próximo livro de ficção do Pinguim A-Team: Esquadrão Antártica, surpreendentemente, não é. Trata-se de simplesmente mais um dia no trabalho de um Bounty Hunter nos Estados Unidos, cuja missão é apreender aqueles que devem dinheiro ou retomar a propriedade de quem não honrou com seus pagamentos.

Embora esta realidade com indivíduos armados seja pouco provável no Brasil (talvez exceto por agiotas), ela revela um aspecto perigoso das dívidas, e apresenta mais uma razão pela qual um bom planejamento financeiro é crucial para uma vida tranquila e próspera: a sua liberdade literal pode depender disso.

Vejamos mais neste post.

Continuar lendo “Bounty hunters: mais uma ótima razão para manter suas finanças em dia”

Seria o Value Investing a bala de prata financeira?

Quando estamos aprendendo alguma coisa nova, é comum deixarmos que alguma forma de autoridade do conhecimento guie nossos estudos e decisões na fase inicial por conta de falta de conhecimento melhor. Afinal, estamos apenas aprendendo, precisamos de alguma entidade com conhecimento para nos guiar melhor, e quem melhor do que os mestres para nos auxiliar nestes casos?

No caso dos investimentos, não há dúvida que a melhor abordagem que podemos adotar é o clássico buy & hold a longo prazo. Há vários estudos publicados que documentam o espetacular retorno que esta estratégia possui ao longo prazo, mesmo com os altos e baixos que a bolsa experiencia. E, central ao conceito do buy & hold, há um outro pilar importantíssimo, necessário para um investimento sensato: o value investing.

Venerado como a escolha primária de investidores famosos e bem-sucedidos como o Warren Buffett e Charlie Munger, value investing com certeza possui um nome bem estabelecido entre os círculos de investimentos. Por outro lado, outros o consideram uma teoria ultrapassada, pois a eficiência do mercado eventualmente consegue nivelar diferenças na precificação ao curto prazo, e que um hábito de pequenos investimentos regulares é mais fácil e eficiente do que “acertar o fundo” do mercado.

Felizmente, não precisamos adotar monoliticamente o Value Investing para conseguir investir, mas adicionar partes dos seus conceitos pode melhorar incrivelmente a sua performance de investimentos. Neste post, explico como funciona o Value Investing, e como você pode começar a integrá-lo na sua própria estratégia.

Continuar lendo “Seria o Value Investing a bala de prata financeira?”

Convertibilidade ao dinheiro: a melhor medida do pragmatismo financeiro

Virou Outubro e com ele, talvez seja hora de largar os conceitos avançados de investimentos e voltar um pouco aos básicos da educação financeira e rever a filosofia de como o dinheiro possui valor.

Mesmo que nem sempre queremos nos tornar Platão ou Freud e fixar na metafísica sobre o dinheiro representa, é bom de vez em quando nos perguntarmos da onde vem o valor que tiramos de uma quantia de dinheiro para alinharmos nossos objetivos e termos certeza que estejamos caminhando na direção certa, qualquer que seja o âmbito. E quando se trata de dinheiro, é importante sabermos e revermos a importância que ele possui na nossa vida para não cometermos um grande erro com nossas economias e gastarmos ele da forma errada.

Ouvimos muitas coisas sobre o valor e a utilidade do dinheiro, mas no fim das contas, o pragmatismo dele nos aponta a apenas uma possível resposta: uma medida de valor e padronização de troca, que viabiliza o comércio além do tradicional “escambo.” Nesta definição, porém, revela-se uma grande fraqueza sobre o dinheiro: ele é, essencialmente, efêmero. Uma vez utilizado, ele se acaba, e não poderá lhe servir mais de qualquer outra forma.

Esta realização realmente nos força a pensar cuidadosamente sobre como utilizamos o nosso dinheiro: procuramos evitar a compra de passivos financeiros e acumular ativos que se valorizam conforme o tempo, procuramos gastar apenas com aquilo que nos traz valor e realização pessoal, e temos uma tendência natural a economizar. E ainda assim, um detalhe muito importante passa despercebido em meio a este fato, e nos cega novamente a outro detalhe importante para o planejamento financeiro tranquilo e o enriquecimento.

