Resenha do Pinguim #6 – The 10X Rule de Grant Cardone

Hora de mais uma resenha de livro, desta vez de uma figura que alguns meses atrás mencionei rapidamente como um palestrante motivacional e que treinava equipes de vendas nos EUA: Grant Cardone. Desde então, passei a acompanhá-lo bastante em seu canal no YouTube, o suficiente para que pudesse pegar alguns de seus conceitos-base e resolver me aprofundar em um de seus livros. Os ensinamentos dele foram sólidos para firmar a filosofia sobre um conceito: sucesso.

O que é o sucesso pra você? É um destino, como a linha de chegada lá no final da corrida? Ou seria algo dinâmico, como o horizonte, que nunca se alcança, mas se transforma a cada passo que você dá? A sua percepção pessoal sobre o sucesso faz a diferença entre você alcançá-lo ou não.

No livro The 10X rule: the only difference between success or failure (versão em Português aqui), Grant explica que, quando o assunto é sucesso, a maioria das pessoas fracassam por simplesmente não pensarem e se prepararem em escalas grandes o suficiente, ou, em outras palavras, como 10X.

Pensando 10X mais

A maior parte das pessoas pensam em objetivos humildes e pequenos, visando serem “realistas” e só planejarem aquilo que têm 100% de certeza que poderão entregar. Segundo Grant, esta é a razão pela qual a maioria das pessoas falham no mundo de hoje, e é a causa da falha por dois motivos.

O primeiro motivo é que ao planejar objetivos pequenos e pouco ambiciosos, estamos cortando o nosso potencial para atingir objetivos melhores, muitas vezes por medo do fracasso. Nós não queremos, por exemplo, fazer uma promessa ambiciosa somente pra depois descobrir que não conseguiremos atingí-la e assim nos desapontar ou desapontar os outros.

Porém, sem essa ambição extra, sem os horizontes para onde expandir, acabamos limitando a nossa capacidade com uma barreira mental. Quando estamos fazendo um “compromisso” de atingir um objetivo com nós mesmos, também não temos nada a provar para ningu[em, então não podemos ter medo de falhar. Além disso, quem fracassa visando atingir um objetivo ambicioso, quase que impossível, é bem mais sucedido que alguém que sucedeu buscando algo medíocre.

O segundo motivo é que enquanto muitos podem aspirar à uma meta grande, são poucos os que percebem que é necessário um igualmente grande esforço para alcançá-las. Todo mundo quer ser rico, bem sucedido, ter a casa e o carro dos sonhos, mas os esforços que eles fazem para alcançá-los não está alinhado com tais objetivos. Muito pelo contrário, os esforços se alinham perfeitamente com seu padrão de vida atual, e eles se questionam porque nunca nada muda.

10X (eu pronuncio ten ex, mas acho que ten times também tá valendo) quebra este ciclo vicioso introduzindo o conceito de planos e ações elevados a níveis extraordinários. Simplesmente falando, você deve criar metas que são 10 vezes maiores que os seus planos atuais, e aplicar um esforço 10 vezes maior para conseguir atingí-las.

Você quer ser rico? Milionário? Jeito errado de pensar. Você deve traçar como objetivo de vida ser decamilionário. R$10 milhões ou mais.

Quer conseguir uma renda passiva de R$5000 e comprimir o custo de vida ao máximo pra conseguir caber no orçamento? Errado. Sua renda passiva deve ser de no mínimo R$50000.

Ter estas ambições é bom, mas usar apenas metade da 10X Rule não adianta; você deve acompanhar estas metas 10X com esforço 10X para realizá-las. Isso significa, por exemplo, que você pegar o seu plano de acumular 1 milhão de reais e ampliá-lo para captar 10 milhões. Fazendo as contas, são R$41700 por dia útil ou R$4630 por hora de trabalho por ano.

Mas peraí, não seria muito imprudente jogar todos os valores pra cima, trabalhar como um condenado e ter um risco altíssimo de não suceder no objetivo? Talvez seja um pouco, sim. Mas como falamos anteriormente, é melhor falhar na busca de um objetivo grande e ambicioso do que suceder em objetivos medíocres. Além disso, 10X não acredita em objetivos estáticos como uma linha de chegada. Seus objetivos devem estar em constante movimento, como veremos a seguir.

