Como comprar um carro de maneira inteligente

Quando se trata de passivos financeiros, sabemos que quase sempre são uma furada financeira esperando para acontecer. Passivos são tudo aquilo que não se valoriza com o tempo, possui custos adicionais de possessão, ou não produz um fluxo de caixa positivo para o investidor. Nesta categoria se enquadram sonhos de consumo comuns das pessoas como a casa própria, carro, e outros bens como eletrônicos e roupas.

Particularmente se tratando da casa e do carro, muitos possuem uma reação emocional adversa forte quando ditos que estes não são ativos financeiros, com suas depreciações, custos adicionais e impostos recorrentes. A verdade matemática, porém, não mente: o acúmulo compulsivo de passivos ao longo da vida é capaz de arruinar qualquer patrimônio, independente do salário que se recebe.

Na prática, porém, a situação nunca é tão preto-no-branco, e muitas pessoas acabam por depender de um carro particular para compensar a falta do transporte público em sua cidade ou no caso de famílias grandes que precisam de mobilidade. Portanto, mesmo que a vida sem passivos represente a perfeição teórica de uma vida financeiramente eficiente, na vida real pode ser necessário adquirir passivos ao longo da vida. Porém, a grande maioria realiza estas aquisições da maneira errada, financiando e se endividando para comprar e pagando uma quantia muito maior que o preço original no fim das contas.

Neste post, irei elaborar sobre como podemos comprar um passivo – como um carro próprio – de maneira correta, inteligente, e com o menor impacto financeiro possível.

Continuar lendo “Como comprar um carro de maneira inteligente”

Qual é o melhor investimento que você pode fazer hoje?

Estou começando agora, qual é o melhor investimento que posso fazer?
Tenho X anos. Qual é o melhor produto que posso investir?
Qual é o melhor investimento para XYZ?

Perguntas como estas frequentemente aparecem nos fóruns de iniciantes nos investimentos e são sintomas de que a verdadeira natureza dos investimentos não é compreendida. Não culpo as pessoas que as fazem; quando iniciei na minha própria educação financeira também queria saber quais eram os investimentos mágicos que me trariam riqueza da forma mais eficiente possível. O que estas perguntas transparecem, porém, é uma incompreensão sobre como cada classe de investimento consegue ajudar cada um em seu estágio de desenvolvimento financeiro.

Como uma metáfora, um copo d’água pode ter valores e utilidades diferentes dependendo para quem ele é oferecido. Uma pessoa num bar bebendo com os amigos pode zombá-lo e rejeitá-lo como inútil num ambiente onde há tantas outras bebidas mais saborosas e interessantes para serem consumidas. Para uma pessoa naufragada ou perdida num deserto há alguns dias, porém, este mesmo copo d’água se torna extremamente atraente e útil. Na sua vida financeira, a mesma coisa acontece, e diferentes classes de investimentos lhe servirão benefícios variados dependendo da sua situação e evolução financeira.

Como consequência, existem coisas diferentes que podemos considerar como investimentos, com retornos diretos e indiretos variados sobre o seu tempo e dinheiro investidos. Vamos explorar mais sobre como cada um deles se encaixa melhor em cada estágio da sua evolução financeira neste post.

Continuar lendo “Qual é o melhor investimento que você pode fazer hoje?”

O primeiro passo para você se tornar realmente rico

Tornar-se rico é uma tarefa tão mental quanto prática, e muito esforço é necessário para quebrar crenças negativas quanto ao dinheiro, e implantar a idéia da riqueza na sua mente.

Porém, não importa quanto preparo mental você tenha, não é possível alcançar o estado de riqueza final sem colocar na prática um hábito crucial na sua rotina: pagar-se primeiro.

Pagar-se primeiro significa você receber e investir os frutos do seu trabalho e esforço antes de qualquer outra prioridade, seja ela as suas contas, serviços, bens ou lazeres. Se você não fizer este tipo de priorização, não irá enriquecer, pois estará tratando a sua riqueza sempre como secundária a alguma outra coisa.

