Conhecer o seu dinheiro é o primeiro passo para se tornar financeiramente independente

O caminho para a independência financeira pode ser dividido em três grandes fases principais: o despertar, a acumulação e a realização. Cada uma delas representa um estágio de maturidade do investidor, e as prioridades variam entre um e outro. Como um leitor ávido de história do mundo, eu sempre tive uma admiração pela primeira fase do despertar; como as pessoas descobrem o FIRE, a educação financeira, o que abrem os olhos delas?

Na minha opinião, é nesta fase do descobrir que o resto da jornada FIRE da pessoa é traçado, pois é quando os objetivos e os drivers que motivam as pessoas são traçados e – igualmente importantíssimo – sonhados. Mas para que a jornada comece, é necessário saber onde você se encontra no caminho para começar. Quão longe você está da linha de chegada? Será que você precisa “arrumar a casa” antes de sair e pegar a estrada?

Hoje venho a compartilhar mais uma história pessoal do Pinguim Investidor e falar mais sobre o meu próprio momento de despertar do FIRE e uma lição importantíssima que eu aprendi com isso: conhecer o seu dinheiro é o primeiro passo para aprender atingir a independência financeira.

Como ter conhecimento da sua situação financeira é a melhor forma para iniciar a sua jornada para o FIRE? O que podemos aprender com isso? Vejamos a seguir.

Pinguim Investidor descobre o FIRE: como conhecer seu dinheiro pode te transformar

Em 2016 eu tinha quase zero de educação financeira total. Sempre tive desde criança um espírito frugal e gosto para economizar dinheiro, mas a verdade é que eu não ligava muito para o que acontecia uma vez que ele acumulava na conta. Naquela época eu tinha uma influência forte da idéia que ter dinheiro demais corrompia as pessoas, e que a desigualdade de riqueza era a causa raíz dos problemas do mundo.

Não chegava a ter aversão ao dinheiro (sempre gostei de ganhar mais dele), mas meu “descuido” dele era tanto que eu nem sequer sabia quanto tinha na minha conta. Eu tinha gastos mínimos, portanto tinha certeza que era suficiente para sobreviver, mas qualquer um que me parasse e perguntasse o quanto eu tinha não obteria uma resposta concreta. Minha negligência ao dinheiro era tanta que eu nem sequer sabia o quanto eu ganhava exato de salário! Sim, era assim mesmo… eu não sabia o quanto eu ganhava por mês!

Quando o ano mudou, tive a experiência de estar desempregado, e finalmente fui forçado a checar as minhas contas pela primeira vez desde que a abri, e ver como estava a minha situação financeira. Minha primeira reação foi de choque: minha frugalidade, combinada com um “auxílio” recebido de rescisão de contrato, havia deixado minha conta bancária muito maior do que eu imaginava. Aquele foi o primeiro ponto que mudou meu modo de pensar; de repente eu tinha dinheiro o suficiente para me considerar rico o suficiente para começar a me importar com ele – eu me senti rico pela primeira vez.

Olhando para trás hoje, esta quantia não era nada extraordinária, mas para mim foi o suficiente para começar a colocar algumas questões no lugar para começar a me guiar dali para frente. Questões como: o que eu faço para manter meu dinheiro crescendo mesmo quando estou desempregado? Como reduzo meus custos de vida para que as minhas finanças não sofram tanto com esse downtime? O que eu poderia fazer para que o meu dinheiro se multiplique?

Naquela dia, olhando a minha conta bancária pela primeira vez em vários anos, tive a oportunidade para conhecer meu dinheiro pela primeira vez, e criei uma base para poder traçar os primeiros passos em direção à independência financeira no futuro – mesmo que eu ainda não tivesse uma boa educação financeira.

Raio-X da sua vida financeira: não fuja daquilo que ele revela

Embora minha experiência em conhecer o meu dinheiro, saber exatamente o quanto eu tinha e quanto entrava e saía da minha conta abriu meus olhos para o conhecimento, alguns podem contestar que o meu caso foi raro, que fui privilegiado em não começar “do zero” ou com alguma forma de dívida ou financiamento.

Novamente, cada um começa sua jornada financeira em lugares diferentes, mas não dar esta investigada inicial por receio de um resultado ruim não pode ser aceitado. Conhecer o seu dinheiro é a base inicial de todo o seu planejamento financeiro, e começa com um Raio-X financeiro da sua vida. E se você nunca fez este exercício antes, eu altamente o recomendo.

Comece procurando saber exatamente onde se encontra o seu dinheiro, na sua conta corrente, poupança, e em qualquer outra conta que você possa ter aberto no passado para algum empregador específico. Se é casado, pode também somar as quantias do cônjuge se preferir. Este é o quanto você possui líquido atualmente.

Ficou surpreso com o resultado? Esquecemos de “somar tudo” que temos, e muitas vezes tendemos a estimar por baixo. Este exercício sozinho nos beneficia como achar dinheiro no bolso de uma calça jeans, e nos traz esperança e motivação para continuar. Você não está no zero, você já conseguiu avançar alguma distância na jornada, agora deve apenas se orientar para seguir no caminho certo.

Em seguida, calcule o quanto você possui em relação a ativos e passivos. Some o valor de qualquer investimento que você tenha atualmente, seja previdência, produtos bancários que você investiu, imóveis etc. Desconte deste valor quaisquer dívidas e financiamento que você possui. Você está pagando alguma fatura de cartão de crédito retroativas? Parcela da casa? Todas são dívidas que devem ser sanadas.

