Automatizando as partes boas: quais os benefícios de um piloto automático financeiro?

Um conceito que tenho frisado muito nos últimos posts do site é o dos hábitos, e como a influência deles e sua utilização com consciência é a melhor combinação para obter e manter sucesso financeiro a longo prazo sem que você se desgaste emocionalmente no processo.

Como uma demonstração prática deste conceito, assisti a um vídeo do YouTuber Ryan Scribner onde ele ensina sobre cinco coisas que você deve fazer assim que você é pago. São poucos aqueles que planejam seus meses com tamanha precisão, e a disciplina dele é comendável neste assunto; a estratégia de Scribner age como um framework para uma pessoa fazer as coisas financeiramente importantes antes que se caia na tentação de gastar este dinheiro em alguma outra coisa não-produtiva.

O vídeo é direto e reto, e consegue cobrir uma quantidade grande de recomendações para serem seguidas. Quais coisas podemos fazer após o pagamento para garantir que nossos interesses financeiros sejam protegidos?

A rotina pós-pagamento recomendada

Scribner descreve cinco principais atividades que uma pessoa procurando melhorar sua situação financeira deveria seguir assim que receber o salário e antes de começar a gastá-lo com qualquer outra coisa, essencial ou supérflua:

1. Pagar-se em primeiro lugar

Scribner segue a clássica máxima da Finansfera quando se trata de enriquecer: sua prioridade número 1 deve ser sempre pagar-se primeiro quando receber qualquer forma de renda.

Esta estratégia, muito difundida na finansfera e referenciada pela primeira vez no clássico de George Clason O Homem mais Rico da Babilônia, é uma forma de se garantir que, não importa o que aconteça no decorrer do mês, você terá realizado o seu aporte nos seus investimentos. Tal como as outras tarefas descritas no vídeo, pagar-se primeiro é um tipo de Pacto de Ulysses para que o dinheiro, ou pelo menos a parte crucial dele, não seja direcionado errado em casos de tentações grandes.

Um detalhe importante deste ponto é que o “pagamento” em questão pode ter significados diferentes dependendo da sua situação atual, e nem sempre pode ser um investimento de fato: uma pessoa que acabou de começar a descobrir a educação financeira pode estar mais focada em eliminar dívidas ou formar uma reserva de emergência segura, ou até mesmo investir em no seu próprio conhecimento ao invés de acumular ativos diretamente. O fator comum é que contribuem para o seu benefício, e mais de ninguém.

2. Encher o tanque do carro

Scribner recomenda que o primeiro uso do seu salário seja para abastecer o seu carro, enchendo o tanque. Ele explica que o carro é o denominador comum para a sua sobrevivência na cidade, já que (pelo menos nos EUA) é usado diariamente para ir e vir do trabalho, e para basicamente levar você a todos os outros lugares onde precisa cumprir suas obrigações.

Embora eu não concorde com tal dependência e uso intensivo do carro desta forma (ainda mais considerando que não possuo carro), consigo ver a lógica por trás desta proposição: coloque os seus gastos mais importantes primeiro. Pode ser que você também não utilize o carro para ir ao trabalho, por exemplo, então seu gasto mais importante seria outro. Seria o pagamento do seu aluguel ou condomínio? Mensalidade da faculdade ou escola dos filhos? Quitação da prestação do imóvel? Mensalidade da academia ou internet?

Não há uma única resposta correta aqui, senão a priorização. Sem isto, você corre o risco de não conseguir pagar as contas mais importantes quando precisar.

3. Fazer as compras do mês

Construindo no ponto anterior, as compras do mês podem ser a sua “conta” mais importante para pagar, e sua garantia de sobrevivência. Por esta razão, Scribner recomenda que estas sejam sua próxima parada com o salário recebido.

Outro benefício de estocar a geladeira é que você consegue preparar comida em casa ao invés de comer fora, num processo que economiza bastante dinheiro. Muitas vezes, não temos preguiça em cozinhar em si, mas o esforço de ter que ir às compras antes de poder começar a preparar a comida é grande demais e assim nos convencemos a comer fora ou pedir. Ter a comida já estocada na geladeira em primeira mão nos ajuda a eliminar este esforço adicional e nos convencer a cozinhar mais vezes (o custo já foi diluido, afinal).

4. Envelopar o orçamento

Scribner recomenda em seguida trabalhar no orçamento, especificamente materializando-o de uma forma que lhe impossibilite de gastar além do combinado: colocar o dinheiro planejado num envelope.

Nosso amigo Vida Rica já havia escrito sobre esta técnica anteriormente, mas resumidamente ela consiste em depositar a parcela de dinheiro alocada para o mês em envelopes com o nome da categoria escolhida (ex: contas, restaurante, supermercado, lazer, etc). Quando o dinheiro acabar deste envelope, você não poderá mais gastar com esta categoria.

Scribner especificamente recomenda no vídeo que o orçamento de Entretenimento seja envelopado nesta fase, provavelmente por duas razões:

  1. Entretenimento é um tipo de gasto contra qual não temos muito planejamento em antemão (ah, vamos pro cinema ver esse filme hoje? Que legal, fulano me chamou pra ir com ele até o lugar XYZ) e pode variar bastante.
  2. Entretenimento não é um gasto crucial para sobrevivência, e se você orçar “a menos” não terá um impacto muito grande.