Veja como você coloca este conceito fundamental para a riqueza neste vídeo.

Continuar lendo “O primeiro passo para você se tornar realmente rico”

Como se manter produtivo durante a quarentena

Com o lockdown da quarentena se estendendo e as pessoas perdendo o horizonte de quando a crise do Coronavírus irá se amenizar, fica como um desafio manter o foco e a produtividade num ambiente que consideramos tanto ser o nosso lar e centro de relaxo e espaço pessoal.

Podemos falar o quanto quisermos que temos objetivos traçados a longo termo, mindset de crescimento para sempre querer aprender mais e que nossa disciplina destrói qualquer preguiça. A verdade é que por não estarmos num ambiente propenso à produtividade (como um escritório), poucos de nós conseguimos manter o mesmo nível de foco e atenção estando na familiaridade do ambiente de casa, e junto com os nossos familiares a quem queremos sempre dar atenção.

Assim, compartilho neste post algumas das técnicas que tenho utilizado para tentar manter a produtividade num mundo onde o Home Office a cada dia parece mais ser pseudo-férias, e a procrastinação tende a apenas aumentar.

Continuar lendo “Como se manter produtivo durante a quarentena”

A diferença palpável entre poupar e investir

Abril é o mês da educação financeira no Pinguim Investidor! Em comemoração à este fato, vamos revisar alguns conceitos básicos da educação financeira. Veja outros posts desta série aqui


Quando começamos a aprender sobre finanças, aprendemos que economizar dinheiro é geralmente o primeiro e mais simples passo que podemos dar em direção ao grande objetivo de nos tornarmos independentes financeiramente.

Nestes primeiros momentos de iluminação financeira, podemos ver a importância de viver uma vida mais financeiramente eficiente é a chave para começar a “virar o jogo” e propriamente enriquecer, mas tendemos a não distinguir muito bem qual é a diferença entre eles. No começo, esta falta de distinção não causa muito problemas, pois nossas prioridades nesta etapa são diferentes: precisamos sair das dívidas e aumentar nossa renda antes de começar a pensar em investir.

Porém, conforme avançamos e nos tornamos mais amadurecidos financeiramente, temos que parar e compreender a diferença por completo. Misturar os conceitos de poupança e investimento pode causar confusão grande, como evidenciada em perguntas como “qual é o melhor investimento para curto prazo?” ou “qual investimento posso sacar em um ano?” E, finalmente, com a queda constante da Selic desde o ano passado, muitos se questionam até se a renda fixa se classifica como um investimento.

Este post clarificará a diferença entre os dois através de duas variáveis cruciais.

Continuar lendo “A diferença palpável entre poupar e investir”

Como ganhar dinheiro em qualquer oportunidade – descoberta de ouro

Estamos acostumados a escutar nas mídias as histórias dos altos e baixos dos ciclos econômicos, estimulados sobre notícias e especulações do futuro da economia. Se nos deixarmos levar por estas fontes de informação, um pessimismo constante pode nos levar à conclusão que nunca estará bom para investir ou preparar o futuro financeiro.

Alternativamente, um otimismo exagerado pode nos levar a acreditar que estes são os melhores tempos da história, e nos levar a tomar decisões drásticas ignorando possíveis riscos, lastreadas no conceito que os tempos sempre estarão bons.

É este otimismo “perene” que nos deve alertar contra possíveis riscos escondidos por trás de uma nova tentativa, para que possamos sempre calcular nossas decisões financeiras e tomar consciência de tudo. Ignorar esta etapa pode nos tornar cegos a riscos até óbvios, e não há um melhor exemplo para este efeito do que a descoberta de ouro na Califórnia em 1848, talvez a maior da história.

Durante este período de oportunidade e afobação, centenas de milhares de americanos largaram tudo o que possuíam em suas casas e foram tentar a sua fortuna numa única promessa: campos ricos de ouro na costa oeste dos Estados Unidos. Infelizmente para estes sonhadores, pouquíssimos conseguiram de fato enriquecer e atingir prosperidade em meio a este cenário de euforia, mesmo com tanta propaganda positiva em jogo.