Vejamos a importância da convertibilidade ao dinheiro neste post.

Continuar lendo “Convertibilidade ao dinheiro: a melhor medida do pragmatismo financeiro”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: o Princípio de Paretto nas Finanças

O famoso princípio de Paretto, comumente conhecido como princípio do 80-20, é uma ocorrência natural das tendências da nossa rotina. Por exemplo, 80% de toda a riqueza da sociedade é acumulada por 20% das pessoas. 80% do tempo do nosso trajeto entre casa e trabalho é perdido em apenas 20% da distância do percurso.

Enquanto suas causas são desconhecidas, os efeitos do Princípio de Paretto são reais e portanto temos que aceitá-los em nossa vida. E ao passo que a princípio ele possa parecer injusto ou desigual, a verdade é que como investidores racionais, podemos fazer uso dele para nossa própria vantagem, tornando-nos parte dos 20% ou 80% quando nos servir melhor.

Talvez o melhor exemplo disso é na nossa própria educação financeira: 80% dos conceitos que precisamos aprender para investir bem podem ser aprendidos nos primeiros 20% de tempo estudando.

Neste episódio, mostro como nós podemos utilizar o princípio de Paretto para a nossa vantagem em âmbitos financeiros, e sempre nos colocar numa posição vencedora em relação a ele.

Continuar lendo “Podcast do Pinguim: o Princípio de Paretto nas Finanças”

O que faz um investimento seguro?

Qual é o segundo investimento mais seguro que existe depois do Tesouro Direto?

Calma. Releia a frase antes de tentar começar a responder. Respire. Pense com cuidado a respeito da pergunta.

Respirou? Beleza, pode responder agora.

Se você começou a pensar sobre algum CDB, LCI ou LCA por causa da garantia do FGC… pode parar. Você acabou de cair na pegadinha do óbvio-mas-não-óbvio.

Mas e aquele papo de ser um investimento seguro, afinal é renda fixa e garantida pelo FGC até R$250,000…?

Se você pensa desta forma, as chances são que você não está exatamente entendendo o que significa segurança nos investimentos. Não só esta mesma “garantia” lhe limita o horizonte de pensamento (“enquanto eu ficar abaixo dos 250 mil beleza!”), ela também nos torna cego para os riscos inerentes de qualquer investimento – incluindo a renda fixa.

Porém, há um outro quesito pouco explorado quando se trata de segurança em meio aos investimentos que até há relativamente pouco tempo era pouco considerado. Este é a proteção do poder de compra do seu dinheiro. Isso mesmo – a velha inflação que sileciosamente mas certeiramente irá reduzir o valor do seu patrimônio ao longo do tempo.

Combinando o poder corrosivo da inflação com um pavor irracional que muitos possuem quanto a imprevisibilidade da bolsa de valores no curto prazo, vemos que não começar a investir se torna o real risco de segurança financeira. Vejamos mais sobre isto, e como podemos reverter esta aversão a riscos neste post.

Continuar lendo “O que faz um investimento seguro?”

7 perguntas erradas a serem feitas sobre os investimentos

Um dos desafios no nosso caminho de aprendizado é que frequentemente nossas maiores e mais sedentas perguntas não são respondidas pelos nossos materiais, recursos, e aulas até bem mais tarde. Os professores e os livros ajudam, mas preferem se manter em curso com o plano da aula, evitando as nossas preciosas perguntas até mais tarde.

Na educação financeira muitas vezes não é diferente, e muitas vezes começamos com nossas perguntas e dúvidas pessoais sobre o dinheiro, que nos fazem querer pular os básicos sobre finanças pessoais para ir direto à conceitos relativamente mais avançados. Em fóruns, este tipo de pergunta constantemente leva bordoadas de investidores mais experientes, rendendo o carinhoso apelido de “sardinha” que leva muitos a se desencorajarem de continuar a aprender. A verdade, porém, é que perguntas como “qual é o melhor investimento que posso fazer” são evidência que quem pergunta não possui base de conhecimento geral suficiente para tratar de uma pergunta tão específica.

