O efeito vegano e a sua influência no FIRE

Você já deve conhecer um destes nos seus círculos sociais. Alguém que decidiu se tornar vegano um certo dia e em algumas semanas começou a postar sobre a sua decisão nas suas redes sociais. Compartilhamento de postagens de comunidades começam a aparecer. Depois vêm as fotos dos pratos que comeu no almoço ou na janta no Instagram. E de repente seu feed se torna tão saturado com estas postagens que já não é mais possível ignorá-los.

A sua reação a tal invasão de postagens desta pessoa provavelmente foi uma de duas: ou você amou e apoiou as postagens desta pessoa, ou você se sentiu incomodado, e até irritado, por ela. E é mais comum que seja esta última.

Eventualmente, seu amigo vegano começa a compartilhar desabafos sobre como a sociedade à sua volta não entende o veganismo e não está preparada para uma vida vegana, e como o mundo é difícil para ele. O mundo parece se unir contra ele.

Toda hora que alguém resolve desenvolver e melhorar sua vida pessoal e melhorar sua qualidade de vida, aparecem vários querendo contrariar suas idéias e as vezes até atacá-lo. Este acontecimento é chamado de Efeito Vegano no Podcast do BiggerPockets, e qualquer semelhança com o cotidiano da Finansfera não é coincidência.

Sem querer julgar a eficiência ou não da dieta vegana neste artigo, este mesmo efeito pode ser observado com tendências como Crossfit, Dieta Paleo, e – num ambiente muito mais próximo – na frugalidade, minimalismo. e educação financeira. Afinal, quem nunca compartilhou alguma opinião sobre reduzir o consumo, aprender a investir mais eficientemente, e recebeu uma chuva de críticas da roda da conversa.

O que o movimento FIRE pode aprender com o efeito vegano e como podemos diminuir a incidência negativa dele?

Continuar lendo “O efeito vegano e a sua influência no FIRE”

Hábitos formam ou destroem você – quais você irá adotar hoje?

Você ouve o despertador tocar e aperta o botão para silenciá-lo. Levanta meio grogue, caminha até o banheiro. Prossegue para a cozinha, prepara aquela comida de sempre para o café da manhã. Pega o celular e começa a ver quais notificações recebeu na noite anterior e perde alguns minutos surfando nas redes sociais enquanto come.

Sai para ir trabalhar, pega o ônibus ou metrô, segue aquele caminho tão batido que às vezes faz enquanto está olhando no celular, chega ao trabalho. Passado um tempo levanta para o café, faz o caminho à cafeteira e quando menos espera lá está botando o cafezinho. Volta pra casa vendo o celular na mão a viagem toda, e quando chega lá está de TV ligada novamente enquanto janta.

Enfim, se eu fosse descrever um dia típico de um trabalhador num post, ele seria uma bíblia. Fazemos uma quantidade enorme de tarefas durante o tempo de um dia apenas, mas não sentimos passar: este é o poder que um hábito instalado tem na sua rotina.

Há muito tempo comento sobre hábitos no blog, mas nunca cheguei a elaborar com mais detalhes a respeito dos seus efeitos em nossas vidas em geral. Embora muitos não percebam, são seus hábitos que controlam a maior parte da sua vida, deixando em “background” tudo aquilo que você não tem consciência direta sobre. Sem esses hábitos, seria impossível conseguir fazer tantas coisas num dia. Mas enquanto isso traz um alívio de energia mental para nós, se não observado com consciência, podem trazer vícios e outras consequências ruins para a vida.

Quais são os pontos fortes e fracos dos hábitos e como devemos nos policiar a respeito deles?

Continuar lendo “Hábitos formam ou destroem você – quais você irá adotar hoje?”
discipline by Thao Le Hoang

Motivação é a nova droga do desenvolvimento pessoal

Este artigo marca 100 posts publicados aqui no Pinguim Investidor!

Obrigado a todos que me acompanham por aqui, e que me inspiram a criar novo conteúdo todo dia! Os seus comentários e feedback são muito importantes para que eu continue a desenvolver o melhor conteúdo sobre Investimentos e Finanças pessoais na Finansfera. Que venham mais outros 100 posts aqui no Pinguim Investidor!


Você abre o seu celular de manhã para o café, e lá está na sua Timeline uma imagem falando sobre como você deve “dominar o seu dia,” “dar 110% de si,” “crush the competition,” e tal. Abre o YouTube e lá está o vídeo auto-entitulado de conteúdo motivacional, de como se sentir melhor, de como dominar e sair por cima do dia. Você assiste e supercarrega suas baterias, se enchendo de gás e espírito para completar qualquer tarefa.