Esta é a parte que pode se tornar dolorosa dependendo das suas finanças, mas a verdade é que a informação que este exercício revela é crucial – um literal Raio-X Financeiro. Ao colocar lado-a-lado os seus ativos contra seus passivos, você tem uma medida da sua saúde financeira geral: quanto dinheiro entra vs quanto sai da sua vida.

Não fique desencorajado se você descobrir que atualmente seus passivos pesam mais que os ativos causando você perder dinheiro; este resultado justamente mostra para você onde você deve concentrar seus próximos esforços para melhorar sua saúde financeira. Agradeça por ter conseguido descobrir onde seus problemas se encontram, e foque em eliminar as causas.

Se você não controla o seu dinheiro, ele controla você

Se você fez o exercício descrito anteriormente, parabéns: você acabou de dar o primeiro passo para o seu desenvolvimento financeiro pessoal. Você conseguiu tomar conhecimento sobre onde está o seu dinheiro, qual é a alocação dele, e agora provavelemente possui algumas perguntas na sua mente sobre como você prossegue a partir daqui.

Estas perguntas são necessárias para planejar o seu caminho a partir de agora, e suas respostas virão da forma de educação financeira. Como ganho mais dinheiro? Como pago minhas dívidas? Como começo a investir? Estas perguntas são comuns, e meu conselho mais abrangente aqui é: leitura. Respondo algumas destas perguntas aqui no site, e a parte de Leitura Recomendada oferece outros recursos que me ajudaram no caminho.

Como um conselho prático, se você está começando agora recomendo que você comece a tomar controle da sua situação financeira através de um orçamento mensal. Neste processo, você vai aprender como seus gastos estão estruturados e poderá fazer mudanças neles para conseguir economizar mais dinheiro no futuro. Comece anotando todos os seus gastos mensais e categorizando-os. Não é necessário manter um controle apenas nessa fase de pesquisa, mas analize os resultados ao fim do mês: o que você poderia reduzir no orçamento? Onde você tem gastos supérfluos?

Fazer (e seguir!) um orçamento é a maior forma de controle sobre o seu dinheiro, mas requer uma certa disciplina. E como já havia falado anteriormente, se você não controla o seu dinheiro, ele controla você.


Quando que você começou a conhecer o seu dinheiro efetivamente? O que você descobriu com isso? Você acha que sua vida financeira melhorou depois de tal descoberta? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

13 comentários sobre “Conhecer o seu dinheiro é o primeiro passo para se tornar financeiramente independente

  1. Ótimo post, Pinguim.

    A fase do Despertar foi a que eu mais aproveitei até o momento, pois comecei a consumir todo e qualquer tipo de informação relativo à Educação Financeira. Me senti um ridículo no início, afinal, não sabia nem o que era Taxa Selic ou CDB. Ações? Pensava que só rico tivesse bala na agulha pra comprar. Enfim, estou há quase 2 anos estudando bastante, seja por Youtube, blogosfera ou sites educativos sobre finanças e não deixo de estudar um dia sequer rs, esse negócio é viciante, né?

    Agora estou na fase onde estou dando início, de fato, ao plano de acumulação. Vou tentar “curtir” a jornada, sem ficar bitolado, sem deixar que a frugalidade ocupe o lugar do bom senso. Enfim, foco no PROCESSO, a colheita será consequência.

    Abraço e feliz 2020. (Te adicionei ao meu Blogroll).

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Colheita de Dividendos!

      Obrigado pelo comentário! Eu também achei o “despertar” um dos momentos mais mágicos na jornada FIRE. Tudo era novo, tudo era uma oportunidade para aprender mais e eu devorei dezenas de livros sobre o assunto. Nada mudou em relação ao desejo de aprender, mas é bom olhar pra trás e ver o quanto avancei. Você não sabia o que era CDB? Pensa em mim não sabendo nem quanto era o meu salário! Haha

      Mas você está certíssimo; o foco é no processo, na rotina e no fazer. Os resultados virão naturalmente.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  2. Excelente post, Pinguim.
    Sempre gastei menos do que ganho, desde época de estágio da faculdade. Mas minha fase do despertar eu diria que aconteceu quando eu não estava de fato investindo por pura preguiça, pois era muito fácil transferir dinheiro da conta corrente para conta poupança todo mês. Aí decidi a cuidar do dinheiro investindo em CDB no começo. Hoje em dia já possuo uma certa diversificação e pretendo aumentar ainda mais, através de investimentos no exterior no próximo ano.
    Um excelente 2020!!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá, Garota!

      Legal a sua história, consigo relacionar: antigamente eu nem sabia quando caía de salário na minha conta!

      Mas que bom que você e eu conseguimos este mindset pra um que nos enriquece. Vamos que vamo!

      Um ótimo 2020 e década pra você também!

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  3. Pingback: Estudo de caso #3 – Qual é o custo da independência? – Pinguim Investidor

  4. Pingback: Seguindo sem reservas: contra-exemplo do Mr Money Mustache – Pinguim Investidor

  5. Pingback: Você tem medo de aprender? – Pinguim Investidor

  6. Pingback: Um hábito que mudou a minha perspectiva de vida – Pinguim Investidor

  7. Pingback: Bancos: ruim com eles, pior sem. – Pinguim Investidor

  8. Pingback: É possível ficar rico investindo na poupança? – Pinguim Investidor

  9. Pingback: Quando ser um “contrário” não é vantajoso – Pinguim Investidor

  10. Pingback: Qual é o melhor investimento que você pode fazer hoje? – Pinguim Investidor

  11. Pingback: Como começar a usar o Linux plantou a semente do meu sucesso – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s