Você tem medo de aprender?

Há uma razão pela qual a maioria dos blogs de finanças pessoais incluem seções sobre o desenvolvimento pessoal. O próprio Pinguim Investidor é assim. E esta é que para a pessoa ter seu despertar da educação financeira, ela precisa de um conceito central que inicia o processo: o desejo de aprender.

Podemos ver que todos inovadores, empreendedores e outras pessoas bem-sucedidas possuem este traço comum de personalidade, e assim conseguem prosseguem se aperfeiçoando a cada dia para um sucesso constante. As formas disponíveis para aperfeiçoar são várias, e hoje são muito mais diversificadas e disponíveis do que nunca: conteúdo gratuito na internet, cursos online, seminários, livros e ebooks, etc. Porém, existe um elemento comum por trás de todas as formas disponíveis de aprendizado: uma pessoa mais experiente que compartilha o seu conhecimento.

Quando se fala de investimentos, existe uma curiosidade enorme para aprender, mas recursos didáticos nem sempre conseguem atender à demanda das pessoas, especialmente quando hoje muitas pessoas começaram a investir com a alta da bolsa.

Infelizmente, por ser um nicho tão específico e tradicionalmente fechado, muitos iniciantes com perguntas naturalmente ingênuas acabam recebendo atravessadas ou as vezes até como piada. E quando este é o caso, nosso espírito natural de querer aprender é desencorajado, e algumas vezes se apaga nos fazendo desistir.

Se você teve alguma experiência ruim ao tentar aprender uma coisa nova, leia este artigo até o final.

Não existem perguntas idiotas até…

Quando estava começando a me interessar pela educação financeira, tentei absorver a maior quantidade de conhecimento de forma passiva, procurando artigos, vídeos e cursos gratuitos e consumindo-os ao máximo. Isso funcionou até um ponto apenas, onde comecei a perceber que algumas das minhas perguntas não estavam sendo respondidas.

Quando isso aconteceu, comecei a perguntar diretamente em alguns fóruns. Comecei perguntando os básicos mesmo, coisa como qual a melhor forma de plano de previdência a se fazer, quais as diferenças entre os títulos do Tesouro Direto, etc. Afinal, não existem perguntas idiotas, certo?

Minhas expectativas foram espatifadas: usuários cansados de martelar a mesma resposta para novos membros responderam de forma grosseira e sem detalhes, ecoando a clássica máxima das finanças de “vá estudar, faça o dever de casa antes de perguntar.” E em alguns lugares, esta máxima é tão famosa que chega a ser cômica, virando um clássico de “sardinhagem.”

Onde este choque inicial tiraria o desejo de muitos em aprender, eu tirei uma grande lição: não deixe que a resposta de alguém julgue a sua inteligência. Quem te respondeu apenas julgou sua pergunta.

Pensando nisso, quando hoje vejo algumas perguntas ingênuas sendo feitas em fóruns de investimentos, me coloco na situação de quem pergunta e imagino se há algum fundamento faltando para eles.

Pergunta ridícula ou ingênua? As vezes não dá para julgar

Se isso já aconteceu ou acontece com você, aqui está uma boa notícia: ninguém realmente irá julgar o seu conhecimento pessoal.

Uma realização importante: ninguém se importa

Muitas vezes fazemos ou deixamos de fazer alguma coisa em prol do nosso próprio ego, que consulta os arredores para saber o que as outras pessoas fariam ou como elas nos julgariam. Podemos ver este efeito “manada” quando um crime acontece em meio a uma multidão mas nada é feito para impedí-lo.

Nosso “medo” de parecermos ignorantes em meio à uma multidão sofisticada de investidores, porém, é muitas vezes sem embasamento. A verdade é essa: quase sempre ninguém se importa com o que você sabe ou é. Isso é um fato empoderador, pois libera você de qualquer suspeita de julgamento alheio. Você não precisa temer a resposta para uma pergunta, seja ela ingênua ou não, pois na maior parte das vezes as pessoas simplesmente não têm tempo para julgar você; elas mal têm tempo para fazer suas próprias tarefas no dia.

Controle do ego e disciplina: a chave para persistir

Se você possui o desejo de aprender, de se desenvolver pessoalmente, o conceito-chave aqui novamente é disciplina.

Quando você toma controle do seu ego, perde o medo do julgamento alheio e resolve agir embora os sentimentos de medo e possível vergonha, está racionalizando a situação e agindo para o seu próprio bem, aplicando o conceito poderoso do estoicismo para o aprendizado.

É colocando estes dois conceitos – disciplina e controle – em nossa rotina de aprendizado e investimentos que podemos combater o nosso desencorajamento quando nos falta a motivação. É saber que, não importa a situação, devemos nos policiar e garantir que nossas necessidades financeiras – ganhar dinheiro, economizar, investir a diferença e nos aperfeiçoar – continuam funcionando em 100% para nos trazer benefícios.


Você já passou por uma situação onde alguma coisa te tirou a vontade de aprender mais? Como lidou? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor


Photo by Felicia Buitenwerf on Unsplash

9 comentários sobre “Você tem medo de aprender?

  1. Acho que não é bem medo de aprender. O medo é sair do Ponto Zero, a comodidade.
    Tem uma outra frase, acho que da Natalie Portman. Ela fala algo mais ou menos assim: “eu não amo estudar, eu amo é aprender”. O negócio é qd coloca obrigação e uma metodologia não muito didática/lúdica

    Curtido por 1 pessoa

    1. Já passei quando tentei ser desenhista: chacotas, zoações, piadas da galera experiente.

      Não desisti de aprender cada vez mais. Por mais que tenha ficado meio chateado no momento.
      Mas algumas pessoas me apoiaram e instruíram também, isso foi muito bom!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Fala Bruno!

        Eu sinto sua história, quando tentamos começar alguma coisa nova, sempre haverão pessoas para nos contradizer, seja por inveja ou puramente ignorância. Bom saber que você se manteve, esta é a chave para o sucesso.

        Abraços e seguimos em frente!

        Curtir

    2. Fala Dividendos!

      Legal a frase, cara. Realmente sair da inércia é um grande problema também, muitos se conformam com aquilo que já se tornou a rotina deles. Mas eu acho que isso é parcialmente encorajado pelo medo de aprender; todos preferem uma situação previsível no fim das contas.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  2. Pingback: As cinco dimensões da riqueza – Pinguim Investidor

  3. Pingback: As cinco dimensões da riqueza – Vida Rica

  4. Pingback: Como começar a usar o Linux plantou a semente do meu sucesso – Pinguim Investidor

  5. Pingback: De quem você obtém seus conselhos financeiros? – Pinguim Investidor

  6. Pingback: Como funciona a margem de segurança nos investimentos? – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s