Como um investidor, este ambiente lhe soa familiar? A verdade é que muitos Bull Markets, incluindo o mais recente de 2018~2019 se comportam de maneira similar, muitas esperanças, afobação, e pouca atenção aos riscos e custos envolvidos. Felizmente, alguns poucos sonhadores da Califórnia conseguiram enriquecer com estratégias menos convencionais, indo contra a média.

Quais lições não-convencionais destes casos de sucesso podemos aplicar nas situações atuais também? Vejamos neste post.

Continuar lendo “Como ganhar dinheiro em qualquer oportunidade – descoberta de ouro”

Lidando com os efeitos dos cisnes negros

O período da quarentena em meio ao Coronavírus continua se arrastando, e cada vez mais as previsões sobre estabilização, controle e resolução se tornam menos claras. Os otimistas dizem que tempos melhores estão para vir, os pessimistas apontam que estas eram as mesmas previsões de um ou dois meses atrás. O resto acompanha tudo à distância, grudados às suas fontes de notícias.

Hoje, não há dúvidas que a pandemia do Coronavírus é um Cisne Negro, um evento de probabilidade baixíssima mas com efeitos catastróficos tal como classificado pelo estatístico Nicholas Taleb. Ninguém poderia ter previsto no seu início em Dezembro as proporções que poderia ter atingido, e hoje as suas consequências vão se alinhando como troféis fúnebres.

Lançamentos de filmes sendo cancelados. Ultra Music Festival e outros festivais de músicas foram cancelados. A NBA nos Estados Unidos foi cancelada, assim como a Eurocopa da UEFA de 2020. E a cereja do bolo não veio muito depois: em 24 de Março, os Jogos Olímpicos de Tokyo 2020 foram atrasados para 2021.

Os efeitos deste Cisne Negro foram avassaladores – e evoluíram mais rapidamente do que poderíamos ter esperado. Foram pouquíssimos os que realmente puderam se preparar; a maioria simplesmente de repente se encontrou numa condição de quarentena forçada. Tais acontecimentos são úteis para nos lembrarem de como podemos mentalizar e nos preparar para Cisnes Negros, e se sé realmente possível se preparar.

Continuar lendo “Lidando com os efeitos dos cisnes negros”

Hedging: as vezes, a melhor defesa é o ataque

Em tempos de crise como o atual, fala-se muito sobre o conceito de Hedging nas carteiras dos grandes fundos de investimento, e como é possível fazer que as perdas das quedas da bolsa sejan limitadas aplicando certas técnicas. Estas provam que por conta de fatores históricos e correlações estatísticas, certos investimentos conseguem subir ou se manter embora a queda generalizada da bolsa.

As notícias também citam que os grandes investidores como Ray Dalio estão com suas carteiras protegidas através de investimentos em ouro – mas só se menciona este fato durante os tempos de crise, e nunca durante os tempos de bonança.

E assim, muitos pequenos investidores e iniciantes se questionam, lamentando a “perda de oportunidade” para ter preparado seus portfólios. Eles querem tentar se planejar definitivamente, procurando novamente quais são os melhores hedges que dariam um boost em seus investimentos.

Ao passo que técnicas de hedging são importantes para gestão de grandes fundos de investimentos, eu acredito que o investidor individual iniciante estará se precipitando em tentar incluir tais instrumentos numa carteira relativamente pequena, e cujo objetivo principal é o crescimento. Hedging, como instrumento de defesa de uma carteira, é importante para o investidor individual durante tempos que requerem mais estabilidade e confiabilidade em carteiras maduras, como para aqueles que precisam viver dos seus proventos.

Falarei mais sobre a minha opinião sobre Hedging, e porque acredito não ser tão importante para o investidor iniciante neste post.

