É possível ficar rico investindo na poupança?

Seria possível ficar rico investindo apenas na poupança? Eu acredito que sim.

Será que deu a louca no Pinguim? Será que as perdas na crise causaram insanidade e regressão para os seus tempos pré-educação financeira? Será o fim da credibilidade deste site?

Muito pelo contrário. Mesmo com o medo e pânico generalizado na bolsa, estou calmo e mantendo o meu planejamento em curso. E enquanto há várias razões e casos nos quais devemos fazer uso da poupança e dos bancos durante o nosso curso até a independência financeira, acredito que a poupança não deve ser considerada uma forma sequer de investimento.

Ainda assim, concluo que é possível sim enriquecer e talvez até se tornar independente financeiramente até mesmo se o seu único investimento seja a caderneta de poupança. Como isso seria possível? A resposta envolve educação financeira e disciplina na rotina, e de longe não é a forma mais eficiente de se realizar a tarefa – mas não significa que seria impossível de realizar. O que isso prova, porém, é que enriquecer é uma questão matemática, e consequentemente possível para todos.

Vou mostrar como neste post.

O Fator Pinguim e a mágica dos aportes

Anteriormente, havia postado sobre o conceito básico da acumulação patrimonial: o triângulo de acumulação patrimonial. Ele é composto pelos três pilares financeiros que auxiliam no acúmulo de patrimônio e enriquecimento: receita (o dinheiro que se ganha), economia (quanto deste dinheiro é mantido), e investimento (como a diferença economizada pode ser tornada produtiva na forma de capital).

É através da maximização destes três pilares que a condição de independência financeira é obtida da maneira mais rápida possível. Porém, dos três, o mais imprevisível é sem dúvida o investimento – como sempre estamos considerando os mais longos dos prazos, temos pouca visibilidade quanto a que rentabilidade exata teremos.

Isto não é razão para não confiarmos nos nossos investimentos – de fato, mais arriscado do que investir em renda variável é não investir em nada – mas nos abre uma questão sobre o que podemos fazer com as outras duas partes que geralmente temos mais controle: renda e economia. Tratando-se destes dois, existe uma relação muito especial que foi apelidada de Fator Pinguim por um leitor num post anterior. Ela funciona da seguinte maneira.

Se você economiza 10% do seu salário líquido ao mês, significa que você sobrevive com 90% do seu salário. Economizando 10% ao mês, você levaria 9 meses para conseguir juntar o equivalente a um mês de custo de vida líquido. Se você aumentar a economia para 20%, este mesmo tempo para juntar um mês de custo de vida cai para 4 meses, menos da metade.

AporteCusto de vidaMeses até ter 1 mês de vida poupado
10%90%9.00
20%80%4.00
30%70%2.33
40%60%1.50
50%50%1.00
60%40%0.67
70%30%0.43
80%20%0.25
90%10%0.11

Ao atingirmos taxas de aporte realmente extraordinárias como 60 a 70%, dignas de Jacob Fisker do Early Retirement Extreme, este número se torna mais extremo, como acumular 2 meses de custo de vida para cada mês trabalhado. Esta é a essência do Fator Pinguim: quantos meses você consegue “comprar” com o seu salário mensal aportado? Ele se manifesta inversamente ao seu custo de vida.

Meses de liberdade versus percentual de aporte do salário

Levando isso um passo mais à frente, vamos lembrar do conceito base da independência financeira – a regra dos 4%. Recapitulando, ela afirma que você precisa juntar o equivalente a 25 vezes do seu custo de vida anual para conseguir um portfólio do qual poderá resgatar anualmente seu custo de vida para sempre.

Se você trabalhar com o custo mensal, o número passa para 300 (25 x 12). Aplicando este número mágico com o nosso Fator Pinguim, podemos ver o número de meses e anos necessários para alcançar a IF via regra dos 4%:

AporteMeses até ter 1 mês de vida poupadoMeses de liberdade comprados por mêsMeses até IFAnos até IF
10%9.000.112700225
20%4.000.251200100
30%2.330.4370058
40%1.500.6745038
50%1.001.0030025
60%0.671.5020017
70%0.432.3312811
80%0.254.00756
90%0.119.0033.33

Se todos investíssemos na poupança ou sem rentabilidade alguma, seria possível sim se aposentar via regra dos 4% em nossas vidas. Não é a forma mais eficiente, mas podemos concluir que, se mesmo no pior dos casos é possível, aposentadoria digna se torna ainda mais fácil através dos investimentos.

Encurtar a pista e correr mais rápido

Embora apenas o aporte é suficiente para cobrir o processo de enriquecimento, ele não é muito condizente. Afinal, quem gostaria de esperar 58 anos para se aposentar num aporte de 30% ao mês (que aliás é muito bom por qualquer padrão analisado)? Embora ao aportarmos mais por mês estamos tornando a pista da corrida mais curta, podemos também acelerar o passo para alcançar a linha de chegada mais rápido. Esta parte é dada pelo investimento.

Até agora, todos os nossos dados apresentaram uma situação onde teríamos exatos 0% de rentabilidade anual. Porém, na prática até a poupança possui uma pequena rentabilidade, que podemos considerar numa simulação mais aprofundada. Para isso, vamos utilizar o conceito de custo de oportunidade – geralmente reservado para calcular perdas – ao inverso para calcular potenciais ganhos. Não vai ser muito preciso, mas apenas como uma estimativa nos dará um insight interessante.

