podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: Harland David Sanders e o Sucesso nascido do Fracasso

Qual é a receita do sucesso para você?

Muitos diriam que é uma mistura de ambição, planejamento, disciplina e conhecimento, mas para mim não há nada tão importante no caminho para o sucesso quanto o seguinte ingrediente-chave: persistência.

É somente através da persistência que conseguimos levantar de novo depois de uma queda, decepção ou falha. É a persistência que transforma situações de fracasso em oportunidades para aprendizado e melhoria. E foi uma persistência incrível, sobre-humana, que permitiu que Harland David Sanders tornasse sua humilde receita de frango frito numa das maiores redes de fast-food do mundo.

Neste episódio, falo sobre a história incrível de fracasso de Sanders desde a infância até as mais de mil tentativas frustradas de vender sua receita a outros restaurantes, e como ele finalmente alcançou o sucesso – bem depois dos 60 anos de idade.

O que esta história fascinante pode lhe ensinar? Descubra neste episódio.

Veja mais sobre a história de Sanders neste post que publiquei anteriormente no blog.


Quais outras histórias de fracasso como a de Sanders você conhece? Compartilhe aqui nos comentários.

Se você ainda não fez, aproveite para se inscrever no meu podcast na Anchor.FM ou Spotify onde posto semanalmente um novo episódio.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

Como está sendo a minha primeira crise na bolsa de valores?

Já estamos há alguns meses vendo uma tendência de queda grande na bolsa de valores que muitos estão chegando a classificar como uma crise generalizada por conta de ambos o Coronavírus e a queda do preço do barril de petróleo.

Assim, junto de muitos outros que começaram recentemente, estou passando pela minha primeira experiência de crise na bolsa. Como estou sobrevivendo em meio a esta fase de “fim dos tempos” financeiros? Entrei em pânico e vendi tudo?

Nada, não sou sardinha para isso. Mas também não posso fingir ser o homem de ferro e dizer que não estou nem um pouco abalado com o derreter da renda variável.

A verdade é que a minha distância geográfica da bolsa me ajudou a manter a calma, e a minha disciplina foi responsável a manter em curso o meu plano de investimentos principal: investir regularmente e acumular capital de renda passiva a longo prazo. E quando tenho esta dose extra de receio, gosto de me relembrar da importância de manter a disciplina para fazer aquilo que é sensato mesmo em tempos de medo.

Em tempos como estes, suas melhores armas são exatamente estas: DCA (dollar-cost averaging) e cash cow (renda passiva constante e previsível). Veja mais sobre o meu planejamento e opinião perante a esta crise neste vídeo.

Continuar lendo “Como está sendo a minha primeira crise na bolsa de valores?”
podcast do pinguim

Podcast do Pinguim: Estratégia vs Execução

Quantas vezes pensamos em alguma idéia para algum negócio próprio para justamente desistirmos e pensarmos que não vale a pena pois alguém em alguma época já pensou nela antes. Não adianta, pensamos, porque a idéia não é original.

Modo errado de se pensar. Embora idéias originais têm potencial para revolucionar, é na execução delas onde o dinheiro realmente é ganhado. Telas de toque existem desde os anos 80, mas sua popularidade apenas começou a decolar por conta da execução correta do iPhone em 2007. Aplicativos de carona existiram antes do Uber, mas o conceito apenas decolou com ele. Isto mostra quão importante é a execução na hora de se promover uma idéia.

Adicionalmente, a importância que a execução tem nos inspira a conseguir atingir novos patamares. Por exemplo, se tentamos uma idéia e falhamos pela primeira vez, podemos focar mais na execução na segunda para ter sucesso, e buscar sempre a melhoria. Saiba mais como neste episódio.

Anteriormente havia postado um artigo similar a este tema, veja mais neste post.


Se você ainda não fez, aproveite para se inscrever no meu podcast na Anchor.FM ou Spotify onde posto semanalmente um novo episódio.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

“Não é suficiente, então não vale à pena.”

Mesmo que eu siga os seus conselhos e corte este gasto recorrente da minha vida, só estarei economizando uns R$80000 ao longo de dez anos, e isso não é suficiente para se aposentar. Portanto, pra mim não vale a pena o esforço e o sacrifício.

Quantas vezes já não tentamos convencer alguém a economizar mais e viver uma vida mais eficiente financeiramente apenas para que esta pessoa trágicamente conclua que ela não conseguirá economizar o suficiente para se tornar FIRE e, por isso, conclui que é inútil tentar.

