As cinco dimensões da riqueza

Quando se trata do seu objetivo de vida, muitos preferem escolher âmbitos e metas que tentam mais refletir um bom estilo de vida e tranquilidade com paz de espírito. Gostaria de viajar pelo mundo, dizem. Quero uma casa no campo e uma vida tranquila. Ter tempo para a minha família todos os dias. Ter a liberdade para fazer tudo aquilo que eu quiser sem precisar correr riscos ou fazer algum sacrifício. Quem pensa em dinheiro ou ser rico como objetivo de vida é tido como ganancioso ou mesquinho.

O que não fica explícito, porém, é que cada um destes objetivos precisa de dinheiro para acontecer. Nenhum deles poderia acontecer sem a pessoa necessariamente estar numa condição de Independência Financeira para realizá-los. E assim, revela-se a necessidade de ter riqueza como condição primária para a sua liberdade básica, mas esta liberdade não está simplesmente apenas no quesito financeiro.

Existem cinco dimensões distintas da riqueza que você precisa dominar para se tornar uma pessoa bem-sucedida e realmente conseguir alcançar seus objetivos de vida, quaisquer que estes sejam. Quando apenas algumas destas dimensões são cumpridas, o resultado é uma vida desbalanceada, onde o foco se encontra apenas em ganhar dinheiro e esquecer o resto da vida e não se atribui sentido no processo. O resultado é uma tendência a ser desencorajado e a depressão. Portanto, é importante manter sempre em mente estas dimensões quando falamos de riqueza. Ao invés de tratar o dinheiro como a coisa mais importante do mundo, as pessoas ricas entendem cada uma das dimensões da riqueza e as incorporam em suas vidas.

Explicarei mais sobre estas dimensões da riqueza neste post.

Riqueza de Dinheiro

A riqueza mais direta e comumente conhecida é a riqueza de dinheiro, onde a pessoa rica possui dinheiro abundante e recursos suficientes para conseguir viver a vida. Esta é a definição mais comum sobre o que significa ser rico, e infelizmente muitas vezes a única tomada como verdadeira pela maioria.

A riqueza de dinheiro é importante por prover recursos e garantir a sobrevivência da pessoa com segurança, mas a maioria não compreende completamente o que isso implica. Essencialmente, estamos falando aqui do fluxo de caixa, a capacidade da riqueza conseguir produzir mais riqueza para você. Esta sim é a verdadeira riqueza do dinheiro: a sua capacidade de prover liberdade na forma de recursos.

Quem não compreende esta capacidade do dinheiro está propenso a fazer o mal uso dele, tendendo finalmente a acumular passivos financeiros que simplesmente tendem a perder valor e acumular custos de uso a longo prazo. Para dominar este conceito de riqueza, você deve ter educação financeira e a consciência de que o dinheiro é abundante se você encontrar uma forma de captá-lo.

Armado com este mindset, você estará trilhando um caminho certeiro para a abundância. Porém, não podemos esquecer que não é só desta riqueza que vivemos a vida.

Riqueza de Saúde

De nada adianta ter recursos infinitos se você não tem a saúde para poder acompanhar e aproveitar os benefícios que a riqueza consegue te trazer. Aqueles que escolhem obter riqueza em dinheiro sacrificando a saúde própria estão finalmente jogando fora a sua oportunidade de viver a vida. Eles se tornam aquelas histórias clássicas dos avôs e avós ricos que já não conseguem mais mal sair de casa e escolhem “presentear” os membros da família com o dinheiro que têm (enquanto estes ficam apenas contando os dias até a herança chegar).

Ter riqueza de saúde significa poder aproveitar a vida com as condições que o seu corpo oferece. Ter energia, vitalidade, disposição e não ser limitado são algumas das vantagens oferecidas. E tal qual a riqueza de dinheiro, ela também requer investimentos: bons hábitos de saúde como se exercitar com frequência, ou ter uma alimentação balanceada com escolhas saudáveis. É muito mais fácil manter o padrão do que ter que começar do zero para chegar lá.

Embora eu acredite que é necessário fazer sacrifícios para certas coisas na vida, é necessário sempre se atentar para a saúde, especialmente quando focamos muito especificamente em algo que pode nos distrair das nossas obrigações como a saúde. Isto é especialmente importante quando estamos tratando o efeito conhecido como burnout. Você não quer ser a pessoa mais rica do cemitério; você quer viver uma vida longa para aproveitar ao máximo a sua riqueza.

Riqueza de Tempo

Tempo é um ativo escasso, dinheiro não.

Nem todo mundo concorda com esta afirmação ao ouví-la pela primeira vez, e é menor ainda o número de pessoas que realmente entende as suas implicações. O fato é que durante quase toda a nossa vida estamos investindo tempo, e não dinheiro – e ao contrário do dinheiro, o tempo não é recuperável.

