Como se manter produtivo durante a quarentena

Com o lockdown da quarentena se estendendo e as pessoas perdendo o horizonte de quando a crise do Coronavírus irá se amenizar, fica como um desafio manter o foco e a produtividade num ambiente que consideramos tanto ser o nosso lar e centro de relaxo e espaço pessoal.

Podemos falar o quanto quisermos que temos objetivos traçados a longo termo, mindset de crescimento para sempre querer aprender mais e que nossa disciplina destrói qualquer preguiça. A verdade é que por não estarmos num ambiente propenso à produtividade (como um escritório), poucos de nós conseguimos manter o mesmo nível de foco e atenção estando na familiaridade do ambiente de casa, e junto com os nossos familiares a quem queremos sempre dar atenção.

Assim, compartilho neste post algumas das técnicas que tenho utilizado para tentar manter a produtividade num mundo onde o Home Office a cada dia parece mais ser pseudo-férias, e a procrastinação tende a apenas aumentar.

Macroplaneje suas tarefas diárias

Se num escritório você tinha o seu fiel caderno de tarefas e coisas a serem feitas durante o dia, porque não um mesmo caderno em casa durante o Home Office? A idéia é ótima, e seja para os nosos próprios afazeres em casa ou o home-office do trabalho, estruturarmos o nosso dia já ajudará a criar um rumo para ele.

Para isso, comece o dia anotando num caderno tudo aquilo que você gostaria de realizar durante o dia. O truque é atingir um equilíbrio em termos de detalhes: não seja específico demais ao ponto de limitar a sua criatividade para realizar a tarefa, mas também não deixe-a vaga demais ao ponto de se tornar ambígua – e, assim, convidar a alta chance de procrastinar.

Pela minha experiência, tenho visto que no geral, se eu tender a macro-planejar o dia com descrições mais abrangentes, tendo a me organizar melhor do que se quisesse “engessar” o meu dia com tarefas muito específicas e em tempos muito rígidos.

Qual é a melhor ferramenta que você pode usar neste caso? Aquela que lhe servir melhor. Já experimentei com alguns software de planejamento, timers, listas, etc, e ainda assim não abro mão do velho caderninho e caneta onde vou “tickando” as tarefas…

Limite o tempo das suas tarefas

Embora este momento de quarentena algumas vezes pode nos levar a pensar que temos tempo infinito, a realidade é que, novamente, a escassez de tempo pode nos ajudar a nos tornar mais produtivos.

Embora eu tente priorizar a flexibilidade das tarefas, percebi que se eu limitar artificialmente o tempo alocado para cada uma delas, acabo por me tornar mais eficiente em realizá-las. Começo pensando no mesmo modelo que costumo usar para reuniões de trabalho, com slots reservados de 30 a 60 minutos. Ao passo que geralmente não nos atentamos ao tempo utilizado nas tarefas individuais, tenho tratado-as como “mini-reuniões” comigo mesmo, e aloco estes blocos de tempo dependendo do tamanho do escopo que acredito que terão.

Duas coisas devem ser observadas aqui. A primeira é que, tal como o problema do “microplanejamento” anterior, limitar demais o tempo alocado para as tarefas pode mais atrapalhar no desempenho do que auxiliar. Pode ser tentante levar o efeito da escassez mais adiante e tentar dividir o tempo da maneira mais eficiente possível, tal como dividindo o dia inteiro em lacunas de cinco minutos como fazem Bill Gates e Elon Musk, mas na minha experiência, na maior parte das vezes não temos disciplina e expertise o suficiente para microgerenciar as nossas próprias tarefas assim, e não conseguimos nos aprofundar o suficiente numa única tarefa desta forma.

É muito mais próximo a nossa realidade dar mais tempo para a execução das tarefas e conseguir realizá-las mais naturalmente. Alocando de 30 a 60 minutos por tarefa nos permite “mergulhar” adentro, e também nos evita uma outra tentação: a de querer fazer tudo num único dia, e se frustar por não achar que tem tempo suficiente.

O segundo ponto é que quando o tempo alocado acaba, a tarefa deve ser terminada ou largada naquele momento, e a próxima deve ser iniciada. Não largar da tarefa anterior e tentar levá-la “só um pouco mais” para frente causará um efeito de engavetamento no seu planejamento, causando todas as tarefas seguintes a serem atrasadas por consequência. Uma solução melhor? Deixe a tarefa de lado naquele momento e siga para a próxima. Se você terminá-la mais cedo, terá oportunidade para voltar e terminar a tarefa incompleta.

Este é um ótimo exercício por conseguir resolver um outro problema: o cansaço mental de uma tarefa longa.