Isso não significa que você deve parar por aí; se você tomar prática em envelopar o Entretenimento, poderá prosseguir e praticar a envelopagem das outras categorias também, até pegar disciplina e prática.

Eu particularmente prefiro outro método para controlar o orçamento, que é a quilometragem financeira. Nessa técnica, divido o dinheiro “livre” (não dedicado a nenhum custo recorrente e nem usado para investir) entre os dias que tenho disponível e assim descubro qual é a quantidade máxima que posso gastar por dia sem estourar o orçado para o mês.

5. Pagar suas dívidas, da menor à maior

Por fim, Scribner recomenda que ao final de todas estas outras prioridades, é hora de sanar qualquer dívida que você tem acumulada. Fatura de cartão de crédito, parcelas da casa, do carro e quaisquer outras dívidas deverão ser detonadas ao máximo aqui.

Quando se trata de dívidas, a estratégia geralmente se divide em duas vertentes populares: eliminar as maiores dívidas primeiro contra eliminar as menores. A abordagem que Scribner – e eu – segue é de eliminar do menor ao maior. No fim das contas, a diferença financeira entre esta abordagem e a outra não é muito grande, mas o mais importante está no impacto psicológico.

Ao terminar tarefas pequenas mais rapidamente, você acumula confiança para terminar as tarefas maiores. Assim, as dívidas pequenas pagas se tornam um tique a mais nos seus afazeres financeiros, motivando-o a atacar as dívidas maiores depois.

Quando deve-se automatizar uma tarefa?

A rotina de Scribner nos mostra como um sistema de ações predefinidas com um gatilho é eficiente em combater tentações e momentos de “carne fraca” com o dinheiro na mão. Quando se trata de dinheiro, realmente o ditado de “dinheiro na mão é vendaval” é poderoso, e ter já bem pensado para onde irá afunilar o seu dinheiro é uma das estratégias mais eficientes que você pode fazer.

Eu acredito que todas as rotinas financeiras que jogam ao seu favor devem sempre ser automatizadas. Algumas possíveis rotinas incluem: reduzir tentação de gastar, evitar gastos, pagamento de contas e dívidas, automação ou preparação de investimentos. A automatização funciona bem para quando temos dificuldade para arranjar disciplina ou motivação, ou na possibilidade de nos esquecermos de fazer as coisas benéficas para nossas finanças.

Por estas razões, por exemplo, é que eu coloco minhas faturas de cartões de crédito em débito automático. Algumas pessoas contestam que este hábito tem possíveis riscos de segurança, já que não estaria checando a fatura, mas a possibilidade é pequena, já que não faço muitas compras online (reduzindo minha exposição), e a detecção de fraudes é efetiva. Além disso, por contabilizar cada gasto que tenho, consigo sempre rastrear quanto de dinheiro ainda tenho sobrando no mês. O risco de perder o pagamento da fatura tem impactos maior que o da segurança.

A rotina do Pinguim pós-pagamento

Que melhor forma de terminar um post destes do que mostrando a minha própria rotina pós-pagamento? Eis um preview de algumas das coisas que eu faço, em ordem livre:

  • Comparar o saldo da conta corrente com o aporte do mês anterior
  • Calcular qual porcentagem pode ser investida, tomando em consideração o saldo na reserva de emergência também
  • Pagar a mim mesmo via investimentos
  • Analisar a alocação do portfólio
  • Planejar as compras do mês
  • Pagar as contas do mês

Entre outros.

Qual é a sua rotina após pagamento? Qual é a primeira coisa que você faz com o salário? Você literalmente se paga primeiro ou faz outra coisa? Escreva nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor


Photo by Sharon McCutcheon on Unsplash

7 comentários sobre “Automatizando as partes boas: quais os benefícios de um piloto automático financeiro?

  1. Obrigado pela citação, Pinguim!
    Eu costumo fazer assim: investir o valor previsto daquele mês, pagar todas as contas. As despesas do mês pago no cartão de crédito, e vou controlando por ordem de grandeza. Tenho uma noção de quanto posso gastar no mês, e me controlo pra ficar na média. Caso aconteça algum imprevisto que precise gastar mais, uso a RE para ajudar a pagar a fatura do mês seguinte.
    Por enquanto tem caminhado bem desse jeito. E também simplifica na hora de pagar as contas.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Marcelo!

      De nada, cara. Obrigado por compartilhar a sua rotina pós-pagamento!

      É bem parecido com como eu penso também. Pra mim é importante ter esse tipo de controle e também prestar atenção na reserva de emergência. Procuro nunca precisar tocar nela, e a porcentagem alocada sempre deve estar constante. Se num mês gastei parte dela, o mês seguinte terá prioridade recompô-la, não investir.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Pingback: "Não é suficiente, então não vale à pena." – Pinguim Investidor

  3. Pingback: Um hábito que mudou a minha perspectiva de vida – Pinguim Investidor

  4. Pingback: O primeiro passo para você se tornar realmente rico – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s