A fórmula do custo de oportunidade representa uma estimativa de custo ajustados por um investimento no prazo de dez anos, e envolve multiplicar por 752 um gasto semanal e 153 um gasto mensal. Vamos considerar que os gastos são, no caso, o salário aportado. Porém, temos que considerar duas coisas: a poupança não rende perto do que os investimentos conseguem render, e o período pode ser além de dez anos. Assim, vamos cortar este fator da oportunidade referente a um aporte mensal.

Um aporte de 10% ao mês renderiam umaa média de 0.25% ao mês. Os resultados são um pouco mais promissores:

AportePoupando mensalMeses até 1 mês de vida poupadoMeses de liberdade compradosMeses até IFAnos até IF
10%11%8.300.122490208
20%22%3.650.27109591
30%32%2.100.4863053
40%43%1.330.7539733
50%54%0.861.1625822
60%65%0.551.8216514
70%75%0.333.04988
80%86%0.166.14484
90%97%0.0329.77101

Adicionando uma rentabilidade mínima aqui nos trouxe um auxílio para o caminho até a IF, mas ainda assim, nada se compara com o poder de simplesmente aumentar o nosso aporte. Para se ter uma idéia, aqui estão as duas curvas de aporte vs meses comprados para as duas situações de rendimento zero vs na poupança:

É mais efetivo aumentar o aporte (efetivamente poupar mais) do que buscar rentabilidades maiores. E se mesmo com a poupança isso se torna possível, com qualquer investimento melhor será ainda mais fácil atingir a independência financeira.

O poder das razões e pensar no relativo

Como uma última observação, presto atenção no seguinte detalhe: em nenhuma ocasião neste post eu fiz alusão a algum salário absoluto; apenas trabalhei com porcentagens de aporte. Isso tem um impacto enorme nas nossas considerações pois significa que independente do salário recebido é possível reproduzir este caminho à Independência Financeira.

Lembre-se que não importa o quanto uma pessoa ganha, a riqueza finalmente se encontra naquilo que se consegue acumular e manter. Vários artistas com cachês milionários já acabaram falidos por simplesmente gastar tudo o que têm. Quando pensamos desta forma relativa, analisando em termos de quanto da nossa renda podemos ver que estamos traçando nossa própria margem de segurança financeira que ao expandir bastante, se torna o alicerce do portfólio FIRE.

Mesmo que a matemática deste post não esteja perfeita (longe de ser, usei muitas estimativas), você pode utilizar este conceito-base do Fator Pinguim para lhe guiar financeiramente no âmbito da renda e economia, e combinando-os com uma estratégia de investimentos, atingir a independência financeira se torna simplesmente uma questão de tempo e disciplina.

E, claro, embora eu a utilizei como exemplo no post, não invista na poupança – ela serve como reserva de emergência apenas – mas sim em outros ativos diretamente, como renda fixa ações e FIIs. Mas a escolha destes é papo para um outro post.


E você, acredita que é possível enriquecer apenas com a poupança? Quais dos três pilares da acumulação patrimonial considera o mais importante no desenvolvimento financeiro? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor


Este post foi inspirado em parte pela reprodução matemática do caminho à independência financeira descrito no livro Quit like a Millionaire dos canadenses Kristy Shen e Bryce Leung. Embora em parte cêntrico ao mercado Norte-americano, é um dos livros mais completos de finanças pessoais que li.

16 comentários sobre “É possível ficar rico investindo na poupança?

    1. Fala Marcelo!

      É exatamente isso: aquilo que está sob o seu controle que você deve se preocupar em focar. E dentre as três variáveis principais (receita, economia e rentabilidade), geralmente é a economia que temos mais controle.

      Não quero dizer que temos que “estar na defensiva” o tempo todo, mas é um bom começo geral pra qualquer um.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  1. Pingback: Como declarar os FIIs no seu Imposto de Renda – Pinguim Investidor

  2. Pingback: Podcast do Pinguim: Aporte, Liberdade, e o Fator Pinguim – Pinguim Investidor

  3. Pingback: Como ganhar dinheiro em qualquer oportunidade – descoberta de ouro – Pinguim Investidor

  4. Pingback: O primeiro passo para você se tornar realmente rico – Pinguim Investidor

  5. Pingback: Podcast do Pinguim – É possível enriquecer apenas com a poupança? – Pinguim Investidor

  6. Pingback: Como solicitar o auxílio coronavírus do Japão? – Pinguim Investidor

  7. Pingback: Acabe com a sua miopia financeira antes que ela acabe com o seu patrimônio – Pinguim Investidor

  8. Pingback: Confisco da Poupança? Só botando a mão no vespeiro – Pinguim Investidor

  9. Pingback: Quantas aposentadorias você já gastou na vida? – Pinguim Investidor

  10. Pingback: E se tributarem os dividendos? E outros medos dos impostos – Pinguim Investidor

  11. Pingback: Carro próprio é o pior investimento que você pode fazer – Pinguim Investidor

  12. Pingback: Bounty hunters: mais uma ótima razão para manter suas finanças em dia – Pinguim Investidor

  13. Pingback: Estudo de caso – qual é o custo dos seus sonhos? – Pinguim Investidor

  14. Pingback: Será que finalmente a poupança passou a valer mais a pena que o Tesouro Selic? – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s