Breaks curtos arejam a cabeça

Ao fim de uma tarefa, ou em meio a uma tarefa longa, procure tirar um break, arejar a cabeça um pouco, e descansar os olhos. Alguns estipulam que cinco minutos sejam necessários para descansar a mente, mas neste ponto você pode levar o quanto precisar para dar uma recarregada mental antes de resumir ao trabalho. Se o tempo permitir, 10, 15 minutos de descanso são perfeitamente possíveis.

É importante, porém, que você realmente pare as suas tarefas e engaje-se no ato do break. Você se sentirá melhor e poderá utilizar o espaço de tempo também para interagir com a sua família, que irá apreciar a sua atenção. Pular esta oportunidade na tentação de “dar um gás” ou “estar na zona” é uma receita para o burnout mental ao longo prazo – algo irônico nesta temporada de quarentena.

O famoso método de produtividade do Pomodoro, por exemplo, prega esta abordagem com suas tarefas. Ele consiste em dividir lacunas de 30 minutos em 25 de trabalho e 5 de descanso para se recarregar. Na minha experiência, estes breaks fazem toda a diferença, pois não só ajudam a arejar a cabeça depois de um tempo de muita concentração, mas também auxiliam a efetivamente trocar de tarefa quando fazemos a transição das lacunas de tempo descritas anteriormente.

Exercite-se regularmente

Estar em casa não é desculpa nenhuma para não se exercitar. Pode ser que a academia esteja fechada, ou você realmente não possa mais sair para dar aquela corrida em volta do parque ou na orla da praia, mas ainda assim, exercícios regulares são cruciais para manter a sua saúde física e se manter ativo mentalmente para produzir mesmo em fase de home office.

Exercícios de circuito ou calistênicos são perfeitos para esta situação por quase não necessitarem de espaço ou equipamento, e são estes que estive fazendo desde que a quarentena começou. A sua grande vantagem é que são escaláveis e flexíveis, podendo atender desde os absolutos iniciantes até os experts se você simplesmente variar as repetições, tempo, intensidade e descanso entre os sets.

Provavelmente não será o melhor treino, ou o mais intenso que você poderia fazer, mas aqui entra um conceito poderoso: mesmo que você se exercite apenas 10 minutos por dia, estes 10 minutos ainda serão melhor do que não ter feito nada, e os seus benefícios irão se acumular quanto mais você repetí-lo.

Embora trabalhoso começar este novo hábito, tenho visto que mesmo em quarentena estive mais ativo do que nunca em termos de exercícios físicos. Não tem passado um único dia onde eu não me exercito, mesmo que seja apenas 10 a 15 minutos. E os resultados pagam: tenho notado que tenho dormido melhor e a – incrivelmente – minha concentração após a sessão de exercícios tem melhorado.

Evite as tentações

É prazeroso estar “meio off” neste tempo de quarentena, e fingir que estamos de semi-férias em meio a uma jornada de trabalho que não possui muito o que podemos fazer. Infelizmente, o convite das inúmeras distrações que possuímos em casa se torna forte durante neste período. Seja o Netflix a alguns passos de distância, chocolate na despensa, ou até mesmo aquela aba aberta do YouTube no seu navegador, você precisa estar alerta sobre como estas pequenas distrações podem inflar de tamanho se a sua disciplina não colocá-las em cheque.

Há uma hora e um local para tais distrações, e durante o seu “expediente” (profissional ou pessoal), você deve deixá-las de lado, como no seu escritório. Coloque música, foque no trabalho e, se preciso, implemente alguma forma de Pacto de Ulysses. Tenha certeza que a companhia que você possui em casa entenda que ainda existe expediente através do seu home office, mas durante os horários em Off eles terão sua atenção por completo. Fazer que esta distinção seja compreendida o mais cedo possível evitará frustrações e desentendimentos internos.

Certamente, manter o balanço de produtividade já é um desafio grande o suficiente durante condições “normais” de operações, e durante a quarentena se torna uma verdadeira missão. Porém, a boa notícia é que mesmo que você não sinta que está sendo tão produtivo como gostaria de ser, poderá se confortar no fato que pelo menos está podendo relaxar e descomprimir do trabalho gratuitamente.

E o fato que você está lendo este blog significa que se preocupa mais com o seu desenvolvimento pessoal que a maioria. Parabéns, e continue em frente!


O que você tem feito para se manter produtivo durante a sua quarentena? Acredita que é possível melhorar ainda mais? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor


Photo by Charles Deluvio on Unsplash

2 comentários sobre “Como se manter produtivo durante a quarentena

  1. Pingback: Fechamento Abril 2020 – Será que o #FicaEmCasa funcionou? – Pinguim Investidor

  2. Pingback: Como solicitar o auxílio coronavírus do Japão? – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s