Investimos tempo para cultivar relações significantes com nossos amigos na infância, novamente mais tempo nos estudos na faculdade ou pós-graduação, e finalmente mais tempo ainda quando ingressamos na jornada de trabalho e trocamos horas de vida por um salário.

Quem possui riqueza de tempo essencialmente conseguiu dominar esta relação perdedora de “Tempo = Dinheiro,” e simplesmente a inverteu. O resultado é revelador: Dinheiro = Tempo. A riqueza de tempo implica que você consegue multiplicar seu esforço independente do tempo investido, e assim agrega maior valor na vida. Este poder pode ser visto facilmente no mundo do empreendedorismo, onde a simples relação de multiplicação é suficiente para conseguir trazer riqueza:

1 milhão de reais = 1 coisa vendida à 1 milhão = 1 milhão de coisas vendidas a 1 real

A riqueza de tempo é provavelmente uma das mais valiosas dentre as dimensões pelo simples fato que é a busca pelo tempo livre que está por trás do objetivo do alcance da independência financeira. Ao recuperar o tempo, você essencialmente recupera a sua liberdade pessoal.

Riqueza de Conhecimento

A vida é uma grande escola, e o aprendizado e experiência são algumas das poucas coisas que podemos verdadeiramente consumir sem medo de um dia acabarem. Riqueza de Conhecimento é formada quando tornamos toda a experiência obtida numa sólida obra de aprendizado que podemos consultar para performar melhor no futuro.

Pouco apreciada senão na hora de colocar no currículo, esta dimensão da riqueza é também muitas vezes difícil de ser processada, pois muitas das lições mais valiosas são oriundas de erros e falhas doloridas que sofremos durante o processo. Errar é um dos ingredientes principais do sucesso, e as pessoas mais bem-sucedidas aprendem a apreciar seus erros e sabem que são eles que alimentam a sua riqueza de conhecimento.

Infelizmente, com tanta pressão alheia desde pequeno para não errar – escolas, provas, jogos e ridicularização do grupo – é difícil para o ser humano realmente compreender esta lição poderosa. Neste ambiente penalizante, se torna muito mais fácil deixar ser guiado por outro sentimento: o medo. As pessoas ricas em conhecimento, por outro lado, sabem que o medo do desconhecido simplesmente alimenta mais sua fonte de conhecimento, e que das suas falhas aparecerão mais experiência para se melhorarem.

Riqueza de Percepção

Esta é talvez a dimensão da riqueza mais polêmica de todas. Se você não acha que há riqueza ou pobreza na sua própria forma de perceber o mundo ao seu redor, está muito enganado. Poderíamos até dizer que é diferença da percepção que separa os pobres dos ricos, os fracassados dos bem-sucedidos.

A riqueza da percepção está baseada em como você enxerga a sua vida a todos os momentos, e se você consegue perceber oportunidades e possibilidades em meio à uma situação neutra ou negativa. Quando você pratica essa percepção, passa a pensar sempre em abundância e em como poderá receber dinheiro em várias situações diferentes onde os outros só enxergam crise e miséria.

Uma percepção rica também é aquela que consegue proteger o próprio bem estar mental. Uma filosofia como o estoicismo, por exemplo, prega que é a percepção que temos das coisas que nos acontecem (e não as coisas em si) que são responsáveis pelas nossas reações e sentimentos. Isso nos coloca numa posição interessante de poder: somos nós (através do controle da nossa percepção) que temos controle sobre o nosso cotidiano.

A pessoa rica em percepção possui esta ótica para o seu cotidiano: ela se coloca numa posição central em sua vida como a causadora do seu destino e leva adiante tomando responsabilidade pelo seu próprio sucesso. Compare esta com aquela figurinha fácil em qualquer vizinhança que está sempre reclamando da vida, e que nunca toma uma atitude para melhorar; é justamente a riqueza da percepção que permite o sucesso a achar um caminho.

Conclusão

Dinheiro, saúde, tempo, conhecimento e percepção. Estas são as cinco dimensões da riqueza e do sucesso. Quando se tem consciência de como estas dimensões representam o seu nível de sucesso, a sua estratégia muda para se tornar mais eficiente.

A riqueza não é apenas contada pela quantidade de ativos que possuímos, ou o tamanho da nossa conta bancária. Ela é o resultado de uma vida produzindo excelência e eficiência, e se manifesta como uma abundância generalizada na vida: de tempo, saúde e liberdade. É sob esta ótica que a verdadeira riqueza é produzida, e uma vida balanceada e abundante se tornam as consequências.


Quais são as dimensões que você usa para medir a riqueza da sua vida? Considera fatores além do dinheiro para contar a riqueza? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

5 comentários sobre “As cinco dimensões da riqueza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s