Sucesso é algo que se conquista e se mantém

O segundo ponto de Grant neste livro é que o sucesso não é uma coisa finita, nem constante. Para você ter sucesso regularmente, você precisa manter este sucesso, e a única forma que se pode fazer isso é constantemente obtendo mais sucesso na vida. A analogia dele é a da grama no jardim. De nada adianta você cortá-la uma única vez e dizer que alcançou o seu objetivo; ela vai crescer novamente e daqui a algumas semanas terá que cortá-la de novo se quiser manter o jardim.

Com o sucesso é a mesma coisa; quem se acomoda depois de ter chegado a um certo objetivo logo irá perder todo o sucesso que conseguiu alcançar. Segundo Grant, é apenas através da filosofia 10X que conseguimos consistentemente nos colocar num patamar que estaremos sempre nos desafiando a cada dia. Novamente, é o planejamento aumentado, com objetivos ambiciosos beirando o impossível e a carga massiva de ação que segue para realizá-los que permite a gente a continuar a procurar o sucesso constantemente.

Neste ponto, parece que eu entro em conflito com o movimento FIRE e a filosofia de tentar “zerar o jogo” o mais rápido possível, mas é o contrário. Independência financeira não necessariamente significa que você deve parar de trabalhar, e eu acredito que qualquer trabalho ativo investido que aumente a renda passiva é comendável.

Faça dos objetivos os seus horizontes, e não a linha de chegada!

O medíocre é incompatível com o extraordinário

Grant é especialmente rígido na questão do medíocre, das ações medianas e do modo mediano de pensar. A obsessão, segundo ele, precisa ser parte da sua rotina para que você saia da mediocridade e alcance o sucesso. Eu não poderia concordar mais com esta filosofia, pois acredito que é impossível alcançar resultados extraordinários praticando e seguindo o pensamento da média.

Grant alerta que o mindset medíocre é incompatível com os objetivos 10X. Quando embarcamos em algum projeto na escala 10X, é comum, por exemplo, sermos atacados por críticas e desencorajamento de outras pessoas não-alinhadas com esta linha de pensamento. Estas pessoas não necessariamente nos desejam algo de ruim ou nos invejam, mas simplesmente desconhecem este tipo de mindset, e querem até mesmo nos proteger de algo ruim que possa acontecer por nos dedicarmos demais a algum objetivo.

Vá com calma, cara, não vá arriscar tudo o que tem. Você tem trabalhado demais, não está na hora de parar um pouquinho? Don’t beat yourself up!

Quem nunca ouviu algum “conselho” desses na vida? Mesmo que a intenção por trás da pessoa seja genuína, o efeito que tais conselhos têm é destrutivo, portanto devem ser rejeitados em prol da filosofia 10X em acompanhar objetivos ambiciosos com esforços massivos.

Ninguém nunca conseguiu ser extraodrinário sem sair do âmbito do mediano ou medíocre. O medíocre é incompatível com o extraordinário!

O tempo é agora

Grant afirma que, para as pessoas bem-sucedidas, só existem dois tempos: o ‘agora’ e o ‘futuro.’ Essa afirmação parece um pouco confusa no começo, mas lendo o livro fica claro como essa idéia binária entre o imediato e o futuro longe se alinham com a idéia do 10X.

Para Grant, a maioria das pessoas que planejam objetivos grandes mas não sucedem fracassam num único ponto: elas não começam a atuar imediatamente. Os objetivos estão traçados e bem definidos, mas ao invés de tomarem ação para começar a alcançá-los imediatamente, elas param e pensam sobre o planejamento para atingí-los.

E aí, ao pensarem demais, complicarem as ações necessárias, e colocando barreiras artificiais entre o objetivo e si mesmas, acabam se paralizando e eventualmente desistindo.

A solução é simples. Segundo Grant, basta começar a agir o mais rápido possível fazendo as coisas necessárias para alcançar o objetivo o mais cedo possível. Ora, mas e o planejamento? Não é necessário um plano de ação para seguir na direção certa e evitar o caos? Neste ponto, Grant ecoa as minhas palavras sobre agilidade: você deve planejar enquanto realiza suas ações e mede seu feedback.

