A importância do Mindset da Abundância para o enriquecimento

Recentemente, assisti o filme The Founder, que narra a história do lançamento do McDonald’s como a maior franquia de fast food do mundo através da intervenção de Ray Kroc, que apadrinhou o restaurante e se autoentitulou “fundador.” O filme passa uma mensagem que talvez seja polêmica para alguns (foi necessário ganância para decolar o negócio, os sócios originais foram traídos, etc), mas ainda assim recomendaria a aqueles que visam abrir um negócio próprio para buscarem inspiração.

Este post, porém, não é uma resenha, e por isso quero focar em outro assunto mais importante, abordado pelo filme durante algumas cenas: o mindset de abundância, e como isso é crucial para o enriquecimento individual.

A maneira que você enxerga o dinheiro é importante

O mindset é o conjunto de regras básicas que você segue na hora de observar, analisar e reagir a situações no cotidiano. Todos temos um pré-construído a partir das nossas experiências de vida. O importante é perceber se o nosso mindset nos leva para uma situação melhor de vida, ou se ele é destrutivo.

A maneira de se relacionar com o dinheiro é parte do nosso mindset também, e na maioria das vezes já vem pré-programada por conta de influências ou traumas na vida. De maneira curta e grossa, se você não acredita no dinheiro e na riqueza de forma positiva na vida, este mindset influenciará suas ações para que você acabe não enriquecendo.

É o caso das pessoas que pensam que o dinheiro é a raiz de todo o mal do mundo, que os ricos são corruptos e mau-caráter, ou que o dinheiro foi feito para ser gasto hedonisticamente assim que o obtém nos prazeres imediatistas. Uma forma de pensar assim não levará o indivíduo à riqueza.

Claro, já se foram escritos incontáveis posts sobre este assunto na finansfera. O que não ouço falar muito, porém, é de uma outra faceta do mindset do dinheiro que é igualemente importante: para você, o dinheiro é um recurso abundante ou escasso?

O dinheiro é abundante, mesmo que não aparente

Quando eu estava na sexta série, minha escola estava fazendo uma campanha e recolhendo doações em dinheiro ou alimentos não-perecíveis. A caridade era uma daquelas que você nunca ouviu falar, e que francamente se duvida que as doações realmente vão parar nas mãos de quem ela diz beneficiar, mas isso é um assunto pra outra história.

Observando a situação, meu amigo, num momento de filosofia, traçou a seguinte conclusão:

“Acho que vou criar uma caridade pra mim também. Veja; se todo mundo da sala me der cinco reais, ninguém vai ficar pobre. Eu, por outro lado, vou ficar muito rico!”

E, simplesmente assim, surge o mindset da abundância.

Enxergar a abundância do dinheiro fará a diferença entre enriquecer ou não

Uma das lições que mais me influenciaram do livro Pai Rico, Pai Pobre é que, ao passo que os pobres vêem o dinheiro como escasso e sempre em falta, os ricos sabem que o dinheiro é um recurso abundante, e está pronto para ser colhido pelo empreendedor que conseguir enxergá-lo.

Este fato é evidente na forma que a população, independente da classe, escolhe gastar o seu suado dinheiro nas coisas mais supérfluas que eles foram induzidos a consumir. Por exemplo: chegou sexta-feira a tarde. Onde o brasileiro planeja ir?

  • O rico pede uísque Black Label com gelo, champanhe pra mulher e tábua de frios no seu restaurante favorito com estacionamento com manobrista. Os negócios podem não estar indo tão bem esse mês, os inestimentos terem dado uma boa despencada, mas ele vai estar lá como de costume, porque “ele merece.”
  • O classe média procura o barzinho legal da zona chique da cidade onde vai com os amigos pra dar aquela relaxada e ostentar com os amigos e paquerar. O cartão pode já ter estourado o limite, ter alguma coisa devendo do mês passado, mas ele não quer perder essa chance.
  • O pobre se encontra no boteco da esquina com os amigos e pede aquela Antártica gelada, mesmo sem ter dinheiro ou sabendo que não vai sobrar muito pra depois. Perder a farra é que não pode.

Pode-se substituir no exemplo acima coisas como carro, shopping, roupas de marca, celular, viagens, etc e o comportamento é o mesmo. Esta observação prova que o ditado que “dinheiro não dá em árvore” é, na verdade, quase o oposto: todos possuem dinheiro para gastar quando suas vontades são atiçadas. O dinheiro é abundante, basta apenas começar enxergá-lo.

Quando o dinheiro der em árvores, você estará pronto para colhê-lo?

Termino o post com a música Pennies from Heaven do Frank Sinatra que acredito ter uma mensagem que ressona com a mensagem deste post. Esta música aparece no filme também, e traz a mensagem no momento mais importante do filme. Vale a pena refletir em particular neste seguinte trecho da letra:

You’ll find your fortune

Fallin’ all over town

Be sure that your umbrella is upside down

Abraços!

Anúncios

4 comentários sobre “A importância do Mindset da Abundância para o enriquecimento

  1. Pingback: Educação Financeira #1 – O básico do básico – Pinguim Investidor

  2. Pingback: Resenha do Pinguim #5 – Série Milionários de Thomas Stanley – Pinguim Investidor

  3. Pingback: Estudo de caso #1 – Faca e o queijo na mão, mas ainda sem aptidão – Pinguim Investidor

  4. Pingback: Comentário do Pinguim #3 – Quando vai estar bom para se preparar financeiramente? – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s