Neste post abordo esta questão do aprendizado financeiro de uma forma similar: aprenda educação financeira correta através das perguntas erradas que são frequentemente feitas sobre investimentos, finanças pessoais e da bolsa de valores. Não só você estará evitando os erros alheios de muitos ao seu redor, mas também aprenderá quais os fundamentos deve-se ter primeiro para posteriormente ir explorando com mais detalhes.

Este post mistura educação com humor, portanto deve transmitir a mensagem bem eficiente. Porém, como todo conteúdo disponível neste site, deve ser notado que ainda assim representa apenas a minha opinião e que não estou de forma alguma recomendando qualquer forma de investimento. Dito isto, vamos em frente.

Continuar lendo “7 perguntas erradas a serem feitas sobre os investimentos”

Cinco formas de investimentos indiretos para acelerar a sua vida financeira

Embora muitos, incluindo eu, tendem a seguir uma definição bem rígida sobre o que significa um investimento, existem casos onde uma pessoa pode se beneficiar em colocar seu dinheiro num produto além dos produtos clássicos como renda fixa, ações, fundos imobiliários ou tesouro direto.

Os chamados de “investimentos indiretos,” ou “aceleradores de riqueza” por outros, são formas de você utilizar o seu dinheiro para resolver ou acentuar determinadas características específicas da sua situação financeira de uma forma que o dinheiro lá investido lhe trará retornos indiretos maiores do que investindo de uma forma tradicional.

Será que pode se beneficiar destes investimentos indiretos também? Descubra neste episódio.

Continuar lendo “Cinco formas de investimentos indiretos para acelerar a sua vida financeira”

Você vive pra apagar incêndios nas suas finanças?

Existe uma anedota bem conhecida sobre gerenciamento de processos sobre o ovo e a galinha: qual dos dois veio primeiro? Logicamente, não há uma resposta coerente para esta pergunta, e tentar resolvê-la simplesmente irá gerar um loop infinito, onde afirmar que foi um simplesmente levanta a pergunta “ok, mas quem o gerou não foi o outro?”

Esta situação engraçadinha e à primeira vista inofensiva pode ter um efeito devastador quando considerado ao longo de processos ocorrendo simultaneamente, tal como em programas de computador onde é conhecida como condição de corrida. Esta, por sinal, frequentemente é a razão pela qual o seu computador ou eletrônico travam.

A forma mais sensata de se resolver o problema do ovo e da galinha, ironicamente, é simplesmente não criando o problema em primeiro lugar. Você não precisa se preocupar se foi o ovo ou a galinha que veio primeiro se nunca precisar fazer esta pergunta. Pode parecer óbvio, mas por falta de visão ou pensar criativamente, muitas pessoas acabam caindo neste dilema em diversas partes do seu cotidiano sem nem suspeitar.

Se você não acha que pode cair no problema ovo-galinha se tratando de finanças, está enganado. Enriquecer também é um processo, e determinadas partes dele também podem cair numa espécie de loop infinito e insaciável. A manifestação mais clara (e perigosa) do problema do ovo e da galinha nas finanças pessoais na minha opinião é a síndrome do constante incêndio financeiro.

Esta situação é bem comum hoje em dia, por conta da precária educação financeira da população, e se manifesta por constantes reclamações sobre a própria situação financeira e dizer que o indivíduo nunca tem dinheiro para nada.

“Não tenho dinheiro no fim do mês porque não consigo economizar; não consigo economizar porque tenho que pagar todas estas contas; não consigo pagar estas contas porque não tenho dinheiro”

Soa familiar?

Tentar resolver esta situação de maneira bruta é equivalente a tentar descobrir se foi o ovo ou a galinha que veio primeiro. Infelizmente, na maioria dos casos a pessoa já se encontra dentro do problema quando se depara que deve resolvê-lo, então evitá-lo não é mais possível. Por outro lado, é possível quebrar este ciclo se simplesmente seu esforço for concentrado e direcionado da maneira certa. Neste post, iremos explorar como.

Continuar lendo “Você vive pra apagar incêndios nas suas finanças?”