Esta visão de curto prazo e imediatismo é a causa mais comum pela qual as pessoas não conseguem enriquecer em primeiro lugar. É uma relação direta com a mentalidade de quem não consegue economizar ou aportar a mais. O imediatismo é a razão pela qual as pessoas desistem de tentar qualquer coisa que não dê resultados em menos de um ano, ou precise sacrificar alguma coisa que não traga um retorno imediato que justifique esta “privação.”

O problema é que na mesma moeda, esta mania de ver tudo no curto prazo é a mesma razão pela qual a maioria nunca irá enriquecer. Cada vez que você se convence que R$80000 lá na frente não é o suficiente, R$40000 não é suficiente, ou até mesmo R$10000 no fim de dez anos não são suficientes, você está se colocando mais fundo numa posição de não enriquecimento, de mediocridade financeira. Isso é porque esta visão e mentalidade ignoram a capacidade que temos de combinar economias e apreciá-las de uma maneira similar aos juros compostos, e também da capacidade humana de se motivar e conseguir poupar ainda mais. Vou detalhar mais sobre esse tópico a seguir.

Continuar lendo ““Não é suficiente, então não vale à pena.””

O paradigma do Taco Bell na Independência Financeira

Na indústria alimentícia um problema frequente é a gestão do estoque. Clientes devem ser servidos com os ingredientes em questão, mas se estes não forem consumidos prontamente o suficiente, há um risco da validade passar e eles serem perdidos como prejuízo. É necessário um equilíbrio precioso para conseguir atender a fome dos clientes sem falta e evitar o prejuízo com comida estragada, que os gestores de restaurantes analizam mês a mês para se aperfeiçoar.

Em meio à este precioso jogo de equilíbrio, uma rede de fast food parece ter se destacado: Taco Bell. O Taco bell possui um diverso menu de vários pratos distintos, mas todos são feitos a partir de oito ingredientes básicos. Ajustando e apresentando cada ingrediente (carne moída, queijo ralado, tortillas…) de uma certa forma específica, cria-se um prato completamente diferente do anterior. Apenas utilizando e reutilizando ingredientes que eles já possuem, a rede de fast food consegue abastecer todo o seu menu sem se preocupar muito com excesso ou falta dos ingredientes. Eles se abastecem e se sustentam com o que têm.

No âmbito da programação de computadores, este “modelo Taco Bell” é utilizado por administradores e desenvolvedores para criar soluções com apenas componentes já prontos do sistema operacional que executam tarefas simples, arranjando-os de forma a performar uma tarefa mais complexa. Conhecido também como Princípio Unix, este modelo permite que você simplifique o desenvolvimento e evite retrabalho em criar a mesma coisa duas vezes.

E, igualmente, você pode aplicar o modelo Taco Bell para a sua vida financeira também. Enquanto algumas pessoas te encorajam a começar a diversificar suas fontes de renda, investir em ativos de alto risco sem compreendê-los bem, ou abandonar o seu emprego para começar um negócio próprio, muitas vezes a sua vida atual, do jeito que está, pode ser o suficiente.

Pode ser simplesmente uma questão de arranjar os fatores da maneira certa.

Continuar lendo “O paradigma do Taco Bell na Independência Financeira”

Você tem medo de aprender?

Há uma razão pela qual a maioria dos blogs de finanças pessoais incluem seções sobre o desenvolvimento pessoal. O próprio Pinguim Investidor é assim. E esta é que para a pessoa ter seu despertar da educação financeira, ela precisa de um conceito central que inicia o processo: o desejo de aprender.

Podemos ver que todos inovadores, empreendedores e outras pessoas bem-sucedidas possuem este traço comum de personalidade, e assim conseguem prosseguem se aperfeiçoando a cada dia para um sucesso constante. As formas disponíveis para aperfeiçoar são várias, e hoje são muito mais diversificadas e disponíveis do que nunca: conteúdo gratuito na internet, cursos online, seminários, livros e ebooks, etc. Porém, existe um elemento comum por trás de todas as formas disponíveis de aprendizado: uma pessoa mais experiente que compartilha o seu conhecimento.

Quando se fala de investimentos, existe uma curiosidade enorme para aprender, mas recursos didáticos nem sempre conseguem atender à demanda das pessoas, especialmente quando hoje muitas pessoas começaram a investir com a alta da bolsa.