Teve uma idéia de negócio para ganhar dinheiro de alguma forma? Materialize-a. Depois você verifica se está dando certo ou não. Teve uma idéia de alguma coisa pra escrever, um blog pra criar? Escreva. Depois você se preocupa se vão achar bom ou ruim. Se você não tiver esta agilidade e disposição para dinamicamente avaliar suas ações, poderá ficar preso eternamente nas decisões.

O tempo para alcançar as metas 10X ambiciosas é o futuro. O tempo pra atuar em direção à elas é agora.

O seu sucesso é o seu dever

Finalmente, uma mensagem importante de Grant no livro é o conceito de que o sucesso é, primeiro de tudo, o seu dever (success is your duty). O apelo do livro é que não importa o quanto tentemos delegar ou culpar o sucesso ou fracasso nas outras pessoas e fatores externos a nós mesmos, não há nenhuma outra pessoa responsável pelo sucesso ou falha de nossas ações senão nós mesmos.

Este conceito é crucial e tem vários pontos em comum com os que o Mark Manson escreveu em The Subtle Art of Not Giving a Fuck, minha primeira resenha, onde o autor afirma que para uma vida melhor, é necessário aceitar que você é a causa de todos os seus problemas (e sucessos também). Grant ecoa Manson neste ponto, avançando ainda mais ao ponto de aceitar que todas as coisas que acontecem na sua vida – incluindo as coisas que não temos nenhum poder sobre, como a chuva ou o trânsito – são causadas por ele e ele apenas. Um pouco extremo, talvez?

A transformação obtida por este mindset é crucial por causa de um único fator: ao mudar o ponto de vista, você passa a não mais se considerar uma vítima, e se torna responsável a tomar ação ao invés de reclamar. A lição que fica é que a ação precisa acontecer para se obter os resultados. Você não irá a nenhum lugar se vitimizando e achando que o universo está conspirando para te pegar. Não espere a vida acontecer; faça a vida acontecer pra você.

Success is your duty!

Conclusão

Grant explica o seu mindset e alguns dos seus artifícios psicológicos para suceder na vida e nos negócios neste livro de uma maneira simples: aumente seus objetivos 10 vezes, e aplique ações igualmente grandes para alcançá-los. Ao contrário do seu outro vídeo que assisti anteriormente, eu acredito que 100% dos seus conceitos aqui são aplicáveis para qualquer um que visa suceder no mundo atual.

A parte de pensar grande pode ser um pouco difícil para entrar na cabeça da maioria das pessoas, parte por conta do condicionamento que temos desde pequenos a pertencer à média, fazer parte da maioria e não crescer nossas ambições, mas uma vez que explicado, não há como negar mais. Os nossos objetivos são nossos horizontes – nós devemos estar constantemente expandindo-os para conseguir ir cada dia mais longe na jornada.

Por último, ele fecha o livro relatando uma história pessoal, a-lá skin in the game, sobre como ele mesmo aplicou 10X a si mesmo buscando o que muitos chamariam de objetivo final da vida: ser conhecido por 6 bilhões de pessoas no mundo inteiro. Este objetivo 10X (ou 100X, até 1000X, talvez) envolveria convencer e participar nos maiores canais de mídia e ganhar espaço nas mídias sociais saturadas, e não seria nada fácil. O simples fato que o livro dele me encontrou é prova viva que a metodologia funcionou, e assim, pode funcionar com qualquer um.

Você está esperando o quê pra começar?


Você já traçou seus objetivos hoje? Lembre-se de pensar grande na próxima vez que planejar!

Abraços e seguimos em frente!

Pinguim Investidor

6 comentários sobre “Resenha do Pinguim #6 – The 10X Rule de Grant Cardone

  1. Pingback: O que você tem feito pelos seus dois melhores amigos? – Pinguim Investidor

    1. Olá, Barcellos.

      Isso é muito verdade. O passo mais difícil é se convencer a trocar o mindset, de que o objetivo é real e vale a pena ser atingido. Muitas vezes, procuramos ter uma situação mais segura mas deixamos de traçar horizontes ambiciosos e sucumbimos assim.

      Abraços e seguimos em frente!

      Curtir

  2. Pingback: O dinheiro é igualmente verde para todos – Pinguim Investidor

  3. Pingback: Onde você lastreou sua felicidade? – Pinguim Investidor

  4. Pingback: O pacto de Ulysses na Independência Financeira – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s