5 coisas que aprendi anotando todos os meus gastos por 2 meses

Resolvi recentemente controlar meu orçamento para melhor anotar os aportes mensais. No primeiro mês inteiro, o estudo foi 100% passivo: simplesmente anotava os gastos e separava por data e categoria e arquivava, sem esforço nenhum para controlar. Após um mês de dados arquivados, consegui separar as categorias e tive uma base para melhor conseguir me planejar, onde reduzir, onde aumentar, onde cortar, etc. O segundo mês teve uma aplicação mais ativa, onde eu com meu orçamento em mente resolvi controlar melhor as finanças.

Aqui estão algumas coisas que aprendi neste experimento:

1 – Se você não tem um orçamento, você não tem controle sobre o seu dinheiro

Se você não sabe o quanto gasta, você não sabe com o que gasta. Você não controla o seu dinheiro – o seu dinheiro te controla. Ponto final.

budget fail

2 – Custos de base são altos, mas não imutáveis

Vendo as minhas contas acumuladas, me dei conta que os tais “custos de base” que tanto se falam (aluguel / condomínio, luz, água, gás, celular, etc) não são insubstituíveis.

Posso mitigar meu aluguel fazendo escolhas inteligentes como me mudando para um lugar mais barato. Posso reduzir o supermercado comprando coisas mais simples ou comendo menos (e mais frequentemente). Posso reduzir a conta de celular pegando plano pré-pago, ou até mesmo não tendo um plano de celular. Fácil de fazer? Claro que não. Impossível? Também não.

3 – Diversão nada mais é do que um transporte e uma refeição

Salvo se o lugar pra onde você quer é 100% dedicado ao entretenimento, e de duração curta (ex: cinema, teatro, shows, boliche), qualquer outra forma de “diversão” na cidade grande nada mais é que ir a outro canto da cidade e comer em algum restaurante.

Como você corta estes custos? Levando comida de casa, é claro.

4 – Você não pode mudar o preço do transporte, mas você pode mudar o lugar pra onde vai

Pode fazer a passeata, protesto e black block que quiser; o preço da passagem de ônibus, litro de gasolina, do táxi ou do Uber só tenderá a subir. Mas o que você pode fazer é mudar o local onde você quer fazer as coisas.

Ir a pé ou de bicicleta a locais não tão longes também é uma alternativa altamente efficiente, saudável, e que te economiza bastante – vale a pena considerar se o seu lugar não é muito úmido ou violento.

5 – É possível ter entretenimento e vida social gastando pouco, ou até mesmo nada

Parques, natureza, piquiniques, praças, praias, play do prédio, espaços vazios em shoppings… a lista continua, e seus únicos custos continuam sendo aqueles apontados na lição #3. É só focar na experiência humana e jogar no lixo pra sempre o paradigma que diz que pra se divertir tem que ir pra algum restaurante ou bar.

Meu budgeting continua não sendo perfeito, mas enquanto eu trabalho nele, continuo sempre aprendendo e aumentando o meu controle sobre o meu dinheiro.

E vocês, tem alguma estratégia de orçamentos, ou alguma experiência interessante nesse assunto? Comentem aí!

Abraços!

Anúncios

7 comentários sobre “5 coisas que aprendi anotando todos os meus gastos por 2 meses

  1. Pingback: Orçamentos para quem não gosta de orçamentos – Pinguim Investidor

  2. Pingback: Educação Financeira #2 – Como começar a Investir? – Pinguim Investidor

  3. Pingback: Reflexões: lições após 1 ano de aprendizado financeiro – Pinguim Investidor

  4. Simplicidade e Harmonia

    Pinguim Investidor,

    O orçamento mensal é essencial para sabermos em que estamos gastando. Além disso, é útil revê-lo alguns meses depois com o sentido de reflexão.

    Em vários gastos, haverá interrogações do tipo:
    Por que comprei isso?
    Como tive coragem de gastar tanto com isso?

    Boa semana,
    Simplicidade e Harmonia

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá S&H,

      Concordo. É apenas através de um orçamento que, como diz o Rafael Seabra, temos o nosso “Raio-X da vida financeira.”

      Quantas vezes eu já não cheguei no fim de algum mês e me perguntei “pra onde que foi tudo isso?” Desde minha educação financeira, graças a deus nunca mais isso me aconteceu.

      E o seu ponto é mais relevante do que nunca: o gasto em si não é 100% inerentemente maléfico, mas sim o gasto desalinhado com o valor. Se você recebe valor significativo comprando alguma coisa, não há mal em gastar conscientemente. É o conceito-chave do livro da Vicky Robin:

      https://pinguiminvestidor.home.blog/2018/12/29/resenha-do-pinguim-2-your-money-or-your-life-de-vicki-robin-e-joe-dominguez/

      Abraços!

      Curtido por 1 pessoa

  5. Pingback: Kakeibo – o método Japonês para fazer e melhorar o orçamento doméstico – Pinguim Investidor

  6. Pingback: Comentário do Pinguim: InfoMoney – 7 sinais de que você nunca será rico – Pinguim Investidor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s