Infelizmente, por ser um nicho tão específico e tradicionalmente fechado, muitos iniciantes com perguntas naturalmente ingênuas acabam recebendo atravessadas ou as vezes até como piada. E quando este é o caso, nosso espírito natural de querer aprender é desencorajado, e algumas vezes se apaga nos fazendo desistir.

Se você teve alguma experiência ruim ao tentar aprender uma coisa nova, leia este artigo até o final.

Continuar lendo “Você tem medo de aprender?”

O efeito vegano e a sua influência no FIRE

Você já deve conhecer um destes nos seus círculos sociais. Alguém que decidiu se tornar vegano um certo dia e em algumas semanas começou a postar sobre a sua decisão nas suas redes sociais. Compartilhamento de postagens de comunidades começam a aparecer. Depois vêm as fotos dos pratos que comeu no almoço ou na janta no Instagram. E de repente seu feed se torna tão saturado com estas postagens que já não é mais possível ignorá-los.

A sua reação a tal invasão de postagens desta pessoa provavelmente foi uma de duas: ou você amou e apoiou as postagens desta pessoa, ou você se sentiu incomodado, e até irritado, por ela. E é mais comum que seja esta última.

Eventualmente, seu amigo vegano começa a compartilhar desabafos sobre como a sociedade à sua volta não entende o veganismo e não está preparada para uma vida vegana, e como o mundo é difícil para ele. O mundo parece se unir contra ele.

Toda hora que alguém resolve desenvolver e melhorar sua vida pessoal e melhorar sua qualidade de vida, aparecem vários querendo contrariar suas idéias e as vezes até atacá-lo. Este acontecimento é chamado de Efeito Vegano no Podcast do BiggerPockets, e qualquer semelhança com o cotidiano da Finansfera não é coincidência.

Sem querer julgar a eficiência ou não da dieta vegana neste artigo, este mesmo efeito pode ser observado com tendências como Crossfit, Dieta Paleo, e – num ambiente muito mais próximo – na frugalidade, minimalismo. e educação financeira. Afinal, quem nunca compartilhou alguma opinião sobre reduzir o consumo, aprender a investir mais eficientemente, e recebeu uma chuva de críticas da roda da conversa.

O que o movimento FIRE pode aprender com o efeito vegano e como podemos diminuir a incidência negativa dele?

Continuar lendo “O efeito vegano e a sua influência no FIRE”

FOMO: provavelmente a sigla mais destrutiva da sua vida

Você está sozinho de noite, fazendo alguma coisa produtiva que planejou anteriormente para desenvolver alguma das suas habilidades, e vê no seu celular o seu timeline: pessoas “se divertindo” de inúmeras formas que você não poderia ter imaginado. Selfies com sorrisos, língua de fora, copos e taças brilhantes com bebidas e ambientes luxuosos.

Neste momento, aquele sentimento ataca. Aquele que cria uma ansiedade e faz uma insegurança começar a borbulhar por dentro de você. Aquele que faz você se preocupar com e questionar a sua escolha para hoje à noite. Aquele que te deixa deprimido por achar que todos ao seu redor estão vivendo um momento melhor do que o seu. E, se deixado crescer descontroladamente, poderá acabar com a sua saúde mental.

Você pode conhecer este sentimento por vários nomes, mas eu me refiro a ele por FOMO, significando Fear Of Missing Out en Inglês.

Ao passo que FOMO pode ser inicialmente dispensado como uma coisa insignificante, como uma coisa de adolescentes tentando se tornar popular na escola, mas graças à onipresença das mídias sociais e propaganda nos dias atuais, tal tendência se espalhou para quase todas as nossas premissas atuais. Happy hours do trabalho, noitadas em bares e boates, e férias paradisíacas invadem nossos espaços mais frequentemente do que imaginamos. E nós mesmos, na nossa curiosidade humana, sabotamos nossa sanidade querendo saber mais, numa manobra com um pequeno toque masoquista.

O efeito “oposto” ao FOMO também existe. Não tenho um nome para ele, mas você também conhece: é aquela aversão em “perder qualquer oportunidade” que leva a pessoa a tentar estar em mais lugares e fazer a maior quantidade de coisas possíveis. Os efeitos de uma vida hedonística como esta são desastrosos: exaustão, depressão quando não conseguem honrar suas próprias expectativas e um rombo enorme no bolso.

