A Selic caindo e a pedra rolante

Recentemente foi oficializado que a taxa Selic foi reduzida novamente, desta vez para 6%, com especulações que esta seja reduzida ainda mais para 5% futuramente. As massas começaram aquele movimento de pânico e especulação como não sabendo o que esperar do tesouro direto. Devo vender? O que comprar? Qual é a melhor rentabilidade a curto prazo agora?

Os mais centrados deram um momento para deixar a racionalidade tomar conta novamente e pensarem que este ciclo não é diferente da realidade da bolsa, e que juros e outras políticas monetárias são igualmente variáveis.

Um vídeo do Rafael Seabra, porém, tomou uma direção diferente à da especulação, e mostrou um caminho diferente. Inicialmente falando sobre a rentabilidade da antiga poupança vs o Tesouro Direto, ele nos informa que não há porque se afobar por causa desta mudança, ainda mais porque a poupança antiga é um investimento que nunca mais poderá ser feito.

Ainda assim, ninguém gosta de ver rentabilidade da carteira caindo. O que se pode fazer neste caso? A resposta é: continuar em movimento com a mudança.

Aborde a mudança com jeito certo

No meu trabalho, mudanças são frequentes e a gestão delas é um desafio grande. Durante o meu tempo aqui, aprendi que só existe mesmo uma coisa que é constante na vida: a mudança. Aqueles que buscam deixar tudo constante e bloquear qualquer tentativa de mudar o sistema acabam ou sucumbindo ou se estressando demais desnecessariamente.

Assim, uma lição que aprendi no meu tempo aqui é que quando a mudança bate, bater de frente e resistir é uma das piores coisas que podem ser feitas. O resultado é como uma onda se chocando contra os corais: a onda não é impedida de entrar, e isso só resulta na erosão da rocha ao longo do tempo.

É muito mais produtivo se adaptar com a vinda da mudança e, ao invés de resistí-la de frente, moldá-la à situação atual e “guiá-la adentro” num movimento de absorção e assimilação, tal como o movimento ondular do Tai Chi Chuan.

O Tai Chi utiliza o movimento do adversário contra ele mesmo, alternando entre absorver e direcionar a energia nas horas certas e, assim, gerando impacto mínimo para o praticante. Trazendo esta filosofia para lidar com as mudanças, isto é o equivalente a pegar idéias novas, analisá-las e assimilá-las à sua filosofia atual.

Com este approach modular e flexível, podemos encarar mudanças de maneira inteligente e sem danos ao nosso modo de vida.

Aplicação nas finanças

Com a mudança na Selic, somos apresentados a mais uma questão: o que fazer agora com a renda fixa? Com este mindset de flexibilidade e adaptação, podemos dar tempo à questão e pensar racionalmente.

Vale a pena entrar mais na renda variável, mas não precisamos bruscamente vender e recomprar tudo e pagar um spread absurdo no processo. Podemos “absorver o impacto” desta mudança estudando gradativamente quais investimentos se valorizam com a queda dos juros e os seus respectivos riscos envolvidos, e aí sim em seguida irmos nos posicionando mais estrategicamente e assimilando os impactos da mudança.

Nossos fundamentos, como uma reserva já feita no tesouro Selic ou na renda fixa, não estaria mudando, mas sim incorporando novos aprendizados e reformando-os assim para melhor adaptar à situação. E com uma análise própria de risco realizada, não temos por que saltar do barco guiado pelo pânico e outras emoções da bolsa como sardinhas.

Uma lição meio musical

Este conceito de adaptação me lembra um ditado Inglês que caracteriza bem o conceito da mudança e a adaptação:

A rolling stone gathers no moss

As pedras que se assentam no banco dos rios acumulam limo com o tempo que passa, mas aquelas que se mantém dinamicamente conseguem escapar deste destino.

E assim também na vida: é sofrendo mudanças, aprendendo e se adaptando que evoluímos e constantemente nos melhoramos. Faça a escolha certa hoje, e opte pela pedra lisinha, que ao invés de lutar contra a correnteza e acumular limo e bagaço, se molda com a mudança e sempre se renova.

E, incidentemente, sim: este ditado é a origem do nome de uma banda bem conhecida.


E você, como encara a mudança no seu cotidiano? O que vai fazer agora com a Selic em queda novamente? Me informem nos comentários.

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

Anúncios

7 comentários sobre “A Selic caindo e a pedra rolante

  1. E aí, meu caro!

    Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar sobre educação financeira é não seguir a manada. Portanto, não vou mudar minha estratégia por conta da redução da SELIC. A economia é cíclica e logo vem outra crise, forçando um aumento da SELIC. Manterei minha estratégia de 40% em ações, 20% em FIIs e 40% em RF independentemente da situação econômica local ou global.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Olá, EP! Valeu pelo comentário!

      Não seguir a manada é o passo número 1 para fugir da média e se tornar extraordinário, parabéns pela escolha.

      É até cômico pra gente ver do nosso ponto de vista como o pessoal realmente se comporta como um rebanho, e as notícias funcionando como os vaqueiros colocando todo mundo em ordem. Eu mesmo quase não tinha investimento atrelado na Selic (a maioria do meu TD é IPCA), então quase não senti essa mudança.

      Boa alocação essa aí, eu ainda estou rebalanceando a carteira pra chegar nos 40-60 RF-RV.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Léovando a Vida

    Fala Pinguim, blz?

    Hoje já consigo encarar as mudanças de uma forma mais sossegada, mas já estive do outro lado, o lado do enfrentamento, de resistir e no final adquirir um desgaste tanto mental quanto físico.

    Agora, busco entender como posso me beneficiar da situação e quando necessário, reformulo de acordo com a atualidade. Em algumas ocasiões, sofremos e nem ao menos somos atingidos pela tal mudança. É como se tivéssemos a necessidade de nos manter preocupados sempre.

    Hoje procuro lidar com frieza, e em relação aos investimentos, mantenho o foco no meu objetivo. Com ou sem redução de taxas o foco deve ser alcançado. Encaro-os como obstáculos que enfrentamos em qualquer desafio que escolhemos trilhar.

    Abraço.

    Léovando a Vida

    Curtido por 2 pessoas

    1. Olá, Léo! Obrigado pelo comentário.

      É preciso ter uma certa frieza mesmo pra lidar com mudanças. Quem deixa a emoção esquentar e bate de frente é ultimamente quem sofre mais com mudanças súbitas, dentro e fora dos investimentos.

      Força aí com os aportes!

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  3. Pingback: FIRE no futuro: como acertar um alvo móvel? – Pinguim Investidor

  4. Pingback: Onde você lastreou sua felicidade? – Pinguim Investidor

  5. Pingback: A importância de começar – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s