Continuar lendo “Hedging: as vezes, a melhor defesa é o ataque”

O real custo das coisas é por uso, não tempo

Quando se trata de enriquecimento, uma regra é clara: devemos economizar e concentrar nossos gastos em ativos financeiros, que se valorizam com o tempo e nos trazem dinheiro, e minimizar os gastos que temos com passivos que só tendem a depreciar e acumular custos ao longo do tempo. Neste ponto, fale a pena lembrar da frase clássica de Robert Kiyosaki, que explica que Ativos colocam dinheiro no seu bolso, passivos tiram dinheiro do seu bolso.

No meio deste caminho trilhado, várias perguntas começam a surgir na luz deste simples conceito. Existem disputas emocionais e culturais, como a questão do carro e da casa própria sendo passivos numa sociedade que os valoriza como símbolo de status social. Ou até mesmo se quando se mora em cidade pequena ou isolada é necessário ter o carro próprio. Infelizmente, para a maioria destas perguntas não há resposta comum correta, pois mesmo que fizermos um ponto racional, nossas crenças e cultura emocional nos tenta provar o contrário.

Não há como escapar de ter passivos acumulando no decorrer das nossas vidas. Afinal, ainda precisamos de roupas, comida, certos bens e meios de produção para sobreviver. E convenhamos que nunca conhecemos ninguém que fica alegre só de comprar ativos. Porém, existe ainda mais uma regra que devemos nos conscientizar toda vez que cogitamos comprar ou usar um passivo, e esta é a do custo por uso.

Simplificadamente, ela diz que o custo de cada um dos nossos passivos aumenta a cada vez que optamos por utilizá-los. Uma afirmação simples, até meio óbvia a princípio, mas que muitos se esquecem ou preferem ignorar quando um novo passivo aparece em suas vidas. Porém, se não respeitada, a regra do custo por uso pode trazer um desastre financeiro na sua vida. Vamos explorar mais as implicações deste princípio financeiro neste post.

Continuar lendo “O real custo das coisas é por uso, não tempo”

Quando ser um “contrário” não é vantajoso

Até que descobrimos a independência financeira, geralmente vivemos uma vida bem padrão. Vamos para a escola, brincamos no nosso tempo livre, estudamos para o vestibular, fazemos faculdade e finalmente nos acomodamos no nosso trabalho nas próximas décadas. A partir daí, dinheiro é recurso para se divertir, comprar coisas que você não precisa, e outras das “felicidades” da vida adulta, como o happy hour, casa e carro próprio.

Em determinado momento, a educação financeira nos mostra que este modo de vida esbanjante é ineficiente, e estamos na verdade fazendo tudo errado. Aprendemos que os bancos não nos oferecem os melhores investimentos, que economizar e ser frugal não é sinônimo de deprivação ou limitação, e que o aporte constante é uma das forças mais poderosas do universo. Tendemos, então a nos tornar um termo que a finansfera gosta de jogar por aí: um contrário.

A essência do contrarianismo é que as oportunidades inexploradas se encontram além daquilo que é considerado popular, e atravessando o caminho menos explorado, podemos obter mais valor do que fazendo aquilo que é esperado da maioria.

Este mindset é rapidamente apontado como adotado por várias figuras bilionárias como Warren Buffett, Ray Dalio, que não seguem tendências de mercado, e traçam suas próprias estratégias impopulares de investimento com sucesso enorme. Empreendedores bem-sucedidos que “nadaram contra a maré das massas” em direção ao seu próprio sucesso também são apontados como contrários em seus próprios âmbitos.

Eu acredito profundamente que ser um contrário é essencial para atingir o sucesso – afinal, fazer parte da média é a antítese do sucesso. Porém, como tudo na vida, o contrarianismo deve ser balanceado dentre a vida total, e há uma hora e um contexto correto para aplicá-lo. Se abraçarmos a essência de ser um contrário em todos os momentos da vida, estaremos essencialmente nos tornando adversos e intragáveis para os grupos sociais nos quais participamos, resultando em simplesmente isolamento e oportunidades de networking perdidas.

Quais são alguns perigos de abordar o contrarianismo em todos os momentos da vida, e quais são os contextos onde ele se torna valioso?

Continuar lendo “Quando ser um “contrário” não é vantajoso”