É quase impossível achar alguém que consiga se livrar 100% do FOMO, e eu mesmo sou “vítima” dele frequentemente. Porém, com uma aplicação de racionalidade e disciplina, junto a um planejamento consciente, consegui reverter muitos dos efeitos que o FOMO costumava ter na minha vida. Neste post vou compartilhar algumas técnicas que me ajudaram neste caminho.

Continuar lendo “FOMO: provavelmente a sigla mais destrutiva da sua vida”
discipline by Thao Le Hoang

Motivação é a nova droga do desenvolvimento pessoal

Este artigo marca 100 posts publicados aqui no Pinguim Investidor!

Obrigado a todos que me acompanham por aqui, e que me inspiram a criar novo conteúdo todo dia! Os seus comentários e feedback são muito importantes para que eu continue a desenvolver o melhor conteúdo sobre Investimentos e Finanças pessoais na Finansfera. Que venham mais outros 100 posts aqui no Pinguim Investidor!


Você abre o seu celular de manhã para o café, e lá está na sua Timeline uma imagem falando sobre como você deve “dominar o seu dia,” “dar 110% de si,” “crush the competition,” e tal. Abre o YouTube e lá está o vídeo auto-entitulado de conteúdo motivacional, de como se sentir melhor, de como dominar e sair por cima do dia. Você assiste e supercarrega suas baterias, se enchendo de gás e espírito para completar qualquer tarefa.

Mas aí você chega no trabalho, passa o dia fazendo a mesma coisa que fez no dia anterior, se comporta da mesma forma que nas outras vezes, e essencialmente volta para casa no mesmo estado que antes, independente daquela bomba de conteúdo que recebeu dez horas atrás.

O que aconteceu aqui? O que aconteceu com toda aquele espírito para sair e mudar o mundo algumas horas atrás? Simples: foi esquecido em meio à toda a rotina pré-estabelecida que você está condicionado a fazer.

Muito do conteúdo que compartilho no Twitter é de caráter motivacional. Procuro vídeos, imagens, frases e outro conteúdo de qualidade de pessoas das áreas de investimentos e desenvolvimento pessoal. Igualmente, embora meu foco seja informativo e de aprendizado, alguns dos posts deste blog podem ser considerados motivacionais também, especialmente quando menciono objetivos e formas de se manter focado para alcançá-los. Eu entendo muito bem o valor que o conteúdo motivacional possui na nossa vida.

Embora ele seja importante para conseguir alcançar seus objetivos, friso que apenas a motivação em si não é a solução por conta das rotinas e valores pré-estabelecidos que possuímos no nosso dia-a-dia. Não importa o quão alto alguém grite na sua orelha sobre como você precisa dar 110% do seu dia: se você não prosseguir com a ação necessária, a motivação sozinha é inútil.

Infelizmente, hoje em dia as pessoas se contentam apenas com a parte de se motivar. Percebendo essa tendência, muitos criadores de conteúdo capitalizaram em cima, criando coletâneas e coletâneas de vários palestrantes em vídeos com muita motivação, mas pouco conteúdo. A motivação se tornou, essencialmente, a nova droga do desenvolvimento pessoal.

Como você pode utilizar a motivação ajudar o seu desenvolvimento pessoal, e prosseguir com ele mesmo quando não está motivado?

Continuar lendo “Motivação é a nova droga do desenvolvimento pessoal”

Maior que Zero

Se você quer uma lição matemática, mas não manja muito de exatas, aqui está uma bem simples e muito poderosa para você levar no seu dia: qualquer número positivo é infinitamente maior do que zero. Ou, de forma ainda mais simplificada, 0.01 > 0.

O que isso significa? Na busca do sucesso, o que conta no final é o esforço, e este esforço conta em todos os níveis – grandes e pequenos. Muitos falam sobre “dar o sangue,” trabalhar o máximo, virar noites para entregar e muito mais na hora de atingir um objetivo, mas esquecem-se que também conta o tanto quanto fazer uso daqueles 10-15 minutos que sobram quando você quando volta do almoço, ou a meia hora que têm em casa antes do café da manhã e se trocar, ou o tempo que passam no transporte público indo e vindo do trabalho.

Há muitas oportunidades para se conseguir arranjar tempo e esforço para realizar alguma tarefa ou atingir objetivo, se a motivação por trás existir. O verdadeiro esforço existe neste contexto: aproveitar os momentos disponíveis para sair do zero. É a frase que uso para me motivar: No more zero days!

Continuar lendo “Maior que Zero”