Mas aí você chega no trabalho, passa o dia fazendo a mesma coisa que fez no dia anterior, se comporta da mesma forma que nas outras vezes, e essencialmente volta para casa no mesmo estado que antes, independente daquela bomba de conteúdo que recebeu dez horas atrás.

O que aconteceu aqui? O que aconteceu com toda aquele espírito para sair e mudar o mundo algumas horas atrás? Simples: foi esquecido em meio à toda a rotina pré-estabelecida que você está condicionado a fazer.

Muito do conteúdo que compartilho no Twitter é de caráter motivacional. Procuro vídeos, imagens, frases e outro conteúdo de qualidade de pessoas das áreas de investimentos e desenvolvimento pessoal. Igualmente, embora meu foco seja informativo e de aprendizado, alguns dos posts deste blog podem ser considerados motivacionais também, especialmente quando menciono objetivos e formas de se manter focado para alcançá-los. Eu entendo muito bem o valor que o conteúdo motivacional possui na nossa vida.

Embora ele seja importante para conseguir alcançar seus objetivos, friso que apenas a motivação em si não é a solução por conta das rotinas e valores pré-estabelecidos que possuímos no nosso dia-a-dia. Não importa o quão alto alguém grite na sua orelha sobre como você precisa dar 110% do seu dia: se você não prosseguir com a ação necessária, a motivação sozinha é inútil.

Infelizmente, hoje em dia as pessoas se contentam apenas com a parte de se motivar. Percebendo essa tendência, muitos criadores de conteúdo capitalizaram em cima, criando coletâneas e coletâneas de vários palestrantes em vídeos com muita motivação, mas pouco conteúdo. A motivação se tornou, essencialmente, a nova droga do desenvolvimento pessoal.

Como você pode utilizar a motivação ajudar o seu desenvolvimento pessoal, e prosseguir com ele mesmo quando não está motivado?

Continuar lendo “Motivação é a nova droga do desenvolvimento pessoal”

A importância de estar consciente

Em 2016 arranjei um ingresso para assistir uma competição de Taekwondo no Parque Olímpico do Rio de Janeiro. Era uma das mais acessíveis, já que não é tão popular. Chegando lá, ao entrar no estádio, fui comprar uma água para tomar, e vi uma cena que nunca mais me esqueci.

As bebidas estavam sendo vendidas nas barraquinhas em copos plásticos decorados à moda do Rio 2016, e eram recebidas com a compra de uma bebida alcóolica, como cerveja, para não se ter o problema de latas e garrafas de vidro sendo jogadas ao redor dos estádios. Com isso, recebia-se um copo por cerveja comprada. Um indivíduo na fila havia acabado de comprar mais uma cerveja quando percebi que ele passou do meu lado carregando uma pequena “torre” de nada menos que uns vinte e quatro copos, montados um dentro do outro. Sim, esta pessoa deveria ter bebido no mínimo umas vinte e poucas cervejas durante o seu dia no Parque Olímpico, e ainda voltava para pegar mais.

Meu pensamento na hora foi: esse cara pensa que está num churrasco na casa dele? Pra quê beber tanto ao invés de aproveitar esse momento único da vida, quando os Jogos Olímpicos estão na sua cidade, acessíveis pra você pela primeira vez? Uma pessoa que bebeu tanto assim não pode ter tido memórias sóbrias e sólidas de como foi a experiência Olímpica no Brasil; deve ter sido nada mais do que apenas mais um outro dia ocioso onde se bebeu a tarde toda.

Como já mencionei antes, embora eu não beba mais, não tenho problemas com a bebida, ou quem bebe. Mas esta história revela uma coisa importantíssima que aprendi no decorrer do meu aprendizado financeiro e pessoal: independente do que você faz no seu dia, deve ter sempre a consciência das suas ações, tanto sobre o quê está fazendo quanto no que tal ato acarretará como consequência.

Esta consciência é fundamentalmente diferente daquela “força do hábito” onde sua mente entra em piloto automático e você não questiona se está fazendo da maneira certa ou melhor. Muito pelo contrário: esta é a consciência onde você consegue abstrair da ação, averiguar a situação, se conscientizar de como esta ação afeta você ou seu ambiente e como você pode mudar ou melhorá-la.

A falta desta consciência possui consequências graves, e pode levar a formação de hábitos nocivos às suas finanças e vida pessoal. Se você já sofreu algum dia de procrastinação, por exemplo, é provável que a causa esteja relacionada à não-consciência de algum hábito seu.

Como funciona este fator crucial de estar consciente, e como ele contribui para o seu crescimento? Vejamos a seguir.

Continuar lendo